Topo

Bulgária investiga atuação de agente russo em envenenamento de empresário

11/02/2019 13h30

Sófia, 11 fev (EFE).- As autoridades búlgaras confirmaram nesta segunda-feira que investigam se no envenenamento de um empresário do ramo bélico ocorrido em 2015 houve a partipação de um agente russo que alguns veículos de imprensa e o Governo britânico relacionam com a tentativa de assassinato do ex-espião Sergei Skripal no ano passado no Reino Unido.

O procurador-geral búlgaro, Sotir Tsatsarov, explicou hoje que o empresário Emiliyan Gebrev, dono da empresa de armas Dunarit, seu filho e um funcionários foram envenenados intencionalmente em 2015 com Clorpirifós, um inseticida muito tóxico.

Tsatsarov descartou que a substância usada tenha sido o agente tóxico de fabricação russa Novichok, com o qual Skripal e sua filha foram envenenados em março de 2018 na cidade inglesa de Salisbury.

Segundo Tsatsarov, as autoridades britânicas suspeitam que três agentes russos, e não dois como se pensava em um primeiro momento, participaram da tentativa de assassinato de Skripal.

Esse terceiro homem, Sergei Fedotov, esteve três vezes na Bulgária em 2015, uma delas em uma data que coincide com o envenenamento de Gebrev.

"Bellingcat", um portal britânico de investigação jornalística, e a revista búlgara "Kapital" informaram que seriam três, e não duas, as pessoas que tentaram de matar Skripal.

A investigação pela tentativa de assassinato do empresário búlgaro foi arquivada em 2016, um ano depois do início.

No entanto, as investigações foram retomadas em outubro após uma nova denúncia de Gebrev, na qual afirmava que ele e seu filho tinham sido atacados com Novichok.

A Comissão de Segurança do Parlamento búlgaro debaterá nesta quarta-feira o assunto, pelo qual pediu ao Governo que lhe facilite informações classificadas. EFE

Mais Notícias