Topo

Boselli cobra Corinthians melhor e revela: família sofre com adaptação

Atacante argentino soma seis gols em 35 partidas na temporada; ele foi titular em 20 oportunidades com Carille - Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
Atacante argentino soma seis gols em 35 partidas na temporada; ele foi titular em 20 oportunidades com Carille Imagem: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
do UOL

Do UOL, em São Paulo

09/10/2019 14h58

Resumo da notícia

  • Argentino não garantiu permanência em 2020 por motivos pessoais. Irá definir no fim do ano
  • Com apenas 20 partidas como titular no ano, disse que "quem pode responder" é Carille
  • Boselli reforçou declaração polêmica de junho, quando cobrou time melhor e mais ofensivo
  • Atacante ainda fez críticas veladas ao funcionamento do time e elogios aos primeiros
  • Amanhã, contra o Athletico, Boselli deve ser titular do Corinthians ao lado de Vagner Love

O atacante Mauro Boselli concedeu uma entrevista coletiva em tom áspero hoje (9) à tarde, no CT Joaquim Grava. Provável titular do Corinthians no jogo de amanhã, contra o Athlético-PR, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, o argentino disse que os jogadores podem entregar melhor rendimento em campo, cobrou uma evolução ofensiva que passa pelo "funcionamento" do time dirigido pelo técnico Fábio Carille e ainda revelou que seu futuro está indefinido para 2020 por causa de questões familiares. Ele tem contrato até o fim do ano que vem.

"Faltam muitos jogos para terminar o campeonato e minha análise geral não é só futebolística, de brigar por espaço. A qualquer equipe que um jogador vá, mesmo que seja Messi e Cristiano Ronaldo, não é titular, tem que brigar. Minha avaliação inclui vida pessoal. Minha família tem problemas para se adaptar, isso influencia. É de tudo um pouco, não só futebol. Depois do futebol temos 24 horas com a família, muito tempo fora de casa, não estávamos acostumados. Há um monte de coisas. Mas isso é no fim do ano, amanhã tem jogo. Tem muitas partidas pela frente e eu quero fazer o melhor. Hoje não tem sentido falar", contou o jogador de 34 anos.

Boselli ainda não se firmou como titular do Corinthians. Ídolo no futebol mexicano, ele foi contratado pelo time brasileiro no início desta temporada e atuou apenas 20 vezes como titular. São 35 jogos oficiais e seis gols marcados. No Campeonato Brasileiro, que chega à 24ª rodada, ele jogou só 12 vezes. A condição irrita o argentino, que falou mais de uma vez na entrevista de hoje que "quem pode dar resposta é o treinador".

"Sou um atacante. Nos outros times os atacantes têm três, quatro chances de gol por jogo. Aqui eu preciso otimizar, porque não tenho. Não é o nome que joga, seja eu, Vagner Love ou Gustavo. É o funcionamento, ter a característica de ser um time mais ofensivo que vai castigar mais o rival", relatou Boselli, que reforçou uma crítica feita em junho: o Corinthians pode jogar melhor do que está jogando.

"Creio que com o time que temos e a qualidade de jogadores que temos se pode jogar muito melhor. É congruente com o que vemos no dia a dia. Tem que melhorar, potencializar o que temos de bom. É importante ter a melhor defesa, mas tem que melhorar a criação de jogadas e a chegada ao gol. Não lembro que percamos muitas oportunidades. Tem que melhorar em muitos aspectos. Há uma margem de melhora grande e se melhorarmos isso (o ataque), sendo a melhor defesa. Então vamos trabalhar."

Veja outras respostas de Boselli em entrevista hoje (9):

Dupla com Vagner Love

"Primeiro é ver o que diz o treinador. Ontem treinamos com uma formação, vamos ver como será. Se eu for jogar com Vagner, daremos o melhor para a equipe. Estamos competindo por um mesmo lugar, mas temos ótima relação fora de campo, o que levamos para dentro também. Buscamos nos ajudar em campo buscando sempre o melhor para a equipe (...) Quando o torcedor vê um jogo bom como fizemos com Independiente no Equador ele quer voltar a ver isso. Tivemos chances de gol, tem que ver o que Carille coloca amanhã, se formos jogar os dois, muito melhor. Se for um de nós, vamos ajudar."

Dupla deve atuar lado a lado amanhã, contra o Athlético-PR - Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Dupla deve atuar lado a lado amanhã, contra o Athlético-PR
Imagem: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Momento na reserva

"Tenho uma forma de pensar, mas prefiro guardar para mim. Quem pode dar a resposta é o treinador. Mostro desde o primeiro dia que sou uma pessoa que trabalha, treina bem e mostra dentro de campo, e não faço manifestações que possam ser contraproducentes para a equipe. Guardo para mim. Acho que quando entrei ou comecei do início fiz as coisas bem."

Visão sobre o futebol brasileiro

"Futebol brasileiro não sai do que é o futebol em geral, é resultado. não tem outro. Se não consegue, se está em má fase, cai o treinador. No fim do ano saem os jogadores sem rendimento, futebol é assim, não tem diferença, é a realidade do mundo, se vive por resultado."

Frase de junho: "Tem que melhorar"

"Eu não disse com intenção polêmica, tenho sensação de que com jogadores que temos e o que é o time em si temos que brigar pelos objetivos do início do ano, Sul-Americana e Copa do Brasil, que ficamos fora, e Brasileiro. Paulista já tínhamos ganho. Da Copa (Sul-Americana) ficamos fora pela partida que fizemos em casa, se perdeu na Arena. Chegamos em semifinal, é importante. Mas o Corinthians tem que sair campeão. O Brasileiro é difícil, qualquer um pode ganhar. Tem duas ou três equipes acima da média do resto, que têm uma proposta agressiva, ofensiva e isso está fazendo diferença. Nós, com outras armas, tentamos brigar por isso até o final para ter chance de ser campeão nas últimas rodadas."

Confiança dos torcedores

"Sim, tenho conhecimento do apoio, mas não estou todo dia nas redes sociais. Mas o carinho da torcida, mesmo não sento um titular indiscutível, me faz trabalhar forte no dia a dia. Sei que posso ajudar com gols ou assistências, que para mim é o mesmo, é bom para o Corinthians. Agradeço todos os torcedores que perdem tempo me mandando mensagem de apoio. Vou seguir fazendo as coisas melhores ou iguais para devolver esse reconhecimento e sair com gols e entrega em campo."

Ausência de Pedrinho amanhã

"A ausência dele é dura, uma baixa importante, é um dos jogadores mais desequilibrantes que temos, esperamos que quem entre vá bem para não sentirmos tanto a baixa. Não é fácil de substituir."

Clássico de domingo

"É um clássico, um jogo diferente, mas ainda não é momento de falar disso, tem um jogo amanhã que vale os mesmos três pontos. Depois vamos pensar no clássico, o jogo de amanhã em casa, com nossa torcida, é muito importante, queremos ganhar para seguir em cima na tabela."

Enfrentar Lucho González

"Conheço, do futebol argentino e da seleção. É bárbaro, a gente vê a qualidade, como é com D'Alessandro, parece que os anos não passam para eles. Me dá gosto de enfrentar."

Favoritismo do Athlético-PR

"Pode ser. Mas em casa o favorito é sempre o Corinthians, não importa quem enfrente. Mas é um rival de nível. Não sei, em casa o Corinthians é o favorito. Athletico tem um grande time, com jogadores rápidos de lado, que faz transições, um time que gosto. Temos que estar atentos para conseguir os três pontos."

Mais Esporte