Topo

Sete comediantes que sofrem ou já sofreram com depressão

do BOL

02/12/2017 07h00

Qualquer pessoa em qualquer idade e qualquer etapa da vida pode ter depressão. É o que diz a Organização Mundial da Saúde (OMS), que, em março, alertou para o fato de os casos terem aumentado quase 20% na última década, transformando-se na maior causa de incapacidade no mundo. De acordo com a definição da organização, trata-se de um transtorno mental em que a pessoa apresenta "uma tristeza permanente e uma perda de interesse pelas atividades que as pessoas costumam desfrutar, acompanhadas da incapacidade de realizar tarefas diárias, durante duas semanas ou mais".
 
Em 2014, uma pesquisa realizada pela Universidade de Oxford com 523 humoristas de três diferentes países revelou que "comediantes têm um perfil de personalidade pouco comum e um tanto contraditório", de acordo com Gordon Claridge, do Departamento de Psicologia Experimental de Oxford. "Por um lado, eles eram bastante introvertidos, depressivos e, poderíamos dizer, esquisitos. Por outro, eles são bastante extrovertidos e cheios de manias. Talvez a comédia - o lado extrovertido - seja uma forma de lidar com o lado depressivo. Mas, claro, isso não vale para todo comediante"

  • AgNews

    Jim Carrey

    Na última semana, o ator, famoso por suas atuações em filmes de comédia, falou mais uma vez sobre a depressão, contra a qual luta desde 2004. "Atualmente não estou mais deprimido, não tenho mais a experiência de depressão. Eu tive depressão durante anos, mas hoje, quando a chuva vem, ela passa rápido. Não fica o suficiente para me fazer imergir e me afogar como antes", disse Jim Carrey ao site britânico I News, que ainda se descreveu como "às vezes, feliz"

  • Divulgação

    Robin Williams

    Em 2014, aos 63 anos, o ator cometeu suicídio. Pouco tempo antes, ele havia se internado em uma clínica de reabilitação depois de anos lutando contra o vício em álcool e cocaína para "ajustar e focar" a sobriedade. Ele, que ganhou notoriedade justamente por conta do estilo cômico, sofria de depressão profunda havia anos, de acordo com sua agente, Mara Buxbaum. "Às vezes, eu o encontrava a sós, e ele ficava tão desconfortável, ele não tinha habilidades sociais, e esse é provavelmente um dos motivos pelo qual ele precisava estar no palco. Esse era o sangue de sua vida, era seu imperativo físico, e, sem isso, ele estava bem perdido", revelou Bob Zmuda, amigo de longa data de Robin Williams, a Reuters. Segundo ele, os amigos não tinham conhecimento de quão severa era a depressão do ganhador do Oscar e que ele escondia o transtorno por meio da comédia. "Sempre que você se deprime, a comédia o tira do buraco", contou Williams ao The Guardian em 1996. Segundo a viúva, Susan, a depressão não foi o principal, mas foi um dos motivos que acabou levando o marido à morte

  • Divulgação

    Chico Anysio

    "Eu tenho um psiquiatra há 24 anos. E se não fossem os remédios que a psiquiatria dá. Se não fosse isso, eu não teria conseguido fazer 20% do que eu fiz", disse Chico pouco antes de morrer, em 2012, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória, causada por falência múltipla dos órgãos. "Eu entendi que era depressão e eu pude pagar os remédios. E eu pude pagar ao psiquiatra, então eu venci. Porque ela é vencível", afirmou em depoimento gravado pelo então presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antonio Geraldo da Silva. "Quanto mais pessoas me ouvirem falar sobre a depressão, mais pessoas vão deixar de ter vergonha de ser deprimido", continuou o humorista, que sempre falou do assunto abertamente com a família, no vídeo gravado justamente para um congresso contra o preconceito a doenças mentais

  • Patricia Stavis/Folhapress

    Fausto Fanti

    O humorista do grupo Hermes e Renato foi encontrado em seu apartamento com um cinto amarrado ao pescoço, em julho de 2014, aos 35 anos. No velório, em entrevista, o irmão, Franco, contou que Fausto estava deprimido. "Meu irmão estava em uma fase muito difícil e aconteceu essa fatalidade. Não queria que a morte dele passasse em vão. Também queria que as pessoas prestassem mais atenção na depressão, que é um negócio muito sério. Não me sinto culpado porque não tinha o que fazer. Depressão é um negócio seríssimo e a gente não escuta. O Fausto estava em um processo mental quase obsessivo e ele não estava tomando nenhum remédio. A gente achava que não era tão sério e ele era resistente a isso [tomar remédios]"

  • Eamonn M. McCormack/Getty Images

    Stephen Fry

    "Havia momentos em que eu estava gravando o programa na TV e rindo por fora, enquanto por dentro pensava 'quero morrer'", revelou o humorista em uma entrevista em 2012, quando assumiu publicamente sofrer depressão. No mesmo ano, ele tentou se matar. Com transtorno bipolar, ele lançou, em 2006, o documentário "A Vida Secreta de um Maníaco Depressivo"

  • Alisson Valentim

    Eduardo Sterblitch

    "Sou totalmente depressivo, melancólico, aflito, caótico. Faço análise há um tempo, mas reconheço que não sou 100% feliz. Não tenho vergonha de dizer que sou mais triste do que alegre. Meu trabalho é minha tábua de salvação", contou o humorista em entrevista à revista Época em setembro deste ano. Em 2015, muitos sites já haviam noticiado o transtorno sofrido pelo artista, que foi afastado do Pânico na Band por um tempo depois de ficar deprimido por ser chamado de racista ao aparecer no programa com o personagem Africano, para o qual se pintava de preto e andava imitando um macaco. A repercussão negativa fez com que o humorista ficasse muito abalado, afirmaram fontes próximas ao ator a diversos canais na época

  • Reprodução/TV UOL/Band Entretenimento

    Rodela

    Em outubro de 2016, o humorista, que ganhou fama na televisão, conversou com o programa Repórter em Ação e falou sobre seus problemas. Ele, que animava programas de auditório, foi encontrado trabalhando nas ruas de São Paulo, com muitas dívidas e com depressão, de acordo com o que diz para a esposa, que revelou a situação para a reportagem

Listas