PUBLICIDADE
Topo

Alemanha se dispõe a reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela

25/01/2019 12h34

(Corrige 'lead' e acrescenta declarações de porta-voz).

Berlim, 25 jan (EFE).- O governo da Alemanha exigiu nesta sexta-feira a realização imediata de eleições "livres e justas" na Venezuela e indicou que está disposto a reconhecer de forma provisória o autoproclamado presidente venezuelano Juan Guaidó como chefe de Estado interino, se o pleito não for convocado.

O porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, disse em um encontro com os veículos de imprensa que Berlim considera que Nicolás Maduro "não pode ser o presidente legítimo da Venezuela" porque nas últimas eleições presidenciais não foram cumpridos os "padrões democráticos".

"A Venezuela precisa agora de eleições livres e justas, e o governo alemão defende, no âmbito das conversas europeias sobre este assunto, o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino do país, se eleições livres e justas não ocorrerem imediatamente". disse Seibert.

O porta-voz lembrou que o governo alemão é favorável a uma solução europeia neste assunto e disse que a chanceler Angela Merkel falou ontem sobre a situação da Venezuela com o presidente de governo da Espanha, o socialista Pedro Sánchez.

Seibert afirmou que a Assembleia Nacional - que é controlada pela oposição e foi declarada "inconstitucional" esta semana pelo Tribunal Supremo da Venezuela - tem que ter um papel importante no caminho para eleições livres e lembrou que "Juan Guaidó é o líder da Assembleia Nacional".

"São necessárias eleições livres e justas, a liderança legítima do país não é de Nicolás Maduro, acreditamos que a Assembleia Nacional deve ter um papel importante no processo para sair da crise e Juan Guaidó é o líder da Assembleia Nacional", afirmou Seibert.

A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Alemanha, Maria Adebahr, também disse que "a Assembleia Nacional é o único órgão legitimado democraticamente na Venezuela".

Adebahr citou uma frase dita em Nova York pelo ministro das Relações Exteriores, Heiko Maas, na qual ele ressaltou que na crise venezuelana a Alemanha não é neutra e está ao lado de Juan Guaidó.

"A respeito da Venezuela, não somos neutros, estamos ao lado de Juan Guaidó", afirmou Adebahr.

Tanto Seibert como Adebahr lembraram que a União Europeia (UE) não reconheceu o resultado do pleito em que Maduro foi eleito presidente por considerar que o processo eleitoral não tinha cumprido com "os mínimos padrões democráticos". EFE

Notícias