PUBLICIDADE
Topo

Pablo mora no CT para "respirar São Paulo" e evidencia obsessão por títulos

Vindo do Athletico-PR, Pablo falou sobre o início de temporada no São Paulo - Marcello Zambrana/AGIF
Vindo do Athletico-PR, Pablo falou sobre o início de temporada no São Paulo Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Do UOL, em São Paulo (SP)

09/03/2019 13h26

Pablo falou sobre seus primeiros meses no São Paulo por cerca de 20 minutos enquanto olhava para os gramados do CT da Barra Funda, já vazios após um longo treino comandado por Vagner Mancini. Neste curto período, o reforço mais caro do clube em 2019 pronunciou a palavra "campeão" dez vezes, evidenciando uma obsessão que é dele e certamente de todos os são-paulinos que estarão no Pacaembu às 21h deste sábado para o jogo contra a Ferroviária pelo Campeonato Paulista.

É possível que você esteja achando que o repórter se enganou ao escrever que o atacante de 26 anos estava em casa e no CT da Barra Funda ao mesmo tempo, mas não. Pablo realmente mora no trabalho, e decidiu fazer isso para apressar a adaptação.

LEIA MAIS:
São Paulo comemora convocação de Neres: "Motivo de muito orgulho"
São Paulo divulga lista de relacionados para jogo com Ferroviária sem Nenê

"Eu fico muito tempo dentro do CT, muito mesmo. Eu respiro o São Paulo. Fico vendo como funciona o dia a dia, já conheço todo mundo que trabalha aqui e estou feliz pelo fato de o São Paulo ter aberto as portas para eu ficar aqui dentro, sei que não é fácil manter um jogador dentro do CT. O Raí (diretor) e o Alexandre (Pássaro, gerente) me deixaram muito confortável para que eu me adapte o quanto antes"m disse o artilheiro do Tricolor na temporada, com quatro gols.

A rotina de Pablo até que é monótona. Ele mata o tempo com a série "Vikings", com as músicas do sertanejo Gusttavo Lima ou com o videogame, mas os dias têm sido intensos. Em cerca de três meses, o paranaense de Cambé já viveu alegrias como a de marcar gol no clássico contra o Corinthians e decepções como a da queda na fase preliminar da Libertadores. Embora tenha sido poupado pelos torcedores, já presenciou diversos protestos. Isso sem falar na vida pessoal: o filho Enrico nasceu no dia 6 de fevereiro, quando o jogador estava na Argentina para o primeiro jogo contra o Talleres (ARG).

Em meio a tudo isso, a convicção de ter feito a escolha certa ao rejeitar propostas até melhores para jogar no São Paulo segue intacta: "Firme, forte e com 100% de certeza". Veja a entrevista completa com Pablo:

Agora que o gol saiu as coisas ficam mais tranquilas, né?
Agora, só? (risos)

Agora o gol saiu e o time venceu. O quanto essa vitória sobre o Bragantino aliviou o grupo?
É sempre muito bom fazer gol. E nossa equipe precisava voltar a vencer, precisava voltar a marcar. Estávamos insatisfeitos com os resultados e precisávamos dar uma resposta o quanto antes, principalmente porque temos o objetivo de classificar para a próxima fase do Campeonato Paulista. Eu não sou muito de ficar falando individualmente, acho que quem faz gol é a equipe e não um jogador específico, mas estou muito feliz com o meu momento e com essa transformação da equipe, voltando a vencer agora. A gente tem um longo caminho para percorrer durante o ano, temos que nos preparar a cada dia.

Você não gosta de falar de si mesmo, mas dá para fazer uma avaliação desse início no São Paulo? Está sendo como você esperava? Melhor? Pior?
Eu estou feliz por estar no São Paulo, mas chateado porque queria estar na fase de grupos da Libertadores. Acabou que não aconteceu, agora tem que pensar para a frente. Eu decidi ficar os primeiros dois, três meses morando aqui, devido ao nascimento do meu filho e também para conhecer, para me adaptar o mais rápido possível ao clube, à rotina. Estou muito feliz com meu início, com a minha adaptação, com os gols... Mas quero que a equipe ganhe campeonatos, que vença. Foi uma frustração para a gente não se classificar na Libertadores. Foi muito frustrante, mas tenho total convicção de que faremos uma grande temporada. Ainda tem Paulista, Brasileiro e Copa do Brasil.

