Topo

Máquina na Campus Party 'transforma' dinheiro real em moeda virtual Bitcoin

Máquina de Bitcoins recebe em reais e deposita o equivalente da moedal virtual em uma conta - Junior Lago/UOL
Máquina de Bitcoins recebe em reais e deposita o equivalente da moedal virtual em uma conta Imagem: Junior Lago/UOL
do UOL

Flávio Carneiro

Do UOL, em São Paulo

30/01/2014 16h22

O visitante da Campus Party 2014 que quiser comprar algumas unidades de Bitcoins (moeda virtual usada em comércios e transações em diversos locais do mundo) pode adquirir os bytes em uma máquina localizada na área gratuita do evento.

O processo de compra é parecido com o realizado em um caixa eletrônico, só que é preciso colocar o dinheiro, ao invés de retirá-lo. Primeiro, o usuário acessa sua conta virtual de Bitcoins. Depois, insere o valor que deseja em notas de reais (não é possível realizar o pagamento com cartões e moedas). E então o valor convertido em bytes é depositado automaticamente na conta.

A iniciativa é uma ideia da empresa Mercado Bitcoin, especializada nessa área. Segundo Marcos Carvalho, um dos sócios, a maior parte dos usuários que passou pelo estande ainda está conhecendo a tecnologia. “A maioria das pessoas que vieram aqui queriam saber como funcionam os Bitcoins. Recebemos entre 20 e 30 visitantes por dia”, conta.

Mesmo não sendo tão popular ainda, vários usuários fizeram compras na máquina, de acordo com Carvalho. Os valores gastos em Bitcoins pelos internautas na feira variam desde notas de R$ 2 até R$ 50, segundo ele.

  • Máquina para compra de Bitcons em exposição da Campus Party 2014

A cotação utilizada para converter reais em Bitcoins no evento era de aproximadamente R$ 2.000 para cada unidade da moeda virtual. Carvalho explicou que esse valor flutua de acordo com a procura e oferta. Também havia uma taxa de 2,5% sobre as transações.

No Brasil ainda não existem muitos locais que aceitam pagamento com essas moedas. Carvalho afirmou que é possível encontrar alguns bares, lanchonetes e pousadas, mas ainda são poucos os locais adaptados. No entanto, o serviço é mais popular fora do país.

Mais Notícias