PUBLICIDADE
Topo

Caráter, trabalho, frustração, 2018... elenco explica por que apoia Borja

25/02/2019 08h00

O mesmo atacante que conseguiu errar diante de um gol vazio, no 0 a 0 diante do Santos, no sábado, no Allianz Parque, fica no vestiário se lamentando, tem o carinho do grupo, foi o artilheiro do clube no ano passado e trabalha intensamente, inclusive finalizações. É esse o cenário demonstrado pelo elenco do Palmeiras para explicar o apoio ao criticado colombiano, que tem virado piada na internet e recebido intensos xingamentos dos torcedores.

- O Borja está fazendo o trabalho dele, buscando melhorar, treinando, inclusive finalizações. Às vezes, depois do jogo, quando não faz o gol, sai chateado. É um cara que está buscando melhorar. O que pudermos fazer para ajudá-lo a começar a fazer os gols, vamos ajudar. No ano passado, foi o nosso artilheiro. Está procurando melhorar e estamos aqui para ajudá-lo a voltar a fazer gols e dar alegria para a torcida do Palmeiras - defendeu o capitão Bruno Henrique.

- Pelo caráter e pela pessoa correta que ele é, não tenho dúvida de que vai passar por esse momento. Trabalha muito, o grupo o adora. Só erra quem está lá dentro, jamais vamos crucificá-lo. Lógico que sabe quanto precisa melhorar e estamos do lado dele, ajudando no que precisar. Temos muita confiança nele. Pode e vai nos ajudar. Daqui a pouco, os gols vão começar a sair, como sempre saíram, e ele vai nos ajudar. Com certeza - apostou o goleiro Weverton.

Em um momento de apoio, ressaltar o empenho do camisa 9 parece insuficiente. Por isso, Bruno Henrique citou os 20 gols marcados pelo colega em 2018, mais do que qualquer outro jogador do Palmeiras na temporada. O capitão ainda se irritou com rumores de que Borja pediu para deixar o clube.

- Não sei de onde tiram que o Borja quer ser negociado. São coisas que ventilam. O Borja é um cara que está trabalhando normalmente, fazendo o trabalho dele. Não está insatisfeito em nenhum momento dentro do clube. Ventila-se muita coisa fora que não é verdade - falou o volante, avisando que não é somente o colombiano que perde oportunidades.

- Não é só o Borja. Outros tiveram oportunidade de fazer o gol e, infelizmente, não fizeram. Fica o lance na cabeça, mas o Borja está trabalhando bastante. Vemos o seu empenho para melhorar e fazer os gols. Infelizmente, não saiu - lamentou Bruno Henrique.

Caberá a torcida também continuar acreditando em Borja. Deyverson recusou a oferta do Shenzhen FC, da China, que poderia render 15 milhões de euros (quase R$ 64 milhões) ao Palmeiras, mas ainda tem três jogos para cumprir no Campeonato Paulista pela suspensão por ter cuspido em Richard, do Corinthians. Ou seja: nesta quarta-feira, contra o Ituano, no Allianz Parque, o camisa 9 colombiano segue como único centroavante de origem à disposição.

Esporte