Topo

Everton Ribeiro revela atuar com lesões nos dois pés há oito meses no Fla

Everton Ribeiro, durante partida entre Flamengo e Peñarol - Alexandre Vidal / Flamengo
Everton Ribeiro, durante partida entre Flamengo e Peñarol Imagem: Alexandre Vidal / Flamengo
do UOL

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

22/11/2019 17h56

O meia Everton Ribeiro está jogando há oito meses com dores tanto no pé esquerdo quanto no pé direito. O próprio camisa 7 revelou o problema, que começou ainda em abril, na partida contra o San José, da Bolívia, pela fase de grupo da Libertadores.

O jogador salientou que vem sendo acompanhado diariamente pelo departamento médico rubro-negro, mas que as dores no pé esquerdo só vão acabar quando puder ter uma pausa nas atuações.

"Começou no meu dedinho. No jogo com o San José, que ganhamos de 6 a 1, tomei um pancada e quebrou o dedinho do pé esquerdo, que é o que eu mais uso. Ainda fiz dois gols nesse jogo. Final do primeiro tempo tomei a pancada e quebrou. Com isso, comecei a jogar com ele inchado, mudei a minha passada, correndo com pé... Mancando um pouco e com o pé dobrado para não doer tanto. Mas aí começou a forçar meu tendão direito porque a força ia toda na outra perna. Acabou tendo um mini rompimento no tendão direito", disse, em entrevista "Canal Pilhado", Everton Ribeiro, que completou:

"Ficaram os dois lados ruins. Quando melhorou o pé esquerdo, o dedinho cicatrizou e veio o edema ósseo porque fiquei três meses correndo com o pé dobrado. Ainda estou com o edema ósseo e com o rompimento. Os médicos e fisioterapeutas estão me ajudando diariamente, com tratamento intensivo. Tanto que teve alguns jogos que tive de ficar fora por conta de um tratamento mais forte. Hoje, o tendão está melhor, ainda em recuperação, mas o pé esquerdo vai parar quando tiver folga para descansar bem".

Everton salientou o momento pelo qual o time está passando, podendo ser campeão do Campeonato Brasileiro e Libertadores, e disse que está tomando injeção antes de cada partida.

"Dor a gente sempre tem, mas as minhas foram um pouquinho além da conta. Foram lesões. Ainda tenho, ainda sinto dor, mas a gente trabalha. Departamento médico está diariamente ali comigo, me ajudando porque as minhas contusões só vão parar de doer quando tiver férias, quando eu tratar, parar. Eu tenho de parar, mas esse ano está sendo tão mágico que não tem como, né? Então, a gente vai no máximo ali. Todo jogo tomando injeção de anti-inflamatório para poder aguentar o jogo, para não atrapalhar. Anti-inflamatório para poder amenizar as dores, para podermos jogar e fazer o melhor pelo Flamengo. Mas esse esforço todo vai valer a pena", garantiu.

Esporte