PUBLICIDADE
Topo

Ofensividade e repertório garantem vaga para o Santos na Copa do Brasil

07/03/2019 23h34

O domínio foi grande, mas não há como dizer que o Santos teve vida totalmente fácil no Pacaembu, principalmente na primeira etapa, quando o América-RN chegou a se aproveitar dos espaços defensivos fornecidos pelos donos da casa. No entanto, mais uma vez, o volume de jogo no ataque e a mentalidade ofensiva do time de Jorge Sampaoli falaram mais alto, mesmo com novidades na escalação.

A vitória por 4 a 0 sobre a equipe potiguar garantiu vaga na Terceira Fase da Copa do Brasil, mas serviu também para reforçar características santistas (boas e ruins) nesta temporada. Ainda que o resultado tenha sido positivo, algumas deficiências puderam ser vistas desde a escolha dos 11 titulares.

Sem Felipe Jonatan, que já havia atuado pelo Ceará na competição, Sampaoli tinha a opção de escalar Orinho ou Copete, mas preferiu seguir uma terceira via e colocou Diego Pituca para a função. Jean Mota, porém, foi quem começou na lateral esquerda. Os setores de meio-campo e ataque, por sua vez, sentiram falta da movimentação de Mota e, por isso, a inversão com Pituca foi feita pelo técnico argentino.

A partir daí, o time começou a jogar mais, criar mais chances, inclusive a que originou o primeiro gol, anotado por Derlis González. A insistência por querer a bola e a quantidade de jogadores dentro da área foram decisivos na abertura do placar. Isso, porém, não exclui os espaços dados nos contra-ataques do América-RN, problema que tende a piorar contra times mais qualificados.

O volume de jogadas de ataque é impressionante, especialmente com a velocidade de jogadores como González, Soteldo e Rodrygo, que no segundo tempo fizeram muita diferença. Quem viu o jogo, tinha a certeza de que os gols sairiam a qualquer momento, mas fica evidente também a necessidade de, por vezes, ter um atacante finalizador na área. Com a quantidade de lances pelas pontas, a impressão é de que muitos mais tentos sairiam, algo que ajudaria em duelos mais duros.

Mesmo com carências sabidas desde o início da temporada, o que traz uma ideia de planejamento deficiente, o repertório e o pensamento ofensivo trazidos por Sampaoli e seus comandados acabam resolvendo os jogos. Contra o América-RN não foi diferente, classificação conquistada com o DNA de uma equipe que não gosta de sair de campo sem vitória e com poucos gols.

Esporte