PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Atlético-MG reduz mais de R$ 1,4 milhão da folha com saídas no mercado

Elias está fora dos planos do Atlético-MG para 2020. Jogador tinha maior salário do elenco - Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG
Elias está fora dos planos do Atlético-MG para 2020. Jogador tinha maior salário do elenco Imagem: Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG
do UOL

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

15/01/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Atlético-MG reduziu a folha com a debandada no mercado da bola. Elias, Chará, Luan, Carlos César, Léo Silva, Vinícius e Alerrandro deixaram o time
  • As saídas representam uma diminuição de R$ 1,213 milhão nos gastos mensais na CLT. O valor não considera impostos nem os direitos de imagem pagos
  • Somados os salários de todos os citados, o Galo tinha um gasto mensal de R$ 1.213.000,00. Com os impostos, o montante supera os R$ 2 milhões mensais
  • Elias era quem detinha o maior salário do clube na CLT. O volante, que tem contrato até 31 de janeiro de 2020, recebia R$ 300 mil mensais neste molde

O Atlético-MG reduziu a folha salarial com a debandada de atletas no mercado da bola 2020. As saídas de Elias, Geuvânio, Chará, Luan, Carlos César, Leonardo Silva, Vinícius e Alerrandro representam uma diminuição de R$ 1,421 milhão nos gastos mensais na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). O valor não considera impostos nem os direitos de imagem pagos ao grupo.

Somados os salários de todos os atletas citados na carteira de trabalho, o Galo tinha um gasto mensal de R$ 1.421.000,00. Com os impostos, o montante supera os R$ 2,4 milhões mensais.

Elias era quem detinha o maior salário do clube na CLT. O volante, que tem contrato até 31 de janeiro de 2020, recebia R$ 300 mil mensais nestes moldes. Ele já foi informado pela diretoria que não permanecerá no elenco comandado por Rafael Dudamel. O atleta, inclusive, recebeu um documento informando que não precisaria se apresentar à Cidade do Galo para a realização da pré-temporada. Situação parecida viveu o atacante Geuvânio, que custava R$208 mil mensais ao Atlético na carteira de trabalho. Seu contrato terminou no mês de dezembro e o futebol aquém do esperado fez com que ele ficasse de fora dos planos da comissão técnica para a nova temporada. Por isso, Geuvânio não renovou o vínculo e também foi liberado.

Vendido ao Portland Timbers, dos Estados Unidos, por US$ 6,5 milhões (R$ 26,86 milhões), Chará tinha o segundo maior ordenado do grupo, com faturamento mensal de R$ 288 mil. Luan, que fechou com o V-Varen Nagasaki, do Japão, recebia R$ 204 mil por mês na CLT.

Aposentado desde dezembro do ano passado, Leonardo Silva tinha um salário menor na Consolidação das Leis Trabalhistas: R$ 120 mil por mês. Vinícius, liberado para fechar com o Ceará, recebia R$ 108 mil mensais.

Carlos César, que acertou a ida para o Criciúma, recebia R$ 90 mil mensais na Cidade do Galo. O jovem Alerrandro, por sua vez, faturava R$ 13 mil por mês no clube mineiro.

Esporte