PUBLICIDADE
Topo

Globo pode suspender parcela do Brasileiro e deixa clubes apreensivos

Miguel Schincariol/Getty Images
Imagem: Miguel Schincariol/Getty Images
do UOL

Gabriel Vaquer

Do UOL, em Aracaju

02/04/2020 04h00

Depois de avisar aos clubes que suspendeu os pagamentos dos Estaduais, em razão da pausa forçada na crise mundial do coronavírus, há nos clubes expectativa de que a Globo adote a mesma posição em relação à primeira parcela referente ao Campeonato Brasileiro, que representa 40% de toda a verba paga pelos direitos de transmissão. Em nota enviada à reportagem, a emissora nega ter suspendido qualquer pagamento das competições nacionais, e diz que os valores futuros serão avaliados levando em conta as particularidades de cada caso. O posicionamento está, na íntegra, no final da matéria. (A matéria, inicialmente, afirmava que os pagamentos já tinham sido suspensos. O erro foi corrigido).

Segundo apurou o UOL Esporte, essa verba é aquela dividida por igual entre todos os participantes da Série A - uma cifra em torno de R$ 22 milhões para cada clube, com R$ 439 milhões sendo distribuídos igualitariamente. Esse direito é pago em duas parcelas, uma prevista para março e a outra para abril. Os valores devidos em março foram pagos - os de abril ainda não venceram, mas há entre os clubes a expectativa de que sejam suspensos. À reportagem, um dirigente de clube da Série A disse ter ouvido da cúpula da emissora que o pagamento deve ser suspenso a não ser que haja definições quanto ao formado da competição nacional.

Alguns times dependem dessa verba dividida pela Globo para honrar alguns compromissos imediatos, como pagamento de salários de jogadores. Por conta disso, discussões para definir como será o Campeonato Brasileiro prometem ser apressadas nas próximas semanas.

Para os clubes de São Paulo, o baque é ainda maior. A emissora ainda teria que pagar R$ 62,5 milhões de uma parcela dos direitos do Campeonato Paulista. Times do Rio Grande do Sul e Minas Gerais sofrem menos, na teoria, porque a emissora já pagou a cota integral para esses estaduais.

Vale ressaltar que executivos da Globo, atendendo a uma questão de alguns clubes, se posicionaram contra a mudança do formato do Campeonato Brasileiro dos pontos corridos para o mata-mata, em razão da projeção de diminuição de datas.

A Turner, que tem direitos de jogos do Brasileirão na TV paga, também não deseja a mudança de formato de competição. Ao todo, essas empresas injetam R$ 1,8 bilhão no Brasileiro, combinando TV aberta, TV paga e pay-per-view.

Posicionamento integral da Rede Globo

Não é verdade que a Globo tenha suspendido o pagamento dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, como noticiou o UOL.

Temos pago desde o início do ano as parcelas previstas em contrato. Durante o mês de março e pautada ainda na tentativa de que houvesse solução a curto prazo para a retomada do calendário, a Globo manteve todos os pagamentos, inclusive do Brasileiro Séries A e B e até mesmo da Copa do Brasil, esta última, cujas partidas já estavam suspensas.

A crise causada pela pandemia do Coronavirus19, que está provocando adiamentos e cancelamentos nos calendários esportivos, faz com que todos os elos que compõem a cadeia produtiva do futebol precisem analisar seus modelos de negócio e renegociar seus compromissos: clubes, federações, empresas de mídia, anunciantes e patrocinadores, entre outros parceiros. Esta não é uma realidade exclusiva do Brasil, e ocorre também em demais competições e modalidades esportivas ao redor do mundo.

Faz parte deste processo a decisão da Globo reavaliar o pagamento de futuros vencimentos - em alguns casos a última parcela - de competições que foram interrompidas ou adiadas, e que ainda não têm data nem formato para voltar a acontecer. Cada caso está sendo tratado segundo suas especificidades. A Globo até o momento vem mantendo o pagamento dos clubes participantes do campeonato brasileiro série A, série B e Copa do Brasil. No caso dos Estaduais, a Globo pagou em alguns contratos 100% e em outros 75% dos valores referentes a esses campeonatos, mesmo com a entrega efetiva de 55% a 65% dos jogos. Alguns pagamentos foram realizados já com as partidas suspensas e precisamos buscar entre todos uma solução de equilíbrio que depende agora de uma revisão completa do calendário anual do futebol brasileiro.

Estamos discutindo diariamente, de maneira transparente e serena, formas de atravessar esse período difícil com todos os parceiros - anunciantes, clubes, federações e CBF - e temos a convicção de que juntos vamos encontrar os melhores caminhos. Até lá, estamos empenhados em soluções criativas que têm assegurado outros tipos de apoio ao futebol brasileiro, com a exposição dos clubes em todas as nossas plataformas, grades de programação e coberturas. Como parceiros de mídia do esporte, temos total interesse em achar um caminho que garanta competições fortes, equilibradas e competitivas'.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado anteriormente na matéria e na home do UOL, a Globo não suspendeu o pagamento dos direitos de transmissão dos Estaduais. O erro foi corrigido.

Esporte