Topo

Quando um não quer, dois não brigam, diz Mourão após publicações de Carlos

21.fev.2019 - Vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão - Sérgio Lima/AFP
21.fev.2019 - Vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão Imagem: Sérgio Lima/AFP

Amanda Pupo, colaborou Felipe Frazão

Brasília

23/04/2019 21h10

O vice-presidente Hamilton Mourão pediu "calma" e buscou amenizar a situação gerada após as publicações do vereador Carlos Bolsonaro relacionadas a ele, e disse a jornalistas no final da tarde desta terça-feira, 23, que "todo mundo emite sua opinião", e que "quando um não quer dois não brigam". "Eu sei de todas as angústias, as perguntas que vocês (jornalistas) querem fazer. É o seguinte: calma, todo mundo emite sua opinião, tal e coisa. Então, a minha mãe sempre dizia uma coisa, quando um não quer dois não brigam", disse o vice, afirmando que essa é a sua "linha de ação". "Vamos manter a calma", completou.

O vice fez os comentários antes mesmo de a imprensa perguntá-lo sobre as recentes postagens do filho de Bolsonaro envolvendo Mourão. Nesta terça-feira, Carlos reproduziu um vídeo em que o vice comenta a crise na Venezuela, apontando que a parcela da população contrária ao presidente Nicolás Maduro está desarmada. "Quando a única coisa que lhe resta é o último suspiro de vida, surgem estas pérolas que mostram muito mais do que palavras ao vento, mas algo que já acontece há muito. O quanto querer ser livre e independente parece ser a maior crueldade para alguns", diz o vereador na postagem.

Questionado se o presidente Jair Bolsonaro deveria agir em relação ao filho como fez nesta segunda-feira, 22, quando afirmou que as "recentes declarações" feitas pelo escritor Olavo de Carvalho, que fez ataques a militares, "não contribuem" para o "projeto de governo", Mourão disse que o "presidente é o presidente", e que ele "tem a forma dele de pensar". "Aguarda, filho é filho", disse o vice. Mourão disse que não teve oportunidade de conversar com Bolsonaro sobre o assunto.

Também nesta terça, o vereador carioca traduziu e expôs "o que parece ser", diz, um convite para uma palestra do vice-presidente nos EUA em que Mourão é chamado de "voz da razão e moderação" no governo marcado por 100 dias de "paralisia política". "Se não visse, não acreditaria que aceitou com tais termos", afirma Carlos na postagem. "Os primeiros 100 dias do governo Bolsonaro foram marcados por paralisia política, em grande parte devido às crises sucessivas geradas pelo próprio círculo interno do presidente, se não por ele mesmo", lê-se na imagem compartilhada pelo filho de Bolsonaro, com versão traduzida por ele.

"Já que desta vez não se trata de curtida, vamos ver como alguns irão reclamar", escreveu Carlos, em referência ao "like" de Mourão numa publicação da jornalista Rachel Sheherazade com críticas a Bolsonaro e elogios a ele. Foi o mesmo tuíte que fez o deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP) protocolar um pedido de impeachment contra Mourão. Ontem, Carlos já havia criticado o vice-presidente por ter curtido o tuíte crítico a Bolsonaro. No domingo, Carlos publicou - e depois apagou - um vídeo com críticas ácidas do escritor Olavo de Carvalho aos militares.

Porta-voz

O porta-voz da Presidência da República, general Rêgo Barros, disse nesta terça-feira que o presidente Jair Bolsonaro quer colocar um ponto final na desavença pública entre o filho Carlos Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão. Apesar disso, o porta-voz não respondeu se o presidente tomou alguma medida prática ou conversou reservadamente sobre as críticas públicas com o filho ou o vice. Rêgo Barros tratou o tema como uma "pretensa discussão" entre Carlos Bolsonaro e Mourão.

O porta-voz reproduziu, em declaração à imprensa, uma frase atribuída ao presidente sobre o filho e uma série de elogios ao trabalho do vereador. "É sangue do meu sangue", teria dito Bolsonaro. "Carlos foi um dos grandes responsáveis pela vitória nas urnas, contra tudo e contra todos. O presidente enfatiza que estará sempre ao seu lado."

Ao falar sobre o vice-presidente, o porta-voz disse que ele terá o apreço de Bolsonaro. "É o subcomandante do governo, topou o desafio das eleições e terá a consideração e o apreço do presidente", afirmou Rêgo Barros.

O porta-voz relatou que a responsabilidade das publicações críticas a Mourão nas redes sociais de Carlos Bolsonaro são do filho e vereador. "O presidente evidencia que declarações individuais publicadas nas mais diversas mídias são de exclusiva responsabilidade daqueles que as emite. Quaisquer outras influências externas no governo que venham a contribuir para mudanças propostas no Brasil serão sempre bem-vindas", declarou.

Mais Notícias