PUBLICIDADE
Topo
Listas

Listas

Nove fatos sobre a trajetória de William Bonner

Colaboração para o BOL

16/11/2018 08h00

Você sabia que William Bonner, que já tem mais de 20 anos à frente do Jornal Nacional, não é formado em Jornalismo? Ele, que permaneceu 26 anos casado com Fátima Bernardes, completa 55 anos nesta sexta-feira (16/11/2018) com histórias bem interessantes e um currículo cheio de coberturas premiadas.


Leia também:

  • Divulgação

    Não é formado em Jornalismo

    Quem diria não é mesmo? Um dos nomes mais conhecidos quando o assunto é jornalismo no Brasil, na verdade, é formado em Comunicação Social com ênfase em Publicidade e Propaganda pela USP. Ainda durante a faculdade, William Bonemer Júnior, que alterou o sobrenome para uma versão mais artística, passou a trabalhar como redator publicitário em uma agência. Nessa época, foi descoberto por um dos diretores da rádio USP FM e convidado para um teste, permanecendo na emissora de 1984 a 1986. Na sequência, foi para a televisão. "Fui parar na TV também por acaso porque tinha amigas do curso de Jornalismo que trabalhavam na Bandeirantes e me pediram para fazer a voz de um telejornal local. De novo por acaso, o apresentador saiu e tiveram a ideia de que eu apresentasse o noticiário. Aí, por acaso, eu precisei fazer um curso técnico de Radialismo, mas ele era no horário do tal telejornal. Para que eu pudesse fazer o curso, me transferiram para o Jornal de Amanhã, um noticiário de rede. E também foi por acaso que o Boni estava comendo macarrão com a mulher e ela, ao olhar para a TV, perguntou: 'Vocês não estão procurando um apresentador para São Paulo?'. No dia seguinte, o Boni mandou um recado para a direção da Globo: "Achem o cara do jornal da noite da Bandeirantes", contou em entrevista ao Globo

  • Divulgação

    Programas globais

    Menos de um ano depois de ter começado na TV Bandeirantes, William Bonner recebeu o convite do editor regional Raul Bastos para trabalhar na Globo em São Paulo. Na emissora, sua trajetória começou como apresentador do SPTV - 3ª edição, assumindo, após um tempo, o comando também do SPTV 2ª edição. Em 1988, já estava à frente do Globo Rural. Ao cobrir as férias de Marcos Hummel no Jornal Hoje conquistou fama nacional. Bonner ainda substituiu outros colegas durante férias em programas como Globo Esporte, Esporte Espetacular, Bom Dia São Paulo e Bom Dia Brasil. Em setembro de 1988, foi convidado para apresentar o Fantástico, no qual permaneceu até 1991. Nesse meio tempo, em 1989, foi convidado para apresentar o Jornal da Globo. Em 1993, assumiu a bancada do Jornal Hoje e também a edição geral ao lado de Carlos Absalão, além da apresentação com Cristina Ranzolin

  • Reprodução/TV Globo

    Jornal Nacional

    Em 1996, sob a direção de Evandro Carlos Andrade, William Bonner e Lillian Witte Fibe assumiram a apresentação do Jornal Nacional no lugar de Cid Moreira e Sérgio Chapelin. A proposta do novo perfil editorial imposto por Evandro era manter profissionais diretamente ligados à edição. Em 1999, além de estar à frente da bancada, William assumiu também um importante papel nos bastidores: o de editor-chefe do Jornal Nacional. Ao ser questionado pelo Globo sobre o dia em que terá que ser substituído, o profissional foi sincero: "Vai ser um choque, mas não podemos nos apegar ao cargo. Gostaria que essa decisão partisse de mim e não da empresa. Mas uma coisa eu aposto: quem vier para o meu lugar com certeza será muito melhor do que eu, pois terá que fazer mais do que apresentar e editar o jornal no ar"

