Topo

Xingado pela torcida, Neymar já some de lojas do PSG e nem vai ao estádio

do UOL

João Henrique Marques

Colaboração para o UOL, em Paris

12/08/2019 04h00

Na loja do Paris Saint-Germain no Parque dos Príncipes, nada de Neymar. Dentro do estádio, o camarote do jogador ficou vazio. Somado a isso, cânticos e cartazes dos torcedores o insultando. O clima de fim de ciclo do brasileiro no clube ficou claro na estreia do time no Campeonato Francês, na noite de domingo. - PSG venceu o Nîmes por 3 a 0 -.

Neymar não foi ao estádio para ver o jogo. O desejo em sair do PSG já ficou escancarado muito embora jamais tenha falado sobre o tema. As negociações em andamento com Barcelona e Real Madrid tendem a ser intensificadas nos próximos dias. Oficialmente, o clube francês já trata o tema como "avançado", sem especificar qual dos clubes espanhóis está mais próximo.

Em uma medida clara de zelo pela imagem do clube, o PSG tirou artigos de Neymar da loja oficial. Na área infantil em que prevalecia, por exemplo, somente há espaço para camisas e outros produtos sobretudo de Mbappé. A única referência do brasileiro na loja está na área destinada à nova chuteira da Nike, também sua patrocinadora pessoal.

Loja do PSG exibe chuteiras usadas por Neymar e Mbappé - João Henrique Marques/UOL Esporte
Loja do PSG exibe chuteiras usadas por Neymar e Mbappé
Imagem: João Henrique Marques/UOL Esporte

Nas campanhas de divulgação de produtos do PSG, Mbappé, Cavani, Marquinhos, Thiago Silva e Verratti são as presenças frequentes. Neymar não aparece em nenhum banner no interior da loja.

Loja do Paris Saint-Germain exibe produtos com nome de Mbappé - João Henrique Marques/UOL Esporte
Loja do Paris Saint-Germain exibe produtos com nome de Mbappé
Imagem: João Henrique Marques/UOL Esporte

Oficialmente, o PSG diz não haver nenhuma estratégia de marketing que envolva o fim da relação com Neymar. À reportagem, o funcionário da loja explica que as camisas de Neymar não estão expostas nos cabides de dianteira, mas podem ser encontradas com uma boa procura.

A precaução do PSG para não se associar a Neymar fez sentido diante da forte reação dos torcedores no Parque dos Príncipes. Os Ultras, a torcida organizada do clube, diziam querer entender a situação do brasileiro no clube antes de qualquer posicionamento. Na estreia, divulgaram comunicados internos deixando claro o repúdio ao jogador e começaram uma perseguição com cartazes e gritos ofensivos.

"É difícil falar sobre isso. Eu vi agora no smartphone de um amigo. Eu não entendi durante o jogo. É assim na nossa vida, as emoções são graves e estão aí. Só que ele ainda é meu jogador e vou protegê-lo. Compreendo que nem todo mundo o apoie, mas devemos encontrar outro nível para expor nossas emoções", disse o treinador do PSG, Thomas Tuchel, ao fim do jogo.

Tuchel sempre toma cuidado para não tratar Neymar como ex-jogador do PSG. O alemão foi um dos primeiros a ouvir o desejo do brasileiro em sair, ainda no fim da temporada passada, no mês de maio, e confia em uma reviravolta na situação. Só que no grupo de jogadores, são poucos que ainda querem falar de Neymar.

"Nós não vamos e não queremos falar de Neymar. Vim aqui para falar do jogo", avisou o lateral Juan Bernart.

"Eu nem ouvi (torcida xingando Neymar), estava concentrado. Não tenho nada a falar disso", disse com a insistência do repórter no tema Neymar.

A saída de Neymar do PSG ainda é vista como complexa internamente por conta da exigência em reaver grande parte do investimento de 222 milhões de euros em sua contratação em 2017. No entanto, o clima vivido na estreia do time no Parque do Príncipes deixou claro de que a transferência precisa acontecer com rapidez.

Mais Esporte