PUBLICIDADE
Topo

Você conhece o corpo humano? Veja 11 respostas para por quês nada óbvios

Colaboração para o BOL

23/01/2019 08h00

Algumas coisas no nosso corpo funcionam sem muito esforço e sem ao menos sabermos por que elas acontecem. Você sabe a resposta de todas as perguntas abaixo?

  • Reprodução/Popular Science

    Por que fechamos os olhos ao espirrar?

    Tente espirrar de olho aberto e você provavelmente irá falhar nessa missão. Isso porque, ao espirrar, um monte de secreção é posta para fora e fechar os olhos é um reflexo para evitar que tais secreções atinjam a mucosa ocular. É o que explica o otorrinolaringologista Richard Voegels, da Universidade de São Paulo (USP)

  • Reprodução/Chembites

    Por que espirramos?

    Aliás, você sabe por que espirramos? De acordo com o site Invivo, da Fiocruz, a explicação é bem simples: quando há algum micro-organismo, como vírus ou bactérias, em nossas vias respiratórias, seja nariz, boca ou garganta, provocamos uma reação involuntária para eliminá-los do nosso corpo. E adivinha qual é esta reação? O espirro, um forte jato de ar que pode chegar a 160 km/h! Partículas como pólen ou poeira também podem provocar essa reação no corpo

  • Reprodução/Advanced Vision Institute

    Por que piscamos?

    Todos nós piscamos aproximadamente 20 vezes por minuto. Mas você sabe por quê? Ao piscarmos, lubrificamos com nossa lágrima a córnea ocular, responsável por permitir a entrada de luz nos olhos e por formar imagens. A córnea não pode ficar ressecado, caso contrário não vamos conseguir mais enxergar, conforme nos explica o professor Gilberto de Souza Soares de Almeida

  • Reprodução/Unilad

    Por que soltamos pum?

    Aposto que você já se fez esta pergunta, principalmente ao soltar um pum em uma situação inadequada. De acordo com Débora D?ávila, do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, soltamos o pum para eliminar o ar que ingerimos sem querer ao comer. Este ar pode ir embora também pelo arroto. E aqui vai mais uma explicação: o pum fede por causa das bactérias que fazem nossa digestão. Ao digerir os alimentos, tais bactérias produzem gás de sulfeto de hidrogênio, que não é nada cheiroso

  • Reprodução/VideoBlocks

    Por que a gente chora?

    Tudo bem, você vai responder: a gente chora porque fica triste, óbvio. Mas já pensou por que saem especificamente lágrimas dos nossos olhos? Fabiana Cassiano, aluna de Medicina da UFMG, explica: quando estamos tristes, o sistema límbico do nosso cérebro passa esta informação para outras áreas do corpo, uma delas a glândula lacrimal. Nós produzimos lágrimas sempre, que escorrem no dia a dia direto para a garganta, mas, quando tristes, doentes ou alguma outra situação emocional, produzimos mais lágrimas, que acabam escorrendo pelos nossos olhos

  • Reprodução/Pixabay

    Por que temos dentes de leite?

    Se o dente de leite vai cair, pra que ele serve? Essa pergunta pode não ser só das crianças, mas muitos adultos devem já ter se perguntado exatamente o mesmo. E a resposta, segundo a bióloga Karlla Patrícia do site Diário de Biologia, é bem simples: porque, quando crianças, não temos espaço na boca para os dentes maiores que vão nos acompanhar pelo resto da vida. Mas, como precisamos comer, mastigar e digerir os alimentos, os dentes de leite estão lá, abrindo espaço para os dentes definitivos, nos ajudando a comer e até mesmo a falar e emitir sons. Aliás, aqui vai outra curiosidade: outros animais também possuem dentes de leite, como nós

  • Reprodução/Wall Street Journal

    Por que não dói cortar o cabelo?

    A bióloga Karlla Patrícia, do site Diário de Biologia, nos ajuda a responder mais uma pergunta: por que não dói cortar o cabelo? Não dói porque cabelos são formados por queratina e não possuem terminações nervosas, evitando assim que os sinais de dor e sofrimento sejam enviados ao cérebro. O mesmo acontece com nossas unhas, que também não causam dor ao serem cortadas

  • Reprodução/SBS

    Por que o cabelo não para de crescer?

    Para esta pergunta, a resposta não é tão simples. Na verdade, há vários cientistas tentando desvendar este mistério, já que, em outros animais e até mesmo em outras partes do nosso corpo, os pelos param de crescer em um período muito mais curto de tempo do que na cabeça do ser humano, onde o cabelo pode crescer sem parar por até seis anos seguidos. De acordo com cientistas da Universidade Northwestern, em Chicago, e da Universidade Washington, em St. Louis, ambas nos Estados Unidos, há algumas explicações possíveis, que têm a ver com os genes envolvidos no crescimento dos cabelos. Uma delas se resume ao fato de que alguns desses genes possam ter se tornado imunes aos fatores que inibem o crescimento. Outra explicação se relaciona à teoria da evolução e da seleção natural, que envolve até mesmo o cabelo como símbolo de status social e da personalidade humana

  • Reprodução/Vogue

    Por que a unha cresce?

    E a unha? Tirando todas as teorias acima, tem também outro fator no crescimento das unhas. Elas são formadas pela proteína queratina, produzidas por células cutâneas que se multiplicam sem parar. Os restos desta atividade são o que formam as unhas, que crescem aproximadamente 3 mm por mês e com uma velocidade maior nos dedos das mãos, pois as mesmas possuem maior irrigação sanguínea que os pés, conforme explica a dermatologista Luciana Conrado

  • Reprodução/Times of India

    Por que o cabelo fica branco?

    Voltando ao assunto cabelo, você sabe por que ele fica branco? De acordo com a bióloga Karlla Patrícia, a explicação tem a ver com o envelhecimento das células melanócitos, que ficam no bulbo capilar, ou seja, na raiz dos cabelos, e que vão perdendo a capacidade de produzir melanina, pigmento responsável por dar cor aos nossos fios

  • Reprodução/The List

    Por que sentimos cócegas?

    Assim como os cabelos, a resposta exata ainda é um mistério para os cientistas. Além de ser um mecanismo de autodefesa contra pequenos insetos que podem andar no nosso corpo, as cócegas podem também significar um meio de interação social e criação de vínculos, conforme argumenta o neurocientista americano Robert R. Provine. Outro fato interessante é apontado pelo psiquiatra norte-americano Donald Black, da Universidade de Iowa: algumas das áreas do nosso corpo mais comuns e sensíveis às cócegas são também as mais vulneráveis em um combate, como pescoço e costelas. Dessa forma, crianças podem aprender a se defender com maior propriedade apenas brincando

Listas