PUBLICIDADE
Topo

J. Jesus foi agredido com cinto na invasão ao CT do Sporting, diz MP

Jorge Jesus, durante partida do Flamengo contra o Ceará no Maracanã - Wagner Meier/Getty Images
Jorge Jesus, durante partida do Flamengo contra o Ceará no Maracanã Imagem: Wagner Meier/Getty Images
do UOL

Do UOL

15/12/2019 11h59

O atual treinador do Flamengo, o português Jorge Jesus, teria sido agredido por torcedores, com a fivela de um cinto, durante a invasão da torcida ao Centro de Treinamento do Sporting, em 2018.

De acordo com informações do Ministério Público de Lisboa obtidas pela revista Época, Jorge Jesus relatou ser sofrido "ferimentos e dores" na ocasião. Ele também teria sido alvo de fogos de artifício, que invasores teriam atirado em sua direção na intenção de "amedrontá-lo".

Segundo o MP, 43 torcedores entraram sem autorização no CT que fica na região de Alcochete, em Lisboa, na tarde de 15 de maio de 2018.

Revoltados com a derrota no campeonato português que impediu o Sporting — então comandado por Jorge Jesus — de disputar a Liga dos Campeões da Europa, eles invadiram o local carregando "rojões, artefatos pirotécnicos, cintos e bastões", alguns encapuzados.

O treinador teria sido avistado pelos invasores, que atiraram fogos de artifício contra ele. Documentos alegam que ele teria conseguido escapar de primeira e correu para a entrada do CT para tentar impedir a entrada dos torcedores, onde teria sido agredido com o cinto.

Na sequência, os homens conseguiram entrar no CT e agredir alguns dos jogadores, entre eles o atacante holandês Bas Dost, que também foi golpeado com um cinto na cabeça e recebeu pontapés ao cair no chão.

Em depoimento durante audiência que ocorreu na última terça-feira (10), um funcionário do clube disse ter visto Jorge Jesus com o nariz ensanguentado no meio da confusão.

Mesmo tendo sido agredido, Jesus é arrolado no caso apenas como testemunha — advogados do português disseram à Época que ele está de acordo e que não tem interesse no caso.

Esporte