Topo

Bangladesh detém 22 rohingyas que tentavam fugir de barco para a Malásia

11/02/2019 13h36

Daca, 11 fev (EFE).- A polícia prendeu no sudeste de Bangladesh um grupo de 22 membros da minoria muçulmana rohingya que pretendiam fugir de maneira ilegal em um barco para a Malásia das precárias condições em que vivem nos campos de refugiados, informou nesta segunda-feira à Agência Efe uma fonte policial.

O grupo de rohingyas foi detido ontem à noite depois que caminharam "desde o acampamento de Kutupalong até uma casa abandonada perto do mar, onde esperavam para embarcar em um bote", disse um comandante da Guarda Fronteiriça de Bancgladesh (BGB), Asadud Zaman Chowdhury.

Zaman explicou que o grupo de refugiados foi levado até a região por supostos traficantes de pessoas que cobravam grandes quantias de dinheiro dos refugiados prometendo levá-los à Malásia por uma complicada rota.

Segundo os dados do comandante da BGB, este é o terceiro grupo de rohingyas que é detido tentando deixar o país de barco nos últimos quatro meses pelo distrito de Cox's Bazar, no sudeste de Bangladesh.

Cerca de 30 membros da minoria étnica foram detidos em diferentes pontos de Cox's Bazar na última sexta-feira, e outros 14 em novembro do ano passado quando tentavam empreender uma travessia similar.

Segundo as autoridades locais, os rohingyas pagam aos traficantes entre 50 mil e 200 mil takas (entre R$ 2.200 e R$ 8.800) para serem levados à Malásia.

"Algumas mulheres nos disseram que se casaram por telefone com rohingyas que vivem na Malásia e que viajavam para se reunir com seus maridos", disse Zaman.

No grupo interceptado ontem à noite pelas autoridades havia dez mulheres, 11 crianças e um homem, e todos foram enviados de volta ao campo de refugiados de Kutupalong, no qual estão registrados.

As autoridades não conseguiram deter nenhum traficante. EFE

Mais Notícias