PUBLICIDADE
Topo

Oscar espera conquistar Tite e projeta retorno à seleção: "Tenho condições"

Oscar conquistou a Copa das Confederações de 2013 pela seleção brasileira - Laurence Griffiths/Getty Images
Oscar conquistou a Copa das Confederações de 2013 pela seleção brasileira Imagem: Laurence Griffiths/Getty Images

24/02/2019 09h29

Campeão no Brasil, campeão na Inglaterra e agora campeão na China, o meio-campista Oscar não deixa de conquistar títulos por onde passa. O jogador do Shanghai SIPG foi decisivo na campanha do título inédito da equipe da Superliga Chinesa e conversou com exclusividade com o Lance!.

O camisa 8 do time chinês abriu o jogo sobre sua carreira no futebol asiático, onde está desde 2017, quando deixou o Chelsea. O atleta de 27 anos comentou ainda como foi ver a Copa do Mundo de 2018 apenas de casa e projetou uma volta à seleção brasileira.

Seleção brasileira

Em 2014, Oscar era titular absoluto da seleção e foi eleito um dos melhores meias da Copa do Mundo. Hoje, mesmo em destaque no futebol chinês, o camisa 8 não vem sendo convocado por Tite. Contudo, a vontade de vestir a camisa amarelinha nunca saiu da cabeça.

Agora campeão da Superliga Chinesa, o jogador ainda almeja jogar com a camisa da seleção e afirma que ainda tem condições de ser convocado e jogar pelo Brasil se continuar jogando o futebol que o fez entrar para o time do ano do Campeonato Chinês.

"A gente sempre sonha com seleção, fiquei muito tempo por lá, eu amo jogar pela seleção. Lógico que quando vim para china eu me afastei um pouco, já que na Europa o futebol e seus jogos são muito mais visados, mas todo mundo sabe da minha qualidade. O nível do futebol europeu é muito mais difícil, mas todo mundo sabe do jeito que eu jogo e se eu tiver bem aqui eu tenho condições de voltar a seleção brasileira, mas o meu foco é o Shanghai, em sempre estar feliz, jogando meu melhor futebol que as coisas acontecem naturalmente", afirmou.

Autor do gol brasileiro do fatídico 7 a 1 contra a Alemanha, Oscar comentou sobre o desempenho naquela Copa do Mundo, dentro de casa. "Fiquei muito feliz por ter feito uma Copa do Mundo muito boa. Fiquei entre os melhores jogadores, na seleção do Mundial pela FIFA na minha posição e fiquei muito feliz. Infelizmente, não foi do jeito que todo mundo esperava, não conquistamos o título, mas é algo que acontece", disse.

Oscar foi pouco lembrado por Tite durante o processo de preparação para a Copa da Rússia. O meia, no entanto, declarou que não ficou chateado por ter ficado de fora da disputa do Mundial, onde o Brasil ficou no meio do caminho ao ser eliminado pela Bélgica, nas quartas de final e que manteve contato com Tite.

"Depois que o Tite assumiu, eu fui chamado em uma convocação, e já conversei com ele e com o pessoal da comissão técnica. Não fiquei chateado. Cada um tem seu momento. Acho que os jogadores que foram, eram os que o Tite achou que estavam melhores condições que eu e temos que respeitar as opções do treinador da Seleção, já que temos muitos jogadores de qualidade. Em 2016, quando estava no Chelsea, fui na segunda convocação feita por ele para dois jogos, não cheguei a jogar, mas fiquei feliz de ter ido e conhecido ele melhor. Espero ter mais oportunidades de voltar mais para frente", projetou.

Futebol Chinês

Depois de ver o Guangzhou Evergrande dominar a cena na China, o Shanghai SIPG finalmente destronou o rival e sagrou-se campeão da Superliga Chinesa pela primeira vez na história na última temporada, com participação efetiva dos brasileiros da equipe, Hulk, Elkeson e Oscar.

