Topo

Por que ESPN dispensou cúpula e parte dos comentaristas

João Palomino teve seu contrato com a ESPN rescindido - Divulgação/ESPN
João Palomino teve seu contrato com a ESPN rescindido Imagem: Divulgação/ESPN
do UOL

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

15/08/2019 00h02

A demissão da cúpula da ESPN mostra uma mudança de postura da emissora para o futuro. A nova gestão, que ficará alinhada aos interesses do Grupo Disney, terá como prioridade reduzir a quantidade de programas de debates da grade e adquirir o direito de novos torneios e eventos para transmissões.

Na visão da cúpula, somente assim será possível reverter a queda de audiência e de interesse na busca por pacotes vendidos ao consumidor.

Ontem (14), a emissora rescindiu o contrato de João Palomino, vice-presidente de jornalismo e produção da sede da ESPN no Brasil.

Além de Palomino, a ESPN rescindiu com seis comentaristas participantes dos programas de debate da casa. Deixam o canal Arnaldo Ribeiro, Claudio Arreguy, Eduardo Tironi, Juca Kfouri, Maurício Barros e Rafael Oliveira. O apresentador João Canalha também foi dispensado.

Juca Kfouri não teve seu contrato renovado com a ESPN - UOL
Juca Kfouri não teve seu contrato renovado com a ESPN
Imagem: UOL

A curto prazo, a prioridade será trocar os programas de debate por noticiários. No futuro, a ESPN pretende equilibrar sua grande entre atrações noticiosas e jogos ao vivo. Atualmente, o canal tem como carro-chefe os direitos de transmissão do Campeonato Inglês. Com um aporte maior do Grupo Disney, que focará as atenções no canal no Brasil, o objetivo será adquirir outros torneios de peso.

Com Fox e Sportv dominando a audiência, ficou claro para os novos responsáveis do grupo Disney que o modelo de programa de debate "o dia inteiro" já não se sustentava.

A emissora ainda não descarta novas mudanças. A direção do canal avalia os formatos já existentes na programação e o quadro de funcionários. Inicialmente, no entanto, novas trocas não devem afetar - ainda mais - a redação do canal.

A mudança de postura tem relação com a compra de parte da FOX pelo Grupo Disney, empresa gestora da ESPN. Para aprovar o negócio, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) exigiu que o FOX Sports seja vendido pela Disney de "porteira fechada" para outra empresa. Ou seja, a empresa que comprar o canal levará junto todos os imóveis da emissora, equipamentos, 200 funcionários, contratos com 11 ligas esportivas e o acordo com as operadoras de TV a cabo.

Em um primeiro momento, a fusão dificultará a vida da ESPN na compra de direitos de transmissão. O Cade determinou que o Grupo Disney não poderá participar da próxima rodada de contratações das ligas pertencentes ao FOX Sports. A principal delas é a Libertadores.

Apresentador da ESPN critica o jornalismo engraçadinho

UOL Esporte

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que informardo anteriormente, a posição de João Palomino não será ocupada por Adriana Naves, ex-executiva da Fox. O erro foi corrigido.
Ao contrário do que informado anteriormente, com Fox e Sportv dominando a audiência, ficou claro para os novos responsáveis do grupo Disney que o modelo de programa de debate "o dia inteiro" já não se sustentava mais. O erro foi corrigido.

Mais Esporte