PUBLICIDADE
Topo

SpaceX lança 1ª cápsula não tripulada para viajar à Estação Internacional

01/03/2019 18h02

Miami, 1 mar (EFE).- A SpaceX lançará neste sábado, no Cabo Cañaveral, na Flórida, uma cápsula não tripulada rumo à Estação Espacial Internacional, uma missão que tem como objetivo provar a capacidade da empresa de enviar módulos com astronautas ao espaço.

A Demo Mission-1 (DM-1) servirá para que a empresa mostre ao mundo que pode oferecer viagens "seguras e confiáveis" para a Estação Internacional, como parte do programa de tripulação comercial desenvolvido pela Nasa.

A cápsula Crew Dragon, uma versão aprimorada do módulo de carga Dragon, será lançada às 2h49 locais do sábado (4h49 em Brasília), a partir da histórica plataforma 39A do complexo de Cabo Cañaveral, a mesma de onde partiram as missões lunares do programa Apolo.

O novo módulo espacial conta com novos sistemas de suporte de vida para a tripulação, painéis de controle, design de assentos e um sistema de propulsão que pode ser usado em caso de emergência.

Com um contrato pelo qual receberá US$ 2,6 bilhões da Nasa, o plano da SpaceX é, nesta primeira fase, realizar um voo de testes sem tripulantes, mas que levará equipamentos para os astronautas que estão atualmente vivendo na estação internacional.

Dentro da cápsula também irá um manequim vestido com traje de astronauta, repetindo o que a SpaceX fez em 2018, quando lançou o foguete Falcon Heavy ao espaço.

Se tudo ocorrer como previsto, em abril, a SpaceX fará um novo teste para testar um sistema de emergência. Meses mais tarde, já no verão do hemisfério norte, levará pela primeira vez dois astronautas da Nasa à estação espacial, onde eles ficarão por duas semanas.

"Enquanto a Dragon se prepara para levar seres humanos pela primeira vez, a SpaceX continuará fazendo viagens regulares à Estação Espacial Internacional com carga", afirmou a empresa.

A SpaceX destacou que a Dragon é a única nave espacial que pode trazer grande quantidade de carga de volta à Terra.

Desde 2011, ano em que a Nasa interrompeu o programa de lançamento de novas naves, os Estados Unidos tiveram que recorrer à Rússia para enviar astronautas à estação internacional.

Pelo acordo, o governo americano pagava US$ 80 milhões por astronauta que tripulava a nave russa Soyuz, uma situação embaraçosa para uma potência muito orgulhosa de sua história no espaço.

A Crew Dragon, afirma a SpaceX, tem como vantagem em relação à Soyuz o fato de ter sido projetada do zero com os avanços científicos mais recentes. EFE

Notícias