Topo

"Pato não é solução para o São Paulo", diz Marco Aurélio Cunha

do UOL

Do UOL, em São Paulo

2019-03-22T20:25:39

22/03/2019 20h25

A negociação com Alexandre Pato tem deixado muitos torcedores do São Paulo esperançosos, mas isso não se aplica a Marco Aurélio Cunha. O ex-dirigente tricolor foi cauteloso ao opinar sobre a possível chegada do atacante.

"Pato não é a solução. Idolatria não traz resultado. Nós formamos jogadores em casa, basta não negociá-los cedo demais", pontuou hoje (22), em entrevista ao Fox Sports por telefone. Ele também disse que os meninos da base "podem fazer o São Paulo ser um novo São Paulo".

Atual coordenador de futebol feminino da CBF, Marco Aurélio questionou o fato de que Cuca ainda não conseguiu assumir o comando do time são-paulino por questões médicas - neste momento, o clube mostra esperança de tê-lo até o fim do Paulista.

"Eu adoro o Cuca, quero trabalhar com ele em algum momento. Mas no momento em que o São Paulo está, eu acho difícil para ele e para o São Paulo. Eu acho que deveria ter uma solução mais rápida para o São Paulo", começou a dizer MAC.

"Eu o acho um dos melhores treinadores e quero muito que ele venha logo para o São Paulo. Mas ele tem de vir para o São Paulo para ontem? Se for deixar para o segundo semestre, sinceramente, o futebol não permite esses caprichos", avisou.

Marco Aurélio disse que não tem tido contato constante com Raí, mas revelou que o executivo de futebol está abatido com a criticada fase atual. "Eu vejo o Raí triste. Os resultados não são bons e seria o cúmulo se ele não estivesse triste, mas talvez falte algo dentro do São Paulo", disse.

"A alma do São Paulo está triste. Precisa melhorar, ter alegria, colocar essa molecada para jogar de uma vez por todas. Eu assisti ao segundo tempo contra a Ferroviária [jogo empatado por 1 a 1], e todo mundo falou mal, mas gostei muito do time no segundo tempo", comentou.

"Faz tempo que não falo [com Raí]. Mandei uma mensagem há um tempo falando o que eu pensava, ele me agradeceu. A gente tem uma relação extremamente fraterna. Em nenhum momento vou falar mal dele", avisou, deixando claro que não criticaria o ídolo tricolor.

O contexto político do São Paulo foi assunto na conversa. "Se você tem muita interferência e tenta contornar para não desagradar os que estão ao seu redor, acaba sucumbindo entre eles. Eu não sei se isso acontece lá [no São Paulo], mas algo sugere que isso aconteça", opinou.

A gestão de Leco

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Em determinado momento da entrevista ao Fox Sports, Marco Aurélio Cunha foi questionado sobre o quanto o criticado presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, realmente entende de futebol e é capacitado para administrar o São Paulo.

"Ele não conhece, e o Marcelo Portugal Gouvêa [ex-presidente do São Paulo, campeão paulista, da Libertadores e do Mundial] também não conhecia! Veja como são as coisas: não é questão de conhecer, é delegar para quem conhece fazer o certo", começou Marco Aurélio.

"O Juvenal [Juvêncio, ex-diretor de futebol e, posteriormente, presidente do clube] conhecia profundamente o futebol. O Marcelo delegava ao Juvenal fazer contratações", explicou o coordenador da CBF.

Neste momento, os participantes do programa "Fox Sports Rádio" interromperam a resposta e questionaram se Leco teria cometido um erro ao transferir estas responsabilidades a Raí. Mais uma vez, Marco Aurélio Cunha disse que não criticaria o ex-jogador.

"Eu vou defender o Raí porque tenho muito respeito por ele. É um ídolo meu, do São Paulo, um cara que sem dúvida conhece futebol. Agora, conhecer futebol na engrenagem de sustentar um time, e as interferências que todos sofrem quando estão dirigindo futebol? Uma coisa é você dirigir futebol, outra coisa é ser presidente do clube", começou.

"Presidentes do clube e do conselho interferem, opinam, dão 'pitaco' no vestiário. Isso cria um clima de insegurança e confusão para quem está dirigindo o futebol. Vêm 200 opiniões de contratações, interferências. Se você não tiver um poder de decisão e discernimento muito grande, você sucumbe a essas opiniões", concluiu MAC.

Mais Esporte