Você já sabia que seria pai quando acertou com o São Paulo. Como foi essa decisão de ficar os primeiros meses longe do filho?
Foi uma coisa definida antes, logo que teve o acerto com o São Paulo. Já estava tudo programado para o nascimento ser em Curitiba, o hospital, a médica da minha esposa, enfim... Mudar na véspera do nascimento seria algo muito difícil para a minha esposa, então a gente decidiu assim. Obviamente não está sendo fácil ficar longe. Sempre que tem uma folga eu vou para Curitiba, fico o mais próximo possível do meu filho e da minha esposa.

E ele não quis te esperar, né? Nasceu enquanto você estava na Argentina.
Nasceu (risos). No dia 5 à noite a minha esposa me ligou falando que tinha estourado a bolsa e no dia 6 de manhã ele nasceu. Era para nascer no dia 8, mas ele antecipou. É o homem lá de cima que decide a hora. Mas ele está muito bem de saúde, crescendo muito bem, a família está muito feliz com o Enrico.

Você foi campeão da Sul-Americana no ano passado, seu pai se recuperou de um problema de saúde, o Enrico nasceu, você está no clube que escolheu. É o melhor momento da sua vida?
Com certeza é o melhor momento. Óbvio que você passa por muita coisa na vida, boas e ruins. Os anos de 2015 e 2016 foram muito bons para mim também, mas 2017 foi um ano de choque. Eu nunca tinha vivido um ano tão difícil, de tanta batalha em relação à minha família. E 2018 foi um ano para coroar tudo. Como você disse, meu pai se recuperou muito bem, minha esposa ficou grávida, fomos campeões, uma temporada fantástica... Espero que 2019 possa ser melhor ainda.

Como é a relação com o seu pai? Ele gosta de futebol?
Meu pai é apaixonado por futebol. E é meu parceiro, meu amigo, não só na carreira, mas na vida. Sempre estamos juntos. É ele que toma as decisões junto comigo, me ajuda, é um suporte que eu tenho, uma pessoa que eu amo, admiro e tenho como exemplo. Só tenho que agradecer por tudo o que ele faz e fez por mim.

E o avô são-paulino?
É o pai da minha mãe. Ele sempre foi muito presente. Meu pai fala que a qualidade veio do meu avô, falam que ele era muito bom de bola quando mais jovem. Ele é apaixonado por futebol, tenho um contato muito grande com ele, com a minha avó também. São pessoas que sempre me apoiaram e me incentivaram.

O seu avô fazia gol igual a você?
Ele era ponta esquerda, bom de bola. Quem dera fazer dupla com ele (risos). Joguei bola com ele quando era menorzinho, nessas festas de família a gente brincava. Claro que ele já tinha uma idade, mas lembro que ele era muito bom.

Ele vê todos os jogos?
Desde que eu subi para a equipe principal do Athletico ele assiste a todos os jogos, não perdeu nenhum até hoje. Eu estou procurando moradia aqui ainda. Quando tiver uma casa, estiver adaptado com a família aqui, com certeza vou trazê-lo junto com a minha avó para ver um jogo. Mas ele vem só para passear. Do cantinho deles eles não saem (risos).

Você demonstrou um conhecimento grande da história do São Paulo em suas primeiras entrevistas aqui. Era um clube que você já acompanhava?
Eu sou aquele cara que não gosta muito de ver jogo, mas gosto de história. A história do clube é cativante, é uma história de conquistas, não tem como você não conhecer. Toda pessoa no Brasil sabe o que é o São Paulo, a história que tem. Isso foi uma das coisas que mais me cativaram quando o São Paulo demonstrou interesse em mim. Foi o primeiro clube que demonstrou interesse, foi o primeiro que chegou até mim para conversar, e óbvio que optei pelo São Paulo pelo tamanho, pela história, pela tradição, por ser uma equipe que está sempre brigando por títulos. Eu sei que está há algum tempo sem vencer, mas isso também é normal no futebol. Quando você chega no São Paulo você sabe da ambição que o clube tem para vencer todos anos. Isso foi uma coisa que me deixou encantado. Espero fazer história aqui.

E na sua posição são vários os jogadores históricos...
Ah, tem muitos. Careca, que eu não vi jogar por causa da idade, Luis Fabiano.. Não só da minha posição. Tem Kaká, jogadores históricos do clube que te encantam e marcam sua infância. Pô, Rogério Ceni, Raí... São ícones e ídolos da história do São Paulo.

