Topo

Rio: Veja quem são os mortos no desabamento dos prédios na Muzema

Arquivo pessoal
Vítimas da tragédia em Muzema Imagem: Arquivo pessoal
do UOL

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

2019-04-15T13:10:46

2019-04-20T19:52:17

15/04/2019 13h10Atualizada em 20/04/2019 19h52

O desabamento de dois prédios ocorrido em 12 de abril na comunidade de Muzema, no bairro do Itanhangá, na zona oeste do Rio, provocou a morte de 22 pessoas, segundo o Corpo dos Bombeiros. Ao menos uma pessoa ainda está desaparecida.

Parte dos mortos era de migrantes vindos do Nordeste em busca de uma vida melhor, mas que acabaram vítimas da queda nos prédios.

A Policia Civil do Rio investiga as causas do desabamento e tenta identificar os responsáveis pela construção.

Conheça abaixo as vítimas da tragédia em Muzema

Hiltonberto Rodrigues de Souza, 34, Maria de Nazaré, 30, e Hilton Guilherme, 12

Arquivo pessoal
Hiltonberto e a mulher Maria brincam com Hilton Imagem: Arquivo pessoal
Eles eram pai, mãe e filho. Os três nasceram no Maranhão e moravam havia 15 anos no Rio de Janeiro. A família havia se mudado no final do ano passado para o condomínio Figueira, em Muzema. Antes, os quatro dividiam uma quitinete em Rio das Pedras, na zona oeste da cidade.

Hiltonberto tinha uma oficina na região e economizou durante 10 anos para conseguir pagar R$ 60 mil pelo imóvel. O apartamento foi comprado em outubro de 2018 e ainda passou por reformas para receber a família.

Filho mais velho do casal, Hilton Guilherme permaneceu 17 horas sob os escombros. Ele foi socorrido ainda com vida para o hospital Miguel Couto, na Gávea, zona sul do Rio. O adolescente chegou na unidade de saúde com fratura em uma das pernas e ferimentos no rosto, mas consciente. Ele morreu no sábado (13) durante uma cirurgia.

Segundo a enfermeira Cristina Rodrigues de Souza, 40, que é tia de Hilton Guilherme, o adolescente tinha o sonho de ser engenheiro mecânico.

Era um menino feliz, obediente, estudioso, ajudava o pai na oficina. Já a menina (filha mais nova do casal) está comigo, vai voltar para a escola semana que vem, está brincando, ela não sabe ainda o que aconteceu. Vou levá-la no psicólogo para acompanhar isso

Cristina Rodrigues de Souza, sobre o sobrinho Hilton Guilherme, morto na queda de dois prédios no Rio

O corpo dos três permanece no IML e o enterro deve ocorrer no Maranhão, onde os três nasceram.

Jefferson Trajano, 29, Carla Batista, Arthur, 4, e Enzo, 6

Reprodução/Facebook/Jeferson Trajano
O casal Jefferson Trajano e Carla Batista e os filhos Enzo e Arthur Imagem: Reprodução/Facebook/Jeferson Trajano
O casal Jefferson Trajano, 29, e Carla Batista deixou há 20 anos a Paraíba e foi morar no Rio de Janeiro. Lá, tiveram dois meninos: Enzo, 6, e Arthur, 4.

A família morava havia poucos meses no térreo de um dos prédios que caiu, segundo o irmão de Jefferson, Jandir Trajano, e comemorava a compra do novo imóvel e a saída do aluguel. Os corpos dos pais foram encontrados na última quinta-feira (18) e os dos meninos foram retirados dos escombros hoje.

"Meu irmão estava dormindo no restaurante em que trabalhava por causa das chuvas, mas no dia 11 decidiu ir com a família para casa", disse Jandir. O restaurante a que ele se refere era do casal e fica no bairro Gardênia Azul, vizinho da comunidade.

De acordo com Aílson Ferreira, primo de Jefferson, Carla fez aniversário na sexta-feira (12), dia em que ocorreu o desabamento na Muzema, e ela ganharia uma festa surpresa do marido. "Eu e o Jefferson falávamos nisso, mas terminei o domingo rezando para vê-los de novo", afirma.

Cláudio José de Oliveira Rodrigues, 40

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Ele era pastor e vice-presidente da associação de moradores. Rodrigues foi retirado dos escombros e levado para o hospital Unimed, mas não resistiu. Ele foi a primeira vítima a ser enterrada. O velório ocorreu no domingo (14), no Cemitério do Pechincha, na zona oeste. Parentes do pastor disseram que ele ficou até 4h ajudando a resolver problemas na região causados pela chuva. Os prédios desabaram às 6h30.

"Ele voltou para a casa para descansar um pouco e duas horas depois o prédio caiu. Ele era uma liderança e sempre estava disponível para ajudar os outros", disse o cunhado Gutenberg.

O pastor jogava também no time amador da comunidade: o Muzema Futebol Clube. A filha dele, Clara Rodrigues, de sete anos, foi socorrida ao mesmo hospital que o pai e já teve alta. A mulher dele, Adilma Rodrigues, 35, está internada no hospital municipal Lourenço Jorge, onde passou por cirurgia. O estado de saúde dela é considerado greve.

Raimundo Nonato do Nascimento, 41, e Pedro Lucas, 8

Nascido no Ceará, Nonato chegou a morar em Xerém, região metropolitana do Rio, e uma semana antes do desabamento se mudou com a família para Muzema. A casa nova foi comemorada pela família. Nonato chegou a trabalhar com transporte de van, mas vendeu o veículo e comprou o apartamento no condomínio Figueiras, onde dois prédios desabaram. Recentemente, Nonato trabalhava como motorista de aplicativo.

"Ele vendeu a vanzinha dele, deu de entrada no apartamento e conseguiu comprar", disse a sobrinha Taylane Pontes.

A família chegou a comemorar o resgate dele dos escombros. A informação inicial era de que ele havia sido retirado com vida. No entanto, outro Raimundo Nonato, da mesma faixa de idade, sobreviveu. A morte foi confirmada aos parentes no IML (Instituto Médico Legal).

Além dele, a família também perdeu Pedro Lucas, que era filho de Raimundo Nonato e foi encontrado sem vida pelo Corpo de Bombeiros. A mãe dele e mulher de Nonato, Paloma, e um filho de quatro anos estão internados. Outras duas crianças da família, Lauana, 16, e Isaque de 9, permanecem desaparecidos.

Zenilda Bispo, 40, e Ruan Amorim Rodrigues, 10

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Mãe e filho foram resgatados no domingo (14) sem vida. Os dois moravam havia dois anos no prédio que desabou e Zenilda trabalhava como diarista. O marido de Zenilda não estava em casa no momento do desabamento. A cunhada da vítima passou a noite no local à espera de notícias da família. Ela contou que pediu várias vezes para que deixassem o prédio.

"O prédio caiu 6h30, eles costumavam sair de casa 7 horas", disse ela no sábado (13) quando ainda aguardava por notícia no local.

Antônia D'Ávila Sampaio, 31

Ela teve o corpo localizado na manhã de segunda-feira (15) sob os escombros dos prédios

Maria Silva Abreu, 49

Corpo foi encontrado na manhã de domingo (14) pelo Corpo de Bombeiros

O IML não liberou identificação a identificação de outras oito vítimas:

- Três menores de idade

- Quatro mulheres adultas

- Um homem adulto

Mais Notícias