PUBLICIDADE
Topo

Reino Unido ofereceu 80 milhões de libras para manter Nissan após o Brexit

04/02/2019 14h57

Londres, 4 fev (EFE).- O governo do Reino Unido ofereceu à Nissan uma injeção de 80 milhões de libras esterlinas pouco depois do referendo do Brexit, em 2016, para que continuasse a produzir novos modelos em sua fábrica de Sunderland, na Inglaterra, revelou nesta segunda-feira o jornal "Financial Times".

Em carta aos diretores da empresa, o governo detalhou que o investimento estava condicionada à decisão "positiva por parte da direção da Nissan de alocar a produção dos modelos Qashqai e X-Trail à fábrica de Sunderland".

Após receber a mensagem, a empresa japonesa decidiu começar a planejar a produção do X-Trail na Inglaterra, mas no último domingo anunciou que voltou atrás nesses planos e levará a fabricação ao Japão. O presidente da Nissan na Europa, Gianluca de Ficchy, argumentou que a decisão foi tomada por "razões empresariais".

"A contínua incerteza ao redor da futura relação do Reino Unido com a União Europeia (UE) não está ajudando empresas como a nossa a planejar o futuro", detalhou De Ficchy.

O governo britânico tinha garantido à empresa japonesa em outubro de 2016 que as suas operações não seriam afetadas negativamente pela saída do Reino Unido da UE.

"O governo reconhece a importância dos mercados da União Europeia para a sua presença em Sunderland", diz a carta que o secretário de Estado para Negócios, Greg Clark, enviou ao então presidente da Nissan, Carlos Ghosn.

"Será uma prioridade nas nossas negociações apoiar os fabricantes de automóveis britânicos e assegurar que a sua capacidade para exportar para e da União Europeia não seja afetada negativamente pela futura relação" entre Londres e Bruxelas, acrescenta o texto.

Faltando 53 dias para que o país abandone o bloco, o Parlamento britânico ainda não ratificou um acordo sobre os termos de saída. Em 29 de março, o Reino Unido romperá os laços de forma não negociada caso não aprove um tratado de saída ou consiga uma prorrogação do prazo. EFE

Notícias