Topo

Trump promete promover inteligência artificial diante de avanços da China

11/02/2019 23h06

Washington, 11 fev (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta segunda-feira um decreto destinado a promover o desenvolvimento de tecnologias de inteligência artificial no governo americano para competir com países como a China, mas não anunciou nenhum investimento que possa potencializar essa estratégia.

O plano, chamado Iniciativa para a Inteligência Artificial Americana, instrui as agências do governo dos EUA a priorizar a pesquisa desse tipo de tecnologia, que muitos analistas acreditam que pode ser crucial para o desenvolvimento da economia e inclusive das guerras no futuro.

"Os Estados Unidos devem esporear avanços tecnológicos em matéria de inteligência artificial em todo o governo federal, a indústria e as instituições acadêmicas para poder promover descobertas científicas, a competitividade econômica e a segurança nacional", indica a ordem executiva assinada por Trump.

O decreto reconhece a importância de desenvolver um plano que atualize os EUA em relação aos avanços de "competidores estratégicos e adversários estrangeiros", sem identificar nenhum país, embora a imprensa local não tenha dúvidas em apontar que se trata da China.

Em 2017, Pequim apresentou um plano para se transformar no líder mundial em inteligência artificial, com o objetivo de criar uma indústria avaliada em US$ 150 bilhões até 2030.

Por sua parte, a Comissão Europeia e os Estados-membros, além da Suíça e da Noruega, se comprometeram em dezembro a alcançar um total de 20 bilhões de euros (US$ 22,5 bilhões) de financiamento no setor da inteligência artificial até 2020.

Por outro lado, os EUA não identificaram ainda um número de investimento similar, algo que alguns analistas consideram preocupante e que a Casa Branca minimizou, ao ressaltar que é o Congresso americano quem deve decidir quantos fundos devem ser dedicados a esse âmbito.

Segundo o jornal "The New York Times", o Pentágono destinou neste ano US$ 75 milhões para criar um novo escritório direcionado a desenvolver tecnologias de inteligência artificial, mas muitos dos especialistas nesse âmbito preferem trabalhar em empresas privadas como Google e Amazon, e não no governo.

A expectativa é que a iniciativa de Trump tome uma forma mais clara nos próximos meses, uma vez que suas agências desenvolvam planos específicos para implementar o decreto. EFE

Mais Notícias