Como é ter o Raí como chefe?
Tenho muito respeito e admiração por ele. É um cara muito tranquilo, que cobra na hora que tem que cobrar, apoia a hora que tem apoiar. Ele foi jogador, então entende o lado do atleta, dá conselhos. É um cara tremendo, uma honra trabalhar com ele.

O Lugano também está bastante com vocês? Como é o contato com ele?
Ele fica com a gente, sim. É um exemplo de tudo, de garra, de raça, de vitórias... É um cara do qual você quer estar sempre perto. Ele me dá muitos conselhos, a gente conversa bastante. Admiro muito também e está na história do São Paulo.

Há pouco tempo, o Willian Farias disse que com 40 dias de clube era capaz de sentir a pressão de dez anos de vacas magras. Com você também é assim?
Quando você vem para o São Paulo, já tem que estar na sua mente que é preciso vencer, é preciso ser campeão. O clube é acostumado a vencer, acostumou o torcedor a vencer. O São Paulo foi campeão da Sul-Americana em 2012, querendo ou não já faz um tempo. Já faz um tempo também que não é campeão nacional. Você vem com essa pressão, com esse peso, mas eu tenho certeza que faremos um grande ano. É nosso objetivo ser campeão. Esse é nosso objetivo. Campeonato Paulista, Copa do Brasil, Brasileiro... É ser campeão para entrar na história do clube e para dar alegria ao torcedor. Óbvio que quando você chega em um clube dessa grandeza você já vem com um peso. Não pelos anos sem título, mas por toda a história. Eu acho e acredito muito que nós temos um grande elenco, com potencial de ser campeão, por isso que decidi vir para o São Paulo. Óbvio que no fim do ano passado o time deu uma oscilada e não foi campeão, mas me encantou quando eu estava no Athletico e via jogando, era líder e estava muito bem.

A torcida gosta de você e te poupou nos protestos. Mas como foi ver os companheiros sendo cobrados?
Quando cobram um jogador, cobram o elenco inteiro. Somos um grupo. Óbvio que eu me incluo nisso, então também fui cobrado e criticado. Mas é uma coisa natural, eles estão no direito deles, no dever de cobrar. Isso faz parte do futebol brasileiro. É óbvio que eles ficaram muito tristes com a eliminação, como nós também ficamos, e muito. Nós sentimos, ficamos abalados, isso ficou evidente nos jogos seguintes à desclassificação. A gente está retomando, erguendo a cabeça, indo em frente, porque ainda temos campeonatos importantes.

E como é lidar, em tão pouco tempo de clube, com uma grande transição? O Jardine saiu, o Mancini assumiu, logo vem o Cuca...
O Cuca teve um problema sério de saúde e está se recuperando. O Vagner é o treinador agora, ele é que está comandando e colocando as ideias dele. É óbvio que toda troca de treinador gera aquela expectativa da torcida, dos jogadores, de evoluir, de crescer, mas é uma coisa que todos aqui já estão acostumados. Sempre acontece. Ano passado, no Athletico, tivemos a entrada do Thiago no lugar do Fernando e a equipe evoluiu. É óbvio que hoje quem está cuidando é o Vagner, depois virá o Cuca e vamos ter que nos adaptar o mais rápido possível.

Você acha que a bola está chegando mais até você nos últimos jogos? O Mancini disse que a ideia é ter sempre o campo de ataque bem povoado.
A equipe está jogando um pouco mais compacta, está sendo vertical, estão acontecendo jogadas interiores e pelos extremos. A bola está chegando. Não que antes não chegava, é claro que chegava, mas acho que a equipe está ganhando mais corpo, mais confiança. Voltar a vencer faz com que você se solte mais dentro de campo, tira aquele peso. Isso está me ajudando individualmente e ajudando meus companheiros.

Você é de fazer planos? Pensa em Seleção Brasileira?
Claro que você tem sonhos e planos. Meu plano é fazer o meu melhor no São Paulo, ser campeão, e óbvio que tenho o sonho de ir para a Seleção. Seria uma conquista muito grande. Quando você vem jogar em uma equipe igual ao São Paulo você tem que pensar em ser campeão, você tem que pensar em ir para a Seleção, então é claro que eu penso. Mas para isso acontecer eu preciso ajudar meus companheiros a fazer as coisas acontecerem aqui. O que eu planejo é fazer história no clube, ser campeão, e se Deus quiser um dia chegar na Seleção. 

Esporte