Topo

Cinco vezes em que Rogério Ceni não teve filtro na hora de dar sua resposta

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
do UOL

Do UOL, em Santos (SP)

10/10/2019 16h09

Resumo da notícia

  • Ceni voltou a falar o que pensa na coletiva após a vitória sobre a Chape
  • Técnico criticou o árbitro e fez questão de lembrar que ele é carioca
  • UOL Esporte recordou cinco momentos em que Ceni 'passou do ponto'
  • Uma das lembranças é a resposta a Leco: "canalhas também envelhecem"

Percebam: Rogério Ceni não tem sido das figuras mais econômicas ao falar o que pensa nas entrevistas rotineiras de um técnico de um time do Brasileirão. Na noite de ontem, não foi diferente.

Mesmo com a vitória por 2 a 0 sobre a Chapecoense, na Arena Castelão, o comandante do Fortaleza fez críticas ao árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda por conta do critério na aplicação dos cartões e afirmou: "O árbitro também... Carioca, né? A gente notou uma certa diferença".

Definitivamente não foi a primeira vez em que Ceni foi cândido assim - ou algo mais - na hora de dar suas opiniões, especialmente agora à beira do gramado. Talvez seja algo que possa surpreender quem só acompanha à distância sua trajetória, primeiro como goleiro, agora como treinador. Mas Ceni se mostra como personagem que não tende a maneirar. Ele pode até fazer política. Mas prefere usar os microfones para tal.

O UOL Esporte recorda outras cinco vezes em que Rogério Ceni acabou, digamos assim, passando do ponto em entrevistas ou declarações.

Ceni a Thiago Neves: "O que aconteceu foi que ele viu um amigo no banco"

Bruno Haddad/Cruzeiro
Imagem: Bruno Haddad/Cruzeiro
Não é novidade que um dos motivos que provocaram a queda de Rogério Ceni no Cruzeiro foi o fato de ele bater de frente com os medalhões da equipe, especialmente Thiago Neves. O início do desentendimento com o meia veio após a queda na semi da Copa do Brasil, quando o técnico fez improvisações e foi criticado pelo jogador após a derrota por 3 a 0 para o Internacional.

"Foi na preleção [que ficamos sabendo da escalação]. Na nossa reunião, sei lá, duas, três horas antes do jogo e, na minha opinião, achei muito em cima da hora. Você mudar três, quatro jogadores numa linha que já vinha formada há dois anos...", criticou o meia.

Rogério Ceni, além de responder a Thiago Neves, desmentiu o diretor de futebol Marcelo Djian, que tentou botar panos frios ao dizer que a direção havia conversado com os jogadores. Em relação ao meia, insinuou que ele ficou bravo depois de ver o amigo (Edilson) no banco de reservas e, por isso, saiu em defesa do companheiro.

"Eu desconheço qualquer conversa entre jogadores e a direção. Se teve, não me foi passado. Não estou aqui para crucificar o Thiago [Neves] ou coisa assim. Tem história no clube, dentro das suas melhores condições e com a cabeça boa, é muito importante. Às vezes, o que aconteceu foi que ele viu um amigo no banco de reservas, que no caso foi o Edilson. Não houve improvisação alguma, apenas o Jadson na lateral direita. E uma escalação nunca é divulgada três horas antes do jogo, vamos deixar isso claro", disparou.

Ceni a Leco: "Os canalhas também envelhecem"

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Depois de o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, voltar a criticar Rogério Ceni, falando até em despreparo e imagem arranhada após seis meses como treinador do São Paulo, o ex-goleiro rebateu Leco em suas redes sociais. "Não se deixe enganar pelos cabelos brancos, pois os canalhas também envelhecem", escreveu Rogério Ceni em seu Facebook, usando citação de Rui Barbosa, figura brasileira de destaque nos séculos XIX e XX.

Resposta a repórter: "Nem quando abro [treino] vocês têm a percepção"

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Uma das coletivas mais tensas de Rogério Ceni como técnico aconteceu após a eliminação do São Paulo para o Defensa y Justicia, em 2017, pela Copa Sul-Americana. Em uma discussão com um repórter, o técnico foi perguntado sobre como é possível identificar o que foi levado dos treinos para jogos, já que as atividades são sempre fechadas no CT da Barra Funda.

"Nem quando abro vocês têm a percepção, me perdoe. Prefiro fechar para os táticos, dou os 15 minutos para vocês fazerem as imagens e as matérias. Na segunda, que não teve tático, foi todo aberto. Na terça e na quarta, só aquecimento, entrevista, primeiro exercício... Depois prefiro a parte tática sozinho. Pode ter certeza que ninguém fica parado. Qual movimento você quer perguntar?", questionou Ceni, para então ouvir o repórter falar sobre a movimentação de Cueva.

"Cueva? Qual a posição dele? Se ele flutua para você, pode ficar em qualquer lugar do campo. Nós poderíamos ter 13, 14, 15 vitórias, mas cedemos muitos empates no fim de cada jogo no Paulistão. O esquema é extremamente ofensivo e foi o que mais fez gol no Paulista. Se não funcionasse, não teria isso. Claro que precisamos de equilíbrio e baixar os gols sofridos, que até conseguimos, mas agora só temos o Brasileirão para tentar fazer o melhor", acrescentou.

Fúria com a demora do VAR: "Tem três caras no ar-condicionado"

Thiago Ribeiro/AGIF
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Irritado com a arbitragem no empate por 2 a 2 com o Atlético-MG, pela 11ª rodada do Brasileiro, Rogério Ceni fez críticas à demora na utilização do VAR e disse que o árbitro é quem deve tomar as decisões de certos lances, e não "três caras no ar-condicionado".

"Como você vai ser a favor de um instrumento que te atrasa o jogo em dez minutos, e todos em lances interpretativos? O primeiro pênalti que foi marcado, o segundo pênalti que foi marcado. Ninguém verificou a imagem do Carlinhos antes do pênalti, tem que verificar a totalidade do lance. O problema não é o VAR, é que a cada dia se distorce mais, se abre um leque de opções. Tem três caras no ar-condicionado por onde tem que passar o lance. A decisão cabe pra quem está no campo", disse.

"A pergunta não é compatível com sua capacidade jornalística"

Matheus Sebenello/AGIF
Imagem: Matheus Sebenello/AGIF
No ano passado, após empate em casa com o Figueirense, Rogério Ceni ficou incomodado com a pergunta de uma jornalista. "O Figueirense veio para ajudar o Fortaleza?", questionou ela depois de os dois gols do time de Ceni contarem com desvios de jogadores do time catarinense. A resposta não foi nada 'simpática'.

"Eu conheço você. A pergunta não é compatível com sua capacidade jornalística. Prefiro não tecer comentário. O Figueirense veio fazer seus pontos, ganhar seu jogo. O Felipe poderia ter acertado o chute direto. Não é uma pergunta cabível em um momento como esse", afirmou.

Mais Esporte