  • Bob Paulino/DivulgaçãoTV Globo

    Coberturas de destaque

    Durante a carreira, teve a oportunidade de cobrir eventos de grande importância, como a Guerra do Golfo, o fim da URSS, o processo de impeachment de Fernando Collor, as mortes de Ayrton Senna, do grupo Mamonas Assassinas, Tim Lopes e do papa João Paulo 2º, a Copa do Mundo de 1998 - diretamente da França, o atentado ao World Trade Canter. Além de entrevistas marcantes, como Fernando Henrique Cardoso, no Palácio da Alvorada, após a reeleição em 1998 e Luiz Inácio Lula da Silva (foto), que ficou ao lado do jornalista na bancada após ser eleito presidente. Sob sua gestão, o JN inovou diversas vezes, proporcionando coberturas diferentes do que vinha feito até então durante as eleições, deslocando os apresentadores para comandarem o jornal fora dos estúdios

  • Foto Rio News

    Premiações

    Tanto empenho fez com que William Bonner fosse reconhecido diversas vezes. Em 2001, o Jornal Nacional apresentou uma edição especial a respeito do atentado às Torres Gêmeas batendo o recorde de audiência daquele ano (a cada 100 televisões ligadas, 74 estavam sintonizadas na Globo). A edição concorreu ao Prêmio Emmy Internacional na categoria Cobertura Jornalística, deixando a emissora global entre as quatro finalistas. Em 2002 e 2005, Bonner foi eleito Melhor Apresentador de Telejornal pela Associação Paulista dos Críticos de Arte e pelo Prêmio Qualidade Brasil, respectivamente. Em 2010, levou para casa o Oscar do Twitter ao vencer o Shorty Awards, na categoria Jornalismo. Ainda em 2010, e novamente em 2014, ganhou o Prêmio de Melhores do Ano na categoria Jornalismo e foi finalista do Prêmio Comunique-se na categoria Âncora de TV, repetindo o destaque na edição de 2011. Em 2011, aliás, ganhou o Prêmio Emmy Internacional com a equipe do JN na categoria Notícias

  • Folhapress

    Fátima

    Em 1989, William e Fátima dividiram a bancada pela primeira vez à frente do Jornal da Globo. Em 1998, eles passaram a comandar juntos o Jornal Nacional. A primeira cantada foi iniciativa de William, enquanto Fátima ainda era casada com o primeiro marido, um engenheiro. Em 1990, eles se casaram. Os ex-pombinhos foram casados por 26 anos e anunciaram o fim da relação em agosto de 2016. "Os dois estão felizes, então a gente aceita. Se eles estão felizes, está ótimo. A gente teve mais tempo para se acostumar, e com o público teve muito impacto. Todo mundo ficou muito chocado. Mas acho que é normal, né?", comentou a filha do casal, Beatriz Bonemer em entrevista ao TV Fama em novembro deste ano

  • AgNews

    Trigêmeos

    Por falar em filhos, os trigêmeos Vinícius, Laura e Beatriz foram frutos de um longo tratamento para engravidar feito pelo casal. Fátima Bernardes revelou que recebeu a confirmação por telefone, quando trabalhava no Fantástico: "Foi um auê. Saí falando pra todo mundo. Como estava fazendo tratamento para engravidar, a gente já esperava gêmeos", disse ela no Encontro. Ao virem ao mundo, os bebês precisaram passar 25 dias na UTI

  • Reprodução/Instagram @realwbonner

    Mudança de duplas

    Quando Fátima deixou o Jornal Nacional em 2011, chegou a hora de encontrar uma substituta para a dupla com William Bonner. A escolhida foi Patrícia Poeta, que permaneceu na bancada até 2014. O motivo oficial da saída foi a vontade da jornalista em se dedicar a um projeto de entretenimento, que, no ano seguinte, estreou como apresentadora do programa É De Casa. Contudo, os rumores da época apontaram que Bonner seria o verdadeiro motivo para que Patrícia se afastasse do JN. De acordo com a mídia especializada da época, a personalidade forte e o perfeccionismo do editor-chefe fizeram a profissional sofrer após passar por episódios de hostilidade. Renata Vasconcellos (foto) assumiu o cargo depois da saída da colega

  • Reprodução/Instagram @realwbonner

    Casório reforçado

    Depois de se separar de Fátima Bernardes, William Bonner seguiu a vida e conheceu a fisioterapeuta Natasha Dantas (à esquerda). Eles oficializaram a união em setembro deste ano em uma cerimônia íntima na casa da mãe do âncora. Em novembro, foi a vez de fazer um segundo casamento para celebrar com uma festa em um hotel no Rio

Listas