PUBLICIDADE
Topo

Listas

18 mentiras dos programas de sobrevivência

Reprodução/Pixabay
Imagem: Reprodução/Pixabay

do BOL

29/09/2017 16h00

Você já deve ter se perguntado sobre a veracidade dos reality shows de sobrevivência como "Largados e Pelados", "No Limite" ou "Survival", afinal, se a pessoa está sozinha no meio da selva, a equipe de filmagem presta algum tipo de socorro? Como é possível aparecer um helicóptero do nada se o participante não tem comunicação? Estas e outras brechas nos episódios dão a entender que tudo não passa de atuação com um roteiro definido. Será que é tudo mentira? Confira!

  • Reprodução/Pixabay

    Fogo com dois pauzinhos

    Esta é uma mentira clássica, tente fazer fogo apenas friccionando dois pauzinhos sobre uma pedra e morra de cansaço. A técnica é demorada e complexa até para os profissionais mais experientes, e muito difícil de funcionar em ambientes úmidos

  • Reprodução/Pixabay

    Chupar a picada de cobra

    Fazer um torniquete, perfurar ou chupar uma mordida de cobra é um procedimento inútil e perigoso. Se você for picado, lave a região com sabão e água e procure auxílio médico imediatamente

  • Reprodução//largadosepelados

    Sozinho na selva

    Além do cinegrafista, do roteirista e da equipe de direção, os realities de sobrevivência contam com profissionais especializados em primeiros socorros, medicamentos, meios de transporte e rota de fuga

  • Reprodução/Pixabay

    Abrigo rudimentar

    Nos programas de sobrevivência, os participantes começam a montar o abrigo pelo teto, quando na verdade o mais importante é a impermeabilidade do piso e a cama

  • Reprodução/Pixabay

    Folhas e troncos

    É comum os programas de sobrevivência mostrarem os participantes coletando materiais para construir abrigos e fogueiras juntando uma pilha de folhas e galhos. Porém, para uma pessoa juntar uma quantidade suficiente seria necessário muito tempo, o que indica a força-tarefa de uma equipe

  • Reprodução/Pixabay

    Beber álcool para se aquecer

    Beber álcool apenas provoca a sensação de aquecimento corporal, mas além de não combater a hipotermia é uma prática que coloca em risco a sobrevivência na selva, onde devemos estar alertas constantemente

  • Reprodução/Pixabay

    Achar objetos estratégicos

    O participante precisa de um cantil? Eis que surge uma garrafa plástica perdida na selva. O participante precisa de isolamento? Magicamente aparece um pedaço de isopor. Obviamente essa "sorte" não é algo comum em uma área remota

  • Reprodução/Pixabay

    Sobrevivendo sozinho no meio do gelo

    Se em um ambiente com bastante umidade é bem difícil sobreviver sozinho, some a isto camadas de gelo, nevascas e temperaturas negativas extremas. Sem uma equipe preparada, quantidade de comida suficiente, água potável, abrigo e roupas para neve é impossível sobreviver

  • Reprodução/Pixabay

    Cenários e exageros

    Geralmente o abismo que o participante salta durante um episódio é apenas uma vala rasa, e também são montados cenários naturais para simular uma situação arriscada na selva. Tudo é uma questão de jogo de câmeras e ângulos

  • Reprodução/Pixabay

    Sobrevivendo com um canivete

    Uma faca, ou canivete pode ser muito útil em uma situação extrema, mas dificilmente alguém sobrevive por muito tempo se alimentando de insetos, água de cactos e plantas. A chance de ingerir alguma substância venenosa ou adoecer por inanição é imensa

  • Reprodução/Pixabay

    Super-homem

    Um simples tombo ou escorregão pode colocar sua vida em risco na selva. Um osso quebrado, uma torção ou sangramento dificultam a locomoção, e consequentemente, a fuga de predadores e busca por alimentos

  • Reprodução/Pixabay

    Sozinho no meio do mato? Sei

    Protagonistas famosos de séries de sobrevivência já foram avistados em hotéis por turistas e moradores durante as gravações. Os realities são gravados na selva e posteriormente editados. Boa parte do que você assiste não passa de entretenimento

  • Reprodução/Pixabay

    Ferva a água

    Ferver a água não é suficiente para purificá-la, já que a lama e a sujeira continuam lá. Beber dessa água pode ocasionar uma contaminação séria com risco de desidratação

  • Reprodução/Pixabay

    Temos neve, temos água!

    Comer neve gelada em uma situação de risco só diminui as chances de sobreviver, pois o corpo perde mais calor ainda

  • Reprodução/Pixabay

    Corra, pule, ande

    Em uma área isolada, sobrevive mais tempo aquele que poupa mais energia e evita riscos. Correr de um lado para outro como nos realities só consome a reserva de nutrientes do organismo, expõe o participante a predadores e aumenta o risco de sofrer alguma lesão

  • Reprodução/Pixabay

    Beba urina

    O mito de beber urina para sobreviver é famoso e arriscado, já que o xixi possui sal e faz com que a pessoa se desidrate mais rápido ainda

  • Reprodução/Pixabay

    Hemorragia é fichinha

    Quando os participantes se cortam ou sofrem alguma perfuração, facilmente resolvem o problema com um torniquete, ou removendo o objeto cortante. Um sangramento na selva é seríssimo, pois o cheiro do sangue atrai predadores, é uma porta de entrada para contaminações, e um torniquete mal feito pode gangrenar

  • Reprodução/Pixabay

    Doenças, insetos e animais selvagens

    As pessoas realmente se ferem, são mordidas por animais e picadas por insetos e cobras. Os bastidores que os programas do gênero não mostram são as doenças ocasionadas por carrapatos e mosquitos, além de várias infecções. Mesmo com uma equipe preparada e armada, nem sempre eles conseguem controlar a situação

Listas