Topo
Esporte

São Paulo: Zubeldía admite 'mau jogo', explica trio no banco e revela lesão

do UOL

Do UOL, em São Paulo

19/06/2024 23h40

O técnico Luis Zubeldía, do São Paulo, admitiu que sua equipe fez um "mau jogo" diante do Cuiabá. O duelo, que acabou em 1 a 0 para os mato-grossenses, culminou na 1ª derrota do argentino no comando do Tricolor. Ele também explicou o trio Lucas-Luiz Gustavo-Nestor no banco e revelou uma nova lesão em seu elenco.

O que ele falou?

Derrota justa. "Jogamos mal. Em alguns momentos do 2° tempo, tivemos iniciativa, mas fizemos um mau jogo. O rival fez seu trabalho e se sentiu muito confortável. Quando isso acontece, é provável que a gente perca, como aconteceu. Tivemos um rendimento baixo, todos jogaram abaixo do esperado. Lamentavelmente, é preciso assumir que o rival jogou melhor. É inesperado porque a gente vem, nas últimas partidas, disputando bem. Tanto com o Inter, quando tivemos situações mais claras, quanto contra o Corinthians, que dominamos... hoje não aconteceu isso. O rendimento de todos foi baixo. É um torneio muito longo, imagino que isso possa acontecer, mas não esperávamos hoje. É preparar para o próximo jogo, não há muito tempo nem para celebrar e nem para dramatizar."

Lucas no banco. "Me encantaria que ele estivesse sempre em campo, mas é por exaustão de jogos. Pelos profissionais que tenho, quando você joga quatro partidas seguidas, é complicado. Temos que ter cuidado porque ele é um jogador explosivo. Um outro atleta pode jogar três ou quatro vezes, mas com um jogador que muda o ritmo e usa a velocidade, temos que controlar o desgaste físico. Falei com ele, e ele entendeu isso. O que mais quer é estar disponível.

Luiz Gustavo no banco. "Temos três volantes, e o único natural que atua como um camisa 5 é o Luiz Gustavo. Ele também tem um histórico de lesões recentes, jogou duas vezes seguidas, tinha que frear um pouco e fazer ele entrar no 2° tempo. Os dois volantes já tinham dois amarelos, agora o Alisson tomou o terceiro. Eu tenho que prever essas situações. Nada justifica que não ganhamos os três pontos, para isso temos todo um elenco, mas também tenho que ver o passo seguinte."

Nestor no banco. "É dar um pouco de refresco para um jogador que não vinha jogando e colocar outro, que é o Michel Araújo. Aos poucos, dou participações a todos. Hoje, e eu me incluo nisso, tivemos um rendimento baixo, e o resultado não foi casualidade, mas sim consequência do nosso rendimento. Quando você joga mal, como mandante ou visitante, a probabilidade é grande de perder."

Lesão de Moreira. "Ele sofreu uma lesão muscular durante o jogo e se reabilitou durante uma semana. Nos jogos seguintes, contra o Inter, foi ao banco, mas entre o Inter e Corinthians, voltou a sentir dores musculares. Ele não se recuperou totalmente do jogo contra o Cruzeiro. É uma posição que o Igor Vinícius está fazendo um grande esforço e está muito bem, está competindo com jogadores muito rápidos e intensos. É uma posição que está sobrecarregando ele com a lesão do Rafinha e do Moreira."

Falha tática, técnica ou física? "Foi um pouco de tudo. Coincidiu que jogamos mal. Foram rendimentos baixos taticamente e tecnicamente. Animicamente, é difícil comprovar, mas fomos mal. Não vamos ter muito tempo para entender o porquê. O rival nos ganhou."

Calendário apertado. "É um desafio para todos os times. Nós tivemos uma sequência de partidas a cada três dias. As coisas foram dadas assim. Não sei as outras equipes, mas é certo que estamos jogando há cada 72 horas ou algo parecido. De uma maneira ou outra, temos que pensar na próxima partida e ganhar. O Brasileirão é assim. Os jogadores empataram um clássico e precisaram virar rápido a página porque não há tempo. É preciso colocar energia no melhor possível. Hoje, não fizemos bem nada, não conseguimos recuperar a bola, não tivemos uma circulação que gerou perigo... fomos mal. Teremos que mudar a página, ver quais jogadores podem responder no Rio e, logo depois, pensar na próxima partida."

Pouca utilização de Ferreirinha. "Quando cheguei, o Ferreirinha jogou. Vão haver momentos em que ele vai jogar. Hoje, não jogou porque o Nestor estava jogando e o Michel jogou. Parece pouco, mas ele entrou hoje e contra o Corinthians. Chegará o tempo em que ele terá mais minutos. No futebol, jogando 30 ou 60 minutos, é preciso fazer o melhor. O campeonato é longo, todos vão poder mostrar suas capacidades. Não perdemos porque jogou um ou outro."

Esporte