Topo

16 vezes em que as novelas buscaram inspiração na literatura

do BOL

01/12/2017 16h00

As radionovelas, muito populares antes do surgimento da TV, adaptavam textos literários antes de ter seu próprio material dramático. Por isso, é natural que as telenovelas, suas sucessoras, usem e abusem da literatura como fonte de inspiração. Em alguns casos, a referência é direta, até no título da obra, mas em outros, é preciso ficar atento ao roteiro para identificar a origem das cenas. Você acompanhou alguma outra novela inspirada em livros? Conte nos comentários.
 

  • Reprodução/Twitter/Marcos Pitombo

    Orgulho e Paixão

    (Globo, 2018) Com estreia prevista para março de 2018, o texto de Marcos Bernstein é inspirado no livro "Orgulho e Preconceito", da inglesa Jane Austen, publicado em 1813 e já adaptado diversas vezes para o cinema, teatro e televisão

  • Raquel Cunha/TV Globo

    O Outro Lado do Paraíso

    (Globo, 2017) de Walcyr Carrasco. A novela não é considerada uma adaptação, mas traz muitos elementos do romance "O Conde de Monte Cristo", do francês Alexandre Dumas, publicado em 1844, como a cena de fuga da personagem Clara (Bianca Bin), que entra num caixão onde deveria estar o corpo de Beatriz, e o caixão é jogado ao mar. A trama também é inspirada no filme "Kill Bill", de Quentin Tarantino, e elaborada a partir das novelas latinas "La Dueña" (Televisa México, 1986) e "La Patrona", (Telemundo, 2013)

  • Divulgação/Globo

    Tempo de Amar

    (Globo, 2017) de Alcides Nogueira. A novela das seis não chega a ser inspirada numa obra literária, mas foi criada a partir de um argumento do escritor Rubem Fonseca, retratando a história de seus avós

  • Divulgação/Globo

    Êta Mundo Bom!

    (Globo, 2016), de Walcyr Carrasco e Maria Elisa Berredo. A produção é baseada no filme "Candinho" (1954), de Mazzaropi, que por sua vez é uma adaptação do livro "Cândido, ou o Otimismo", de Voltaire, escrito em 1759. O roteiro da novela ainda usa referências do conto "O Comprador de Fazendas", do livro "Urupês", de Monteiro Lobato

  • Reprodução/Globo

    Velho Chico

    (Globo, 2016) Criada por Benedito Ruy Barbosa e Edmara Barbosa. Pelo menos no último capítulo, a novela teve uma inspiração claramente literária - a luta do personagem Afrânio (Antonio Fagundes) contra um gerador de energia eólica repete uma passagem do clássico "Dom Quixote de La Mancha", de Miguel de Cervantes, publicado em 1605, quando o cavaleiro lunático enfrenta moinhos de vento

  • Divulgação/Globo

    Gabriela

    (Globo, 2012) Texto de Walcyr Carrasco a partir do livro "Gabriela, Cravo e Canela", de Jorge Amado, publicado em 1958. Teve outras versões em 1975, na Globo, e em 1960, na TV Tupi

  • Divulgação/Globo

    Ciranda de Pedra

    (Globo, 2008) Adaptação de Alcides Nogueira do livro "Ciranda de Pedra", de Lygia Fagundes Telles, de 1954. Teve outra versão em telenovela em 1981

  • João Miguel Junior/Globo

    Sinhá Moça

    (Globo, 2006) Novela de Benedito Ruy Barbosa a partir do livro "Sinhá-Moça", escrito por Maria Dezonne Pacheco Fernandes em 1950. Teve uma versão anterior na Globo em 1986

  • Divulgação/Globo

    Cabocla

    (Globo, 2004) O texto de Benedito Ruy Barbosa é uma adaptação do livro "Cabocla", de Ribeiro Couto, publicado em 1931. A primeira adaptação da obra para uma telenovela foi ao ar em 1979

  • Divulgação/Record

    A Escrava Isaura

    (Record TV, 2004) Novela de Tiago Santiago e Anamaria Nunes a partir do livro com mesmo título de Bernardo Guimarães, publicado em 1875. Já havia sido produzida uma novela a partir da mesma em obra em 1976 pela Globo

  • Reprodução/Globo

    A Padroeira

    (Globo, 2001) Novela de Walcyr Carrasco inspirada em "As Minas de Prata" de José de Alencar, livro publicado em 1865

  • Reprodução/Globo

    O Cravo e a Rosa

    (Globo, 2000) Escrita por Walcyr Carrasco e Mário Teixeira a partir da comédia "A Megera Domada", de William Shakespeare, do final do século 16, que também serviu de inspiração para a 22ª temporada de "Malhação", em 2014. Carrasco também utilizou referências da pela "Cyrano de Bérgerac", de Edmond Rostand, no roteiro de "O Cravo e a Rosa"

  • Reprodução/Globo

    A Muralha (minissérie)

    (Globo, 2000) Escrita por Maria Adelaide Amaral, Vincent Villari e João Emanuel Carneiro, foi baseada no livro "A Muralha", de Diná Silveira de Queirós, publicado em 1954. A obra foi adaptada para novelas em 1961 pela TV Cultura e 1968 pela TV Excelsior

  • Divulgação/SBT

    Éramos Seis

    (SBT, 1994) Escrita por Sílvio de Abreu e Rubens Edwald Filho, é um adaptação do romance "Éramos Seis", de Maria José Dupré, publicado em 1943. Teve outras adaptações em 1958 (Record), e em 1967 e 1977, na TV Tupi

  • Reprodução/Blog Revista Amiga

    Salomé

    (Globo, 1991) Sérgio Marques adaptou para telenovela o romance "Salomé", do modernista Menotti Del Picchia, publicado em 1940

  • Reprodução/Canal Viva

    Tieta

    (Globo, 1989) Escrita por Aguinaldo Silva, Ricardo Linhares e Ana Maria Moretzsohn, foi uma adaptação para a TV do livro "Tieta do Agreste", de Jorge Amado, publicado em 1977

Mais Listas