Topo

Como a pele eletrônica que se cura sozinha pode revolucionar a tecnologia

do UOL

Luiza Ferraz

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2019-03-23T04:00:00

23/03/2019 04h00

Quando pensamos em água-viva, nos vem à mente queimaduras e uma criatura gosmenta. Para os cientistas da Universidade Nacional de Singapura, no entanto, ela serve de inspiração para criações mirabolantes, como uma pele eletrônica que é capaz de se curar sozinha.

Apelidada de 'Glasses', a pele é capaz de recuperar a sua condutividade elétrica dentro de minutos e de se regenerar em dias, no caso de lesão ou corte.

Trata-se de uma mistura de plástico elástico com um líquido iônico rico em flúor dentro de uma espécie de gel, o que cria um material transparente, que lembra uma água-viva. Mas, além disso, ele é autocurável --ou seja, se regenera-- e que funciona em ambientes secos e úmidos --algo que os hidrogéis nunca conseguiram.

"Ela pode manter a sua forma tanto na água do mar quanto em áreas mais ácidas e alcalinas. É por isso que é tão diferente", explica Benjamin Tee, líder do projeto.

Para provar a sua condutividade, a equipe fez uma demonstração com o 'Jogo da Cobrinha'. Usando o material, que é super sensível ao toque, você consegue conduzir a cobrinha sem dificuldades (veja no vídeo acima).

Segundo os próprios pesquisadores, esse projeto pode agregar no ramo da tecnologia, criando robôs mais maleáveis e flexíveis, diferente dos feitos de aço como vistos nos dias de hoje.

Além disso, o 'Glasses' também tem efeitos positivos no meio ambiente, já que pode ser curado sozinho e não necessita de substituição, "reduzindo a quantidade de eletrônicos que acabam desperdiçados", como é ressaltado por Tee.

Mais Notícias