Topo

Em crise de resultados, Brasil revê Argentina em revanche da Copa América

14/11/2019 16h53

Redação Central, 14 nov (EFE).- Sem vencer desde a final da Copa América, com três empates e uma derrota nesse período, a seleção brasileira buscará a recuperação nesta sexta-feira em clássico contra a Argentina, que entrará em campo no Estádio Universitário Rei Saud, em Riad, mordida pela derrota nas semifinais do torneio continental, há quatro meses e meio.

No dia 2 de julho, no Mineirão, as duas seleções se enfrentaram na luta por uma vaga na decisão da Copa América. A equipe da casa contou com gols de Gabriel Jesus e Roberto Firmino para triunfar, em duelo no qual a 'Albiceleste' reclamou de dois possíveis pênaltis não marcados a seu favor.

Cinco dias depois, a pentacampeã mundial derrotou o Peru por 3 a 1 no Maracanã e levantou a taça, a primeira da equipe profissional desde a Copa das Confederações de 2013.

Apesar do moral elevado, a partir de então a seleção do técnico Tite entrou em baixa. Em quatro partidas, o Brasil empatou com Colômbia, Senegal e Nigéria e perdeu para os peruanos por 1 a 0, em revanche da decisão continental.

Assim como na Copa América, Tite não terá à disposição o atacante Neymar, que se recupera de uma lesão muscular de grau 2 na coxa esquerda. Com isso, quem provavelmente ganhará mais uma chance é Willian, que deverá formar um trio de ataque com Gabriel Jesus e Roberto Firmino, com Philippe Coutinho atuando no meio.

Apesar de estar em grande momento, o atacante Rodrygo começará no banco. O ex-jogador do Santos fez três gols logo em sua estreia na Liga dos Campeões, na vitória do Real Madrid sobre o Galatasaray por 6 a 0, na semana passada, mas precisará esperar para receber uma chance.

"Estou preparado. Nunca se sabe, tudo pode acontecer, mas não existe qualquer pressão para fazer gols. Se eu entrar, vou jogar como sei, com naturalidade e com o objetivo de buscar a vitória para a minha seleção", declarou Rodrygo, elogiado por Tite.

"Rodrygo é um exemplo para garotos jovens que gostariam de estar na posição dele. Eu não o conheço, é nosso primeiro contato, mas notei que no primeiro gol pelo time principal foi abraçar o Benzema, que deu o passe. No 'hat-trick', não olhou para a câmera, pegou a bola e a beijou", comentou o treinador.

O amistoso na Arábia Saudita marcará o retorno de Lionel Messi à bicampeã mundial após o cumprimento de suspensão de três meses imposta pela Conmebol devido às críticas do craque à atuação da arbitragem na derrota para o Brasil em Belo Horizonte.

Apesar de ter atuado sem o craque do Barcelona após a Copa América, a Argentina goleou México e Equador e empatou com Chile e Alemanha.

Os jogadores comandados por Lionel Scaloni começou a se preparar para o duelo na última segunda-feira em Mallorca, na Espanha. Cerca de 4 mil pessoas se aproximaram do centro de treinamentos, mas a atividade foi realizada com portões fechados.

Depois desta edição do Superclássico, o Brasil se deslocará até Abu Dhabi, onde enfrentará a Coreia do Sul na próxima terça-feira, no último compromisso do ano. Um dia antes, a Argentina medirá forças com o Uruguai em Tel-Aviv.

Prováveis escalações:.

Brasil: Alisson; Danilo, Thiago Silva, Marquinhos e Alex Sandro; Casemiro, Arthur e Philippe Coutinho; Gabriel Jesus, Willian e Roberto Firmino. Técnico: Tite.

Argentina: Andrada; Foyth, Otamendi, Pezzella e Tagliafico; De Paul, Paredes e Acuña; Messi, Agüero e Martínez. Técnico: Lionel Scaloni.

Árbitro: Matthew Conger (Nova Zelândia).

Estádio Universitário Rei Saud, em Riad. EFE

Esporte