Topo
Esporte

Militão detalha relação com Endrick e 'trote' na seleção: 'Eu também sofri'

Éder Militão concede entrevista coletiva com a seleção brasileira - Eder Traskini/UOL
Éder Militão concede entrevista coletiva com a seleção brasileira Imagem: Eder Traskini/UOL
do UOL

Do UOL, em Orlando (EUA)

18/06/2024 14h30

O zagueiro Éder Militão falou sobre o início da relação com o atacante Endrick, seu futuro companheiro de Real Madrid. O defensor elogiou o jovem e relembrou que também sofria os 'trotes' em seu início na seleção.

Endrick no bobinho. "Muito boa a relação. Quando cheguei também ia no meio (no bobinho), uma coisa que já vem da seleção. Carinho que tenho pelo Endrick também é um menino muito iluminado, pessoa querida por todos. A nossa resenha ali é levar a alegria do brasileiro, temos um vestiário alegre, cheio de jovens, mas também quando entramos em campo sabemos da responsabilidade que temos. Sempre mantemos nossa alegria e não deixamos acabar isso. É a nossa marca"

Copa América foi foco em recuperação. "Tive apoio da minha família e de companheiros para dar a volta por cima. Principalmente o carinho do Jaime (Moreno) do Real Madrid me deu muito suporte, passamos muito tempo juntos no início. Falei para ele que meu pensamento era voltar para ajudar na Copa América, era uma competição que queria estar e fazer parte desse grupo. Fiquei fora de convocações do Diniz, do Dorival, mas dei a volta por cima e estou aqui"

Lateral-direito só em urgência. "Foi uma coisa que na Copa nem eu mesmo esperava jogar de lateral. Nem pensava. Mas como eu já vinha fazendo esse papel no São Paulo, acabei fazendo um pouco no Porto e no Real fiz dois jogos. Perto da Copa eu estava mais adaptado, mas durante esse tempo só venho jogando de zagueiro e não teve papo de jogar de lateral. Tem Yan, tem Danilo, que exercem essa função. Mas se precisar estarei disponível"

Confira outras respostas do zagueiro Éder Militão em entrevista coletiva

Copa América

"Foi um dos meus primeiros anos, eu fico feliz de ter uma Copa América. Manter nossa união, todo esse tempo que estou aqui. Nossa alegria, o conjunto que temos nesse tempo mesmo com saída e entrada de jogadores segue a mesma alegria. É levar isso para dentro de campo. Copa América é detalhe. Levar essa garra e alegria para dentro de campo."

Superstição

"Não tenho muito. A preparação pro jogo acaba sendo muito leve, tranquila, escutar uma música antes da preleção, no caminho do jogo. Acabamos batendo uma bola no vestiário, mas nada de superstição."

Recuperação

"Foram momentos difíceis porque você está acostumado a ter uma rotina de acordar cedo, estar com os companheiros, fazer o que gosta e de repente vem uma das piores lesões que se poder ter. Acaba ficando sete meses parado fora dos campos. Nos primeiros meses depender 100% de ajuda é uma coisa muito difícil, o mental tem que estar muito forte. São coisas que a gente fica se perguntando o porquê de acontecer com você. Você está em seu melhor momento e acaba tendo uma infelicidade dessa."

Bola de Ouro

"Bola de ouro sem dúvida é o Vini."

Disputa por posição

"Fico feliz de estar dando sequência na seleção. Tem outros jogadores durante todo esse tempo que fiquei fora vieram o Beraldo, Bremer, Fabrício Bruno… É muito bom ter bastante concorrência"

Calor

"Específico durante esse calor… É o clima mesmo, é daqui, não tem o que fazer. É cuidar da hidratação. Muitas pessoas sofrem também, jogam em outra temperatura e vem pra cá. Temos que nos adaptar o mais rapidamente possível porque temos uma competição e vai ser um desgaste para todos."

Esporte