Topo

Morre Gordon Banks, autor da "defesa do século" contra Pelé

12/02/2019 13h29

Ex-goleiro campeão do mundo pela Inglaterra na Copa de 1966 perde batalha contra o câncer. Conhecido por seus reflexos, Banks eternizou seu nome com a mais famosa defesa da história do futebol num cabeceio de Pelé.Gordon Banks, um dos maiores goleiros da história do futebol e autor da defesa considerada a mais espetacular em uma Copa do Mundo, morreu nesta terça-feira (12/02) aos 81 anos, depois de uma longa batalha contra um câncer nos rins.

O clube inglês Stoke City, um dos defendidos por Banks ao longo da carreira, publicou em sua conta no Twitter um comunicado da família do ex-goleiro. "É com grande tristeza que anunciamos que Gordon faleceu pacificamente da noite para o dia. Estamos devastados por perdê-lo, mas temos tantas lembranças felizes e não poderíamos ter mais orgulho dele", diz a nota.

E as lembranças boas certamente são diversas. Conhecido por seus reflexos, Banks foi um dos jogadores mais reverenciados do futebol inglês e titular da seleção inglesa em 73 jogos – inclusive na Copa do Mundo de 1966, conquistada pelos Three Lions na Inglaterra.

Banks sofreu apenas um gol nas cinco partidas que antecederam à final histórica contra a Alemanha Ocidental, vencida pelos ingleses por 4 a 2 na prorrogação também graças ao polêmico gol marcado por Geoff Hurst, cuja incerteza sobre se a bola atravessou por completo a linha da baliza alemã chegou a ser objeto de estudo científico e perdura até hoje.

O ex-goleiro é o quarto membro do English Team titular da final em Wembley a morrer, depois do capitão Bobby Moore, do meia Alan Ball e do lateral-esquerdo Ray Wilson.

Embora tenha conquistado a Copa do Mundo de 1966 e sido eleito pela Fifa como o melhor goleiro do ano em seis oportunidades (1966, 1967, 1968, 1969, 1970 e 1971), Banks eternizou seu nome na história do futebol mundial em 7 de junho de 1970, quando evitou um gol certo de Pelé com uma defesa considerada praticamente impossível.

Em partida válida pela fase de grupos da Copa do Mundo de 1970, no México, a então campeã mundial Inglaterra enfrentava a seleção brasileira em Guadalajara. A partida foi vencida pelo Brasil por 1 a 0, mas, quando o placar no estádio Jalisco ainda estava zerado, Banks protagonizou um dos momentos mais famosos da história das Copas, a chamada "defesa do século".

Ainda no primeiro tempo, Jairzinho recebeu um lançamento de Carlos Alberto Torres, driblou o defensor inglês Terry Cooper e cruzou na medida para Pelé. O cabeceio perfeito do Atleta do Século não balançou as redes inglesas graças à intervenção intuitiva de Banks.

"Aquela defesa à cabeçada de Pelé foi a melhor que já fiz. Não tinha ideia de como ela ficaria famosa. Para começar, nem mesmo achava que iria fazê-la", recordou Banks numa entrevista em 2003. "O gramado no México era extremamente duro. Então, a bola quicar na sua frente era desagradável. Eu tive que antecipar o quanto a bola ia quicar. Não me joguei para baixo, mas para trás, para dar conta do salto. Consegui colocar as pontas dos dedos na bola." No lance, nota-se que Pelé ergue os braços para comemorar.

"Eu ouvi Pelé gritar 'gol' quando cabeceou, seguido de um grande furor, quase ensurdecedor. Achei que ele tinha marcado. Quando me dei conta, a multidão estava me aplaudindo. Bobby Moore veio e acariciou meu cabelo. Quando me levantei, tentei parecer o mais indiferente possível, como que dizendo que faço aquele tipo de defesa o tempo todo", descreveu Banks ao Observatório Mensal do Esporte, em 2003.

No dia anterior ao duelo com a seleção brasileira, Banks tomou conhecimento de que fora condecorado com a Excelentíssima Ordem do Império Britânico (OBE).



O mundo do futebol prestou suas condolências nesta terça-feira. Os canais oficiais no Twitter da Premier League, da Federação Inglesa de Futebol (FA, na sigla em inglês) e dos clubes que defendeu, assim como a página oficial da Fifa, reverenciaram o ex-goleiro. O mesmo fizeram grandes nomes do futebol, como o também lendário goleiro Peter Shilton, sucessor de Banks na seleção inglesa.

"Estou devastado. Hoje perdi meu herói. Nossas condolências a sua família. Descanse em paz, Gordon", escreveu Shilton.

"Ah não. Gordon Banks, um dos meus heróis absolutos, morreu. Campeão mundial com a Inglaterra, foi um dos maiores goleiros de todos os tempos e um homem muito amável", escreveu o ex-atacante inglês Gary Lineker.

"Muito triste em receber a notícia de que Gordon morreu. Um dos maiores. Meus pensamentos estão com Ursula [esposa], Julia, Wendy e Robert [filhos]. Triste para o futebol, para o Stoke City e para os torcedores ingleses. Sua falta será bastante sentida", escreveu Geoff Hurst, que esteve com Banks nas Copas de 1966 e 1970.



Nascido em Sheffield, Banks iniciou sua carreira no Chesterfield, onde chamou a atenção do Leicester City, que adquiriu os direitos federativos do goleiro por sete mil libras esterlinas em 1959. Banks defendeu a meta dos Foxes por oito anos e conquistou a Copa da Liga Inglesa de 1964. Foi com a camisa do Leicester City que Banks chegou à seleção inglesa.

Em 1967, Banks rumou ao Stoke City pelo valor de transferência de 50 mil libras esterlinas – uma quantia extraordinária para um goleiro na época. Entre empréstimos, Banks permaneceu seis temporadas no Stoke City, com quem reconquistou a Copa da Liga Inglesa em 1972.

Também em 1972, Banks se viu forçado a se aposentar dos gramados aos 34 anos. Ele perdeu a vista de seu olho direito num acidente automobilístico. No entanto, anos depois, em 1977, Banks decidiu se aventurar no Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos, na época o clube rival do Cosmos, de Pelé.

Banks perdeu um dos seus rins ao câncer em 2005 e revelou em 2015 que estava enfrentando outra batalha contra a doença. "Se eu pude fazer uma defesa como aquela contra o Pelé, jogando contra o maior do mundo, então serei capaz de combater este problema de saúde", disse Banks na época.

Uma de suas últimas aparições públicas foi durante o sorteio dos grupos da Copa do Mundo de 2018, em meados de 2017, quando foi um dos convidados pela Fifa.

PV/ap/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Mais Notícias