Topo

Com aprovação interna, Palmeiras fará nova reunião sobre grama sintética

Gramado do Allianz Parque tem sofrido críticas ao longo de 2019 - Danilo Lavieri/UOL
Gramado do Allianz Parque tem sofrido críticas ao longo de 2019 Imagem: Danilo Lavieri/UOL
do UOL

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

17/10/2019 12h00

Resumo da notícia

  • Viagem à Holanda reforçou intenção de implantar grama sintética no Allianz Parque
  • Aspectos financeiros do projeto serão avaliados em nova reunião com a WTorre
  • Departamento de futebol e comissão técnica já deram sinalização positiva
  • Construtora arcaria com custos de implantação e manutenção no estádio

A comitiva do Palmeiras que embarcou para a Holanda no último domingo (13) retornou hoje ao Brasil com um passo a mais dado na direção da implantação de grama sintética no Allianz Parque. A viagem, que serviu para conhecer o processo de fabricação, a tecnologia e a aplicação prática do gramado artificial, foi considerada produtiva pelo clube, que tem grande aprovação interna sobre o tema. Agora, uma nova reunião acontecerá em São Paulo para definir se o projeto é financeiramente viável.

A delegação alviverde foi composta pelo diretor de futebol Alexandre Mattos, o coordenador de fisioterapia Jomar Ottoni e o 3º vice-presidente Alexandre Zanotta. Jomar ficou a cargo de analisar tecnicamente os gramados, em visitas que aconteceram principalmente na terça-feira (15), enquanto ontem foi o dia de uma reunião para analisar os aspectos comerciais do projeto, como custos e condições de importação e manutenção.

Dentro do Palmeiras, a avaliação é bastante positiva sobre o uso da grama sintética, vista como tecnologicamente superior à usada na Arena da Baixada, do Athletico-PR, e mais próxima da grama real. O departamento de futebol é fortemente favorável à implantação, e o técnico Mano Menezes também deu sinalização otimista sobre o assunto ontem, após a vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense no Allianz. O entendimento é que o novo gramado permitiria que o time jogue mais vezes em seu estádio, que é palco frequente de shows e eventos que prejudicam o estado do campo.

"A questão é bem objetiva", disse Mano. "O Palmeiras tem um estádio, esse estádio foi construído em uma parceria com a WTorre. Está no contrato que existirão shows no Allianz Parque, e vão existir por muitos anos. O Palmeiras vai resolver essa questão e tomar a decisão, juntamente com o seu parceiro, que achar a mais correta para que nós, em momentos importantes, possamos ter o nosso estádio, nossa casa, que é o que o torcedor quer. Acho bom, acho positivo você ter a oportunidade de jogar mais em casa".

O próximo passo, portanto, é bater o martelo sobre a viabilidade financeira do negócio. Além do Palmeiras, a WTorre, que também enviou um representante na viagem, precisa aprovar os custos que foram passados. É a construtora que teria que arcar com a implantação e manutenção do gramado sintético. Existe a intenção da empresa de avançar com o projeto, mas essa questão econômica ainda não foi totalmente definida pelas partes.

Se o projeto avançar, o Palmeiras também pretende construir um campo com grama sintética na Academia de Futebol - neste caso, os custos são do clube. A viagem para a Holanda foi um convite da empresa Soccer Grass, que bancou as despesas da comitiva.

Esporte