Topo

Delegação da Rússia em Davos será liderada por ministro de Desenvolvimento

11/01/2019 16h49

Moscou, 11 jan (EFE).- O governo da Rússia enviará ao Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, uma delegação que será liderada pelo ministro de Desenvolvimento Econômico, Maxim Oreshkin, após a organização do evento ter suspendido o veto imposto a três empresários do país sancionados pelos Estados Unidos.

O ministro de Energia da Rússia, Alexander Novak, confirmou hoje que Oreshkin vai comandar a delegação russa. Ele próprio fará parte da comitiva, que terá os demais integrantes definidos pelo primeiro-ministro do país, Dmitri Medvedev.

A viagem de Oreshkin a Davos já era esperada, mas ele só participaria da tradicional reunião de ministros organizada pela Organização Mundial de Comércio (OMC), paralela ao fórum.

Segundo a agência russa "Interfax", que cita declarações do próprio ministro, também irão a Davos três empresários russos que a organização do evento queria inicialmente evitar.

O governo de Vladimir Putin também confirmou o envio à Suíça da chamada Casa da Rússia, o tradicional centro de operações dos empresários e políticos do país no Fórum Econômico Mundial.

Em novembro do ano passado, o jornal britânico "Financial Times" informou que o Fórum de Davos tinha proibido a presença no evento do magnata russo do alumínio Oleg Deripaska, do bilionário Viktor Vekselberg e do presidente do banco VTB, Andrey Kostin, pelas sanções impostas pelo governo dos EUA aos três.

A decisão enfureceu o Kremlin, e Medvedev anunciou que os integrantes do governo russo e das empresas com participação estatal não participariam do Fórum de Davos a menos que a organização voltasse atrás e permitisse a ida dos empresários.

Em dezembro, os organizadores do evento afirmaram que tinham encontrado uma solução para atender tanto os interesses dos russos como dos americanos. Segundo a imprensa russa, cinco requisitos foram estabelecidos para permitir a participação dos empresários.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, não viaja para Davos desde 2011. Na quarta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse que que ele não havia tomado uma decisão sobre a edição deste ano. Medvedev, por sua vez, não vai ao fórum desde 2013. EFE

Mais Notícias