Topo

Polícia prende suspeito de ser mandante do assassinato da menina Vitória Gabrielly

Divulgação/Arquivo Pessoal
Vitória Gabrielly foi sequestrada ao sair para andar de patins Imagem: Divulgação/Arquivo Pessoal

José Maria Tomazela

Em Sorocaba

2019-05-22T09:52:00

22/05/2019 09h52

A Polícia Civil confirmou hoje a prisão do quarto suspeito de envolvimento na morte da estudante Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, sequestrada e morta quando saiu de casa para andar de patins, em junho de 2018, em Araçariguama (SP).

Odilan Alves, de 35 anos, comanda o tráfico de drogas na região e teria mandado sequestrar a irmã de um usuário de drogas que devia para ele. A garota é parecida com Vitória, que foi pega por engano. Segundo a polícia, quando descobriram o erro, os sequestradores decidiram matá-la.

Outras três pessoas já estão presas pelo crime, mas faltava chegar ao mandante. Odilan mora em Itapevi, mas mantém uma rede de distribuição de drogas em Araçariguama e outras cidades da região.

Ele foi identificado a partir de informações de uma testemunha que está sob proteção do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo. A testemunha tem uma irmã com as mesmas características de Gabrielly e devia R$ 7 mil ao traficante.

A prisão de Odilan e de outras quatro pessoas que trabalham para ele aconteceu ontem, em Itapevi. O traficante foi levado para a cadeia de São Roque.

Os outros três acusados de matar a menina, o servente de pedreiro Bruno Ergesse e o casal Bruno Oliveira e Mayara Abrantes, estão presos em Tremembé, no Vale do Paraíba. Os três negam participação no crime, mas devem ser julgados pelo tribunal do júri. O processo tramita em segredo de justiça no Fórum de São Roque.

O caso de Vitória mobilizou e comoveu a população de Araçariguama. Imagens de uma câmera mostraram a estudante de 12 anos andando de patins perto do ginásio de esportes, antes de desaparecer, no dia 8 de junho.

A polícia e os moradores se mobilizaram em buscas pela garota. O corpo foi encontrado oito dias depois, em um matagal, à margem de uma estrada rural. Ela havia sido amarrada antes de ser morta. O pedreiro, primeiro a ser preso, apontou o casal como executor do crime.

MP: Criminosos sabiam que Vitória era alvo errado

Band Notí­cias

Mais Notícias