Topo

"Responsabilidade do resultado negativo é minha", diz Barroca após derrota

do UOL

Do UOL, no Rio de Janeiro

21/09/2019 14h29

O Botafogo sofreu um gol nos acréscimos e acabou derrotado pelo São Paulo em casa, no Estádio Nilton Santos, na primeira rodada do segundo turno do Campeonato Brasileiro. Criticado pelas mudanças que não surtiram efeito na partida, o técnico Eduardo Barroca assumiu a responsabilidade pelo resultado. O treinador buscou blindar os jogadores, que estão com salários e outros direitos em atraso.

"Enquanto a minha equipe tiver se dedicando desta forma, diante de tudo aquilo que a gente vem vivendo, a responsabilidade sempre vai ficar comigo. A responsabilidade do resultado negativo é sempre minha. Eles vão ser sempre blindados enquanto estiverem se dedicando desta forma", declarou Barroca.

As modificações, claro, também foram tema da entrevista coletiva do treinador, mais uma fez feita em um espaço sem exposição dos patrocinadores do clube, forma de protesto adotada pelo elenco por conta dos débitos da diretoria.

"O Gustavo (Bochecha) vinha fazendo uma boa partida, mas ele também não é um jogador de imposição, é principalmente um jogador de predominância técnica. Entendi que com Léo (Valencia) a gente pudesse ganhar um pouco mais de chute de fora da área, profundidade, mas não funcionou. O Victor saiu por desgaste. Como a gente estava com muita dificuldade dos enfrentamentos com o São Paulo, apostei no Luiz Fernando flutuando mais como um jogador de velocidade para que a gente pudesse usar as costas da dupla de zaga do São Paulo, mas não conseguimos", explicou.

Barroca avaliou a atuação do Botafogo como positiva apesar do resultado. O técnico destacou os méritos do São Paulo de Cuca para vencer a partida.

"Preciso falar que o Botafogo fez um primeiro tempo excelente, principalmente. A gente conseguiu pressionar, criar bastante chance de gol. Controlamos o jogo no meio como transformamos esse jogo em agressividade. Em alguns momentos no primeiro tempo, o São Paulo, com a qualidade que tem, pressionou. No segundo tempo eles subiram mais a marcação, que nos dificultou a ter um controle por trás. Tivemos dificuldade sobretudo de fazer esse controle", disse.

O técnico revelou ainda um pedido do volante Cícero, bastante criticado pela torcida alvinegra, para deixar o campo no fim do jogo. Apesar disso, como Luiz Fernando mostrava desgaste e também pediu para sair do jogo, Barroca manteve o experiente jogador no meio-campo, o que fez a "corneta" da arquibancada se virar contra ele.

"Com trinta minutos o Cícero já havia me pedido para guardar a última substituição para ele. Ele estava com desconforto na perna. Eu estendi essa terceira mexida até muito próximo ali dos 41, 42 minutos. E aí o Luiz me procurou e pediu para sair, porque não estava mais aguentando. Então coloquei o Alan para fazer a função do Cícero e soltar o Cícero para fazer a função de centroavante".

Barroca também exaltou o zagueiro Marcelo, outro que ouviu críticas dos mais de 18 mil presentes ao Nilton Santos. O defensor, que perdeu o pai na última semana, pediu para entrar em campo apesar do luto, mas não fez boa partida, errando nos dois lances que decidiram o jogo a favor do São Paulo.

"O Marcelo sepultou o pai dele ontem à tarde. Só isso mostra quem é esse jogador, principalmente o caráter que tem. Eu deixei ele à vontade se quisesse viver o luto e ele prontamente disse que queria jogar. Ele não é um campeão do futebol, é um campeão da vida. Só tenho que reverenciar pessoas com esse tipo de atitude. Ele já tem meu respeito há muito tempo. Não só meu, mas de todos. Com certeza todos vão estar ao lado dele apoiando. Ele certamente vai superar com a família", disse.

Por fim, o treinador tratou de exaltar a atuação alvinegra na partida apesar dos desfalques e projetar resultados melhores no Campeonato Brasileiro, onde o Botafogo é o 10º colocado com 27 pontos.

"A gente lamenta muito pela forma, mas eu preciso exaltar a luta desses jogadores. Hoje jogamos sem Diego Souza, Alex e Carli. A sequência é bastante dura, mas não dá tempo de se lamentar. Preciso exaltar a luta dos meus jogadores. Eu sabia que precisaria fazer as trocas por motivos físicos, já no intervalo. Mas vamos virar a página e fazer um grande jogo contra o Bahia lá. Hoje acho que o Botafogo teve uma atitude muito boa durante boa parte do jogo. Vamos fazer os ajustes para brigar por coisas grandes na competição", opinou.

Mais Esporte