PUBLICIDADE
Topo

Lutadora de jiu-jítsu morre com tiros enquanto celebrava aniversário no AM

do UOL

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, em Brasília

28/01/2019 17h17

Três homens foram presos no último domingo (27) em Manaus, suspeitos de matarem Patrícia da Cunha Leite, 24, lutadora de jiu-jítsu. Ela comemorava o aniversário em casa, quando homens invadiram o local anunciando assalto. Mas a Polícia Civil e os familiares da vítima acreditam que a intenção do bando era matar Patrícia.

A lutadora levou três tiros na cabeça e foi levada para o Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio. Não resistiu aos ferimentos e morreu no final da tarde de ontem. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

O crime aconteceu por volta de três horas da manhã. Segundo o boletim de ocorrência, a qual o UOL teve acesso, o grupo roubou o carro de um motorista de aplicativo antes do crime, ainda na noite de sábado. Carlos Abraão Rodrigues Farias, 19, Eduardo de Alencar Navegante, 22, e Ronaldo Borges Silva, 32, foram presos em flagrante na Avenida Tefé.

A prisão ocorreu após a Polícia Militar receber a notícia de que um grupo em carro semelhante estava fazendo roubos em bairros da zona sul. Nesta segunda-feira (28) eles irão participar de uma audiência de custódia.

Segundo o 1° Distrito Integrado de Polícia Civil, onde o caso foi registrado, um quarto homem que teria participado do crime conseguiu fugir, levando a arma. Em depoimento, os suspeitos disseram que o foragido teria atirado na jovem, segundo a polícia. Com eles, foram encontrados diversos aparelhos celulares, um veículo roubado e um fuzil de brinquedo.

Ainda segundo o boletim de ocorrência, testemunhas disseram que o grupo chegou à casa onde ocorria o aniversário, roubaram os participantes e perguntaram por Patrícia. Um dos homens teria reconhecido e feito os disparos.

Um dos presos em flagrante, Ronaldo Borges, já responde a processo por um homicídio praticado em 2009. A vítima não tinha passagem pela polícia.

Luto

Amigos e familiares não acreditam que tenha sido um assalto. Uma amiga da vítima, que pediu para não ter a identidade revelada, disse ao UOL que a lutadora havia discutido dias antes com o namorado de uma colega.

"Essa amiga tinha um caso com um traficante. Ele até manteve a garota em cárcere privado e batia nela. A Patricia, revoltada com as agressões, discutia muito com ele. Esse homem teria jurado vingança", disse a jovem.

A mulher também contou que Patricia era uma jovem animada, amiga e sempre disposta a ajudar. Além de lutar jiu-jítsu, ela também cursava Direito. "Ela era muito sonhadora, sabe? Batalhava muito. Nós não acreditamos isso que isso está acontecendo. Nossa alma sangra", disse. O corpo da jovem será velado na terça-feira.

Notícias