Topo

Volkswagen começa a vender elétrico I.D. na Europa em maio; Brasil aguarda

Divulgação
Chefão da VW, Herbert Diess posa ao lado do I.D. conceitual: elétrico está perto de ganhar as ruas Imagem: Divulgação
do UOL

Thais Villaça; Eugênio Augusto Brito

Colaboração para o UOL; do UOL, em São Paulo (SP)

2019-03-14T11:33:57

14/03/2019 11h33

Resumo da notícia

  • Modelo é o primeiro da família elétrica da VW
  • Valor é mistério, mas meta é ser mais barato que Tesla Model 3
  • Modelo só será lançado oficialmente no Salão de Frankfurt, em setembro
  • Brasil aguarda uma série de definições, mas terá um eletrificado este ano

O futuro hatch elétrico Volkswagen I.D. ainda nem teve sua versão final apresentada -- ele já roda em extensivamente em testes camuflados, na Europa, inclusive com a imprensa --, mas já ganhou data de pré-venda. A partir de 8 de maio, clientes europeus poderão fazer a reserva do carro.

Mas é bom não ter pressa: o lançamento oficial do primeiro modelo da família de carros elétricos da Volkswagen só vai acontecer no Salão de Frankfurt, em setembro. E as primeiras entregas devem ocorrer apenas em meados de 2020.

Durante coletiva de imprensa, o membro do conselho da marca para vendas, Jurgen Stackmann, afirmou que interessados em serem os primeiros proprietários do I.D. podem fazer o pagamento para assegurar as primeiras unidades que sairão da linha de produção.

A Volkswagen vai produzir o I.D. hatch em duas fábricas: China (para Ásia e Europa) e em Chattanooga (EUA e resto da América)

"Acredito que que a edição de lançamento deverá estar esgotada antes mesmo de o I.D. ser mostrado no Salão de Frankfurt, em setembro. Os números informados por nossas concessionárias indicam isso", disse Stackmann.

Divulgação
Volkswagen I.D. roda extensivamente em testes, mas nem visual, nem especificações foram revelados Imagem: Divulgação

Quanto custa? Ideia é ser mais barato que Tesla

Falta um detalhe: o preço.

O valor da reserva ainda não foi divulgado, mas de acordo com a Volks, o preço inicial do elétrico na Europa ficará abaixo dos 30 mil euros -- cerca de R$ 130 mil diretos.

Esse patamar não é aleatório: a ideia da Volkswagen é ter preço abaixo do Tesla Model 3, que finalmente começou a ser entregue em escala comercial e já se posicionou como elétrico mais vendido do mundo. O modelo norte-americano custa pouco mais de US$ 35 mil (R$ 135 mil) em sua versão de entrada.

Resta saber se os europeus realmente arriscarão pagar por um carro no escuro, uma vez que nem o visual ou dados mecânicos e de desempenho foram revelados. Uma pequena pista surgiu semana passada, no Salão de Genebra, com a apresentação de uma prévia do Seat El-Born, releitura da marca espanhola para o I.D.

Jakob Ebrey/Newspress
Seat El-Born, primo-irmão do I.D., foi apresentado durante o Salão de Genebra Imagem: Jakob Ebrey/Newspress

Visual interno do El-Born é similar ao do Volkswagen Polo, com pequenas adaptações. Em termos de performance, o modelo da Seat promete fazer 0-100km/h em 7,5 segundos, ter potência de 204 cavalos (quase o mesmo de um Golf GTI do começo da geração 7) e alcançar 420 quilômetros de autonomia (ciclo WLTP) com sua bateria de 62kWh, Em super-carregadores, será possível carregar 80% desta bateria em 47 minutos, diz a Seat.

Tanto o Seat El-Born, quanto o Volkswagen I.D. e outros futuros elétricos da Audi serão montados sobre a base modular múltipla MEB, feita especialmente para eletrificação e conectividade (carros interligados em nuvem e que já poderão ser atualizados pare receber funções, inclusive de direção autônoma no futuro). A linha I.D. já tem um hatch, um crossover com estilo mais esportivo, promete ter um SUV e ainda um furgão (a Kombi do século 21).

No caso do modelo da Volkswagen, diferenças incluem ter o porte de um Golf e três opções de tamanho de bateria, que são complementares às da Seat, permitindo autonomias entre 330 km e 600 km.

Divulgação
Apesar do porte de Golf, painel do Seat El-Born lembra o de um Polo, com alguns ajustes Imagem: Divulgação

Brasil terá carro elétrico?

Pablo di Si, presidente da Volkswagen para Brasil e América do Sul, afirmou durante o lançamento do Volkswagen T-Cross, há um mês, que a Volkswagen do Brasil "vai aguardar o desenrolar do interesse global e do avanço de vendas da família I.D." para saber se vale ou não apostar na chegada dos carros por aqui. Isso é coisa para, no mínimo, cinco anos.

Este ano, porém, promete o executivo, será colocada a venda a versão eletrificada do Golf. O Golf GTE é um híbrido que preza pela esportividade.

Ele troca o motor 2.0 turbo de 220 cavalos e 35,7 kgfm de torque do Golf GTI atual por um 1.4 turbo de 150 cv, mais gerador elétrico de 101 cv, com os mesmos 35,7 kgfm de torque. A potência total de 204 cv se soma ao câmbio DSG de seis marchas para melhor aproveitamento do torque. Assim, o GTE promete rodar até 64 km com cada litro de gasolina ou por cerca de 50 km apenas no modo elétrico.

Mais Notícias