O meia ex-Inter e São Paulo chegou ao time chinês como a maior contratação da história do clube, valendo 60 milhões de euros, cerca de R$ 212 milhões na cotação da época. Entretanto, apesar de levar uma temporada para conquistar um título, Oscar afirmou que não teve dificuldades para se adaptar ao futebol asiático.

"Aqui na China é um jogo muito competitivo, todas as equipes trazem grandes jogadores e assim como o futebol brasileiro, é muito disputado. Esse ano foi muito difícil conquistar o título; ano passado batemos na trave, sendo vice-campeão duas vezes, na Liga e na Copa, mas dessa vez conseguimos ser campeões. São equipes muito boas, o Guangzhou é muito bom, o Beijing também tem uma equipe muito boa e são times que sempre brigam pelo título. Mas fizemos um ano muito bom e conseguimos conquistar o troféu", destacou.

Agora, após ganhar a Superliga Chinesa pela primeira vez na história, o Shanghai terá a missão de conquistar a Liga dos Campeões da Ásia, título que o time ainda não tem. Entretanto, segundo Oscar, apesar da chance de levantar taça continental, o foco é vencer todos os campeonatos possíveis.

"Fiquei muito feliz por ter conquistado o primeiro título do Shanghai, um título inédito. Não tinha muita pressão da torcida, já que eles sabiam o quanto estávamos bem, depois de bater na trave duas vezes. Agora fomos campeões e a torcida ficou muito feliz, assim como os jogadores que jogam com a gente que estão aqui há alguns anos e não tinham conquistado nenhum título. Então, para eles foi muito emocionante, assim como foi quebrar a sequência do Guangzhou, que vinha ganhando os títulos recentemente. O nosso objetivo é ganhar todos os títulos, não tem um principal. A Champions é especial para os torcedores e vamos fazer de tudo para tentar conquistar, mas todos os títulos são especiais", declarou.

Chelsea

Ao deixar o Brasil, em 2012, Oscar assinou com o Chelsea. Desde sua estreia, no dia 19 de agosto do mesmo ano, o brasileiro foi um dos grandes destaques dos Blues e foi extremamente vitorioso, ao conquistar duas vezes a Premier League, uma Liga Europa e uma Copa da Inglaterra.

Na época, Oscar herdou a camisa 11, anteriormente usada pelo ídolo do time londrino, Didier Drogba, e fez valer a mística. Atualmente na China, o brasileiro comentou sobre sua relação com o Chelsea e com os torcedores, que enchem suas redes sociais com mensagens pedindo o seu retorno.

"Fiquei cerca de cinco anos no Chelsea e fui muito feliz com a minha passagem lá. Todos os torcedores falam que sentem minha falta e se falam isso é porque eu fiz um bom trabalho. E realmente eu gostei muito de ter jogado lá, conquistei duas vezes a Premier League, Europa League, Copa da Inglaterra e fui muito feliz. Foram anos muito bons na minha carreira e é gratificante ter esse carinho que todos lá sentem por mim", relembrou.

Volta ao Brasil?

Revelado no São Paulo e contratado pelo Inter após um imbróglio com o Tricolor, o meia se tornou peça-chave do time gaúcho na conquista da Libertadores em 2011. Todavia, Oscar afirma não pensar em retornar para atuar no futebol brasileiro nos próximos anos, mesmo após sete temporadas atuando em gramados mundo afora.

"No Brasil eu fiz minha base toda no São Paulo, cheguei a subir com a equipe que foi campeã brasileira em 2008. Depois fui para o Inter, onde fui campeão da Libertadores, Recopa, Gauchão, então lá foi onde tive mais títulos e onde joguei muito mais. Queria ter jogado mais no Brasil, mas quando vem uma oferta da Europa é muito difícil segurar. No momento eu não penso em retornar. Falar de futuro é muito complicado no futebol porque tudo pode acontecer, mas no momento não penso em voltar", frisou.

Esporte