Topo

Maduro não convocou políticos do PT à Venezuela para o apoiarem

Arte UOL sobre foto de Yuri Cortez/AFP
Imagem: Arte UOL sobre foto de Yuri Cortez/AFP
do UOL

Anita Grando Martins

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

2019-05-19T04:01:00

19/05/2019 04h01

Dentre as muitas publicações que circulam na internet relacionando o Partido dos Trabalhadores (PT) ao atual governo da Venezuela, duas têm sido disseminadas com mais intensidade nas últimas semanas. A primeira mostra um suposto pedido do presidente venezuelano Nicolás Maduro para que seus "amigos de fé Fernando Haddad, Gleisi Hoffmann, Maria do Rosário e Jandira Feghali" estejam presentes na Venezuela para lutar pela causa a seu lado.

A segunda traz uma foto de Haddad e uma de Maduro lado a lado, acompanhadas pela seguinte fala, que teria sido dita pelo ex-candidato do PT à presidência: "Maduro, para mim, é um exemplo e inspiração. Há problemas na Venezuela? Há. Mas a culpa é da oposição que não colabora".

FALSO: Maduro não convocou petistas e frase não foi dita por Haddad

Não há registros na internet, seja em redes sociais, seja em meios de comunicação, de um pedido de Maduro para que políticos do PT viajem à Venezuela para apoiá-lo. Por meio de sua assessoria de imprensa, Haddad negou que tenha recebido tal solicitação de quaisquer dirigentes do governo venezuelano.

O ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da educação também desmentiu que tenha dito a frase com elogios a Maduro. Como já o fez em outras ocasiões, ele ainda afirmou que o regime venezuelano deixou de ser democrático. Durante a campanha presidencial do ano passado, outra postagem que atribuía a Haddad comentários similares sobre Maduro circulou e foi verificada como falsa pelo UOL Confere.

Em sua mais recente resolução sobre a situação na Venezuela, de março deste ano, o PT "se posiciona pelos princípios da autodeterminação dos povos, da não intervenção e pela solução pacifica dos conflitos" e "conclama todas as forças políticas, internas e externas, a que se empenhem na busca de uma solução pacífica, negociada e democrática para a crise na Venezuela".

Mais Notícias