Topo

Ex-secretário de Mao Tsé-Tung e crítico do partido morre aos 101 anos

2019-02-16T10:18:00

16/02/2019 10h18

Pequim, 16 Fev 2019 (AFP) - O ex-secretário de Mao Tsé-Tung, Li Rui, um crítico ousado do Partido Comunista da China que passou a vida inteira próximo ao centro da elite política, morreu neste sábado (16) aos 101 anos, anunciou a sua família.

Li deu entrada em um hospital de Pequim por uma infecção pulmonar no ano passado e morreu de falência de órgãos em Pequim, disse sua filha em um e-mail à AFP.

Li ganhou uma posição ao lado do líder supremo da China em meados da década de 1950, com foco no desenvolvimento industrial.

Mas então ele falou sobre os fracassos da política do Grande Salto para a Frente de Mao, que pretendia impulsionar a produção econômica da China, mas, em vez disso, desencadeou estrago e fome em todo o país.

O Partido Comunista expulsou Li e, durante a Revolução Cultural, ficou preso por oito anos na infame prisão de Qincheng, perto de Pequim.

Foi reabilitado em 1979, quando os moderados assumiram o poder e acabaram promovendo-o para ocupar uma posição-chave no poderoso Departamento de Organização do partido, antes de ser novamente forçado a deixar o cargo em 1984.

Mais tarde, se tornou um defensor da reforma política e, em 2007, publicou artigos pedindo que o partido se tornasse um partido socialista de estilo europeu.

Li também se opôs a uma mudança constitucional no ano passado, que removeu os limites do mandato presidencial e abriu o caminho para o atual presidente Xi Jinping permanecer no poder indefinidamente.

"Xi Jinping quer um sistema vitalício", disse Li em entrevista ao jornal Ming Pao, de Hong Kong.

Como especialista do presidente Mao, Li publicou vários livros sobre o ex-líder.

Li declarou em uma carta aberta no ano passado que alguns de seus trabalhos foram proibidos de serem publicados na China.

Continuou a escrever em seus últimos dias, disse sua filha Li Nanyang.

Escreveu as mesmas palavras várias vezes, contou: "Todos devem estar sujeitos a quatro tipos de restrições na vida: idade, conhecimento, capacidade ideológica e caráter pessoal".

"As palavras me inspiram a continuar pressionando por uma abertura para um governo constitucional que meu pai e meu avô perseguiram por toda a vida", disse à AFP.

Mais Notícias