Topo

Bolsonaro encerra entrevista após pergunta sobre ataques de Carlos a Mourão

17.abr.2019 - Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) - Alan Santos/PR
17.abr.2019 - Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) Imagem: Alan Santos/PR
do UOL

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

25/04/2019 13h10

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) encerrou entrevista que concedia a jornalistas, na manhã de hoje, ao ser questionado sobre a continuidade dos ataques de um dos seus filhos, Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), ao vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB).

O mandatário atendeu à imprensa no Palácio do Planalto depois de uma solenidade que marcou a revogação do horário de verão para este ano. Ele chegou a responder perguntas sobre a reforma da Previdência, e afirmou, por exemplo, que a Câmara dos Deputados é "soberana" para fazer alterações no texto enviado pelo governo.

"Mas a economia [gerada pela proposta inicial, na avaliação do Executivo] é importante. A gente espera que ela passe da forma mais próxima do que nós encaminhamos", completou.

A menção às farpas públicas que se sucederam no duelo entre Carlos e Mourão, no entanto, levou Bolsonaro a interromper a entrevista.

Ontem, pelo segundo dia consecutivo, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, tentou dar por encerrada a crise aberta pelos tuítes de Carlos, que é vereador no Rio de Janeiro mas tem sido um personagem influente no governo do pai.

Mourão havia dito que o assunto era "página virada" e que "quando um não quer, dois não brigam". Horas depois, Rêgo Barros declarou que a declaração do vice estava "alinhada com o pensamento do nosso presidente, de olhar para frente acendendo o farol de milha e evitar usar o retrovisor".

O porta-voz leu novamente nota que havia sido divulgada no dia anterior. O texto diz que a crise ganhou um "ponto final", que o presidente em "apreço por Mourão", mas sempre estará ao lado do seu filho.

Sem trégua

Apesar das declarações de apaziguamento transmitidas pelo governo e por Mourão, Carlos Bolsonaro seguiu ontem com os posts críticos ao vice-presidente.

Pela manhã, Carlos retuitou uma postagem que trazia um comentário de Caio Coppola para a rádio Jovem Pan. Segundo ele, "fontes no Palácio do Planalto disseram que poucas vezes detectaram tanta ambição presidencial em alguém como no vice-presidente Mourão".

Depois, compartilhou um vídeo intitulado "General Mourão: o traidor?" e disse que o "vice contraria ministros e agenda que elegeu Bolsonaro presidente".

Desde a tarde de segunda-feira (22), Carlos tem publicado em seu Twitter críticas ao vice-presidente, o que gerou mal-estar no governo e tentativas de pacificação por parte da cúpula bolsonarista.

Bolsonaro almoça no bandejão do Planalto

UOL Notícias

Mais Notícias