Topo

Brasileiro do Lyon vê time no mesmo nível que Barcelona para Champions

AP Photo/Dave Thompson
Fernando Marçal, do Lyon, tenta se livrar da marcação do Everton Imagem: AP Photo/Dave Thompson
do UOL

Pedro Sciola

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2019-02-19T13:09:08

19/02/2019 13h09

O Lyon terá a árdua missão de enfrentar o Barcelona nesta terça-feira (19), atuando em casa, no confronto de ida válido pelas oitavas de final da Liga dos Campeões. Para Fernando Marçal, lateral esquerdo da equipe francesa, a tarefa será complicada, mas a vitória não é impossível para quem já conquistou excelentes resultados diante de poderosos clubes do futebol europeu nesta temporada.

Na fase de grupos da Champions League, o Lyon bateu o estrelado elenco do Manchester City em pleno Etihad Stadium, além de assegurar um empate no Parque Olímpico de Lyon. Já no Campeonato Francês, o time recentemente tornou-se o único a derrotar o líder absoluto Paris Saint-Germain, quebrando longa invencibilidade dos parisienses no torneio.

Leia também
Juiz amigo de Messi e Malcom carrasco; seis motivos para ver Barça x Lyon
Barcelona: Dembélé acredita que será difícil vencer o Lyon fora de casa
Antes de confronto, Neuer elogia brasileiro Alisson: "gosto do seu estilo"

"O Barcelona está vendo isso, com certeza. Todo mundo está vendo que o Lyon está a altura desses clubes e que nesses jogos grandes o Lyon cresce. Acredito que isso vai trazer respeito para Lyon e espero realmente que possamos fazer esse jogo contra o Barcelona igual fizemos contra o City e o PSG. Tenho certeza que vamos conseguir um resultado positivo", cravou Marçal em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

O brasileiro pode ser uma "carta na manga" do técnico Bruno Génésio para o embate diante dos espanhóis. Marçal é polivalente, atua também na zaga e é opção para um sistema com três zagueiros, formação em desuso pelo Lyon desde janeiro, mas que pode servir como trunfo diante dos espanhóis.

"Então, acredito que nesse jogo contra o Barcelona, sinceramente, pode ser que ele [treinador] escale três zagueiros, pode ser que ele mude no meio do jogo para três zagueiros. Fico contente por ter essa versatilidade e poder ajudar meu time e espero surpreender o Barcelona e sair com essa vantagem para o jogo de volta", afirmou o atleta revelado pelo Grêmio e com carreira construída no Velho Continente.

Mesmo concedendo alternativas ao técnico, Marçal vem frequentando o banco de reservas do Lyon. A exceção da última partida diante do lanterna Guingamp, quando jogou entre os onze principais, o defensor perdeu seu status de titular após Génésio retornar ao esquema com uma linha de quatro marcadores.

"Essa mudança pra linha de quatro, na verdade, me pegou de surpresa porque eu vinha fazendo bons jogos. Estava saindo nos melhores 11 das jornadas. Fui pego de surpresa, mas quando se muda um sistema com três zagueiros e volta a jogar com dois, obviamente o sacrificado vai ser aquele que não é zagueiro. Senti por parte do treinador uma tristeza por eu estar saindo, mas ele optou por mudar e a gente tem que respeitar", reconheceu o atleta que perdeu a posição para o jovem Mendy.

Messi não terá atenção especial

A defesa do Lyon precisará parar um ataque comandado por Lionel Messi, vice-artilheiro da Liga dos Campeões, com seis gols anotados nesta edição. Entretanto, Marçal garante: a preocupação do time do leste da França não está focada apenas no argentino e o craque não é pauta nos arredores do clube.

"Não estamos falando de Messi, de Coutinho ou de qualquer outro jogador. Estamos preparando o jogo como uma equipe, uma equipe a ser segurada, uma equipe que tem muita qualidade", disse o lateral que completará 30 anos de idade justamente no dia do duelo contra o Barcelona.

"Não podemos colocar nossos esforços em cima de um jogador só, que sem dúvida é o melhor do mundo. Acho que é o Barcelona. Se não for o Messi, outro vai decidir. Temos que estar compactos e serenos porque o perigo não está só no Messi", completou.

Reconhecendo o favoritismo dos blaugranas, Marçal vê que sua equipe pode tirar vantagem de ter menos pressão para avançar as quartas de final e acredita na força da torcida para superar o rival.

"O favoritismo realmente está do lado do Barcelona. É jogo de Champions League, sempre tem pressão para os dois lados, mas o Barcelona está um pouco mais pressionado porque é o favorito e, ao mesmo tempo, tem que mostrar que o Lyon não pode fazer o que fez com o City ou Paris Saint-Germain. Isso nos dá mais tranquilidade para jogar, principalmente por estarmos em casa, com a torcida ao nosso lado", opinou.

Filho torcerá para o Barça? Nada disso!

Fernando Marçal registou em sua conta do Instagram a visita do filho Lucas (9) ao estádio Camp Nou, em outubro do ano passado, durante a histórica goleada por 5 a 1 dos catalães sobre o Real Madrid. Na ocasião, seu primogênito foi "pé quente", torceu pelo Barcelona e tirou fotos com alguns jogadores, como Coutinho e Vidal. Questionado se nesta terça-feira Lucas ficará contra o pai, ele negou.

"Meu filho é um garoto que ama o futebol, vive futebol com bastante intensidade. Mas ele é 'Lyonnais' de olho fechado. Quanto a isso, nem me preocupo porque ele é uma criança e torce pelos clubes que chamam mais atenção. O Barcelona, por ter o Messi, chama atenção. Mas, se fosse um ano antes, ele estaria torcendo pelo Real Madrid porque ele prefere Cristiano Ronaldo ao Messi", contou.

De acordo com Marçal, o garoto é fanático pelo Lyon, se revolta quando o time tropeça e não gosta de levar desaforos para casa quando tiram um sarro da equipe do pai.

"Ele faz as escolhas dele, mas com certeza neste dia 19 ele será um dos fãs que ficará 'bolado' se tomarmos um gol. Ele, normalmente, quando a gente empata ou perde um jogo, ele fica bolado. Vai para escola 'boladão' porque se tem algum amigo que torce pelo Paris Saint-Germain e que zuar ele, ele fica 'boladão'", revelou.

"Então, quanto a isso eu estou tranquilo. O Lucas torce primeiro para o time do papai. E o papai está fazendo aniversário neste dia 19, com certeza, a torcida vai ser ainda maior para que possamos vencer o jogo. Ele vai estar na tribuna gritando: 'Lyon'", concluiu Marçal.

Mais Esporte