Topo

Carille encara pior fase no Corinthians às vésperas de "decisão" para 2019

Daniel Vorley/AGIF
Imagem: Daniel Vorley/AGIF
do UOL

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

11/02/2019 04h00

Os testes de começo de temporada acabaram, e o Corinthians chega ao jogo mais importante do primeiro semestre tendo mostrado pouco até aqui. O time está longe de estar pronto, mas já tem duelo decisivo contra o Racing na quinta-feira (14). No centro de toda a pressão está Fábio Carille, que admite que a melhora leva tempo mas precisa encontrar uma forma de fazer o Alvinegro render a curto prazo.

É a pior fase vivida pelo treinador no clube. Nos anos anteriores a evolução do time pode até ter sido lenta em alguns momentos, mas sempre seguiu em frente. Desta vez o encaixe parece muito mais complicado: o modelo tático ainda está indefinido, e as mudanças são tantas que fazem cada jogo parecer o primeiro do ano. O próprio Carille admite que precisa definir logo um esquema de jogo "para que os jogadores saibam o que fazer em campo".

O desajuste do meio-campo, no entanto, não é o único nem o principal problema do Corinthians, que tem levado gols demais e quase sempre pelo alto. Dos oito gols sofridos por Cássio neste ano, seis nasceram na bola aérea (75%). A proporção é ainda mais preocupante do que no período sob comando de Jair Ventura, na reta final de 2018, quando sete dos 19 gols sofridos foram pelo alto (37%).

Nos sete jogos oficiais disputados em 2019, o Corinthians usou pelo menos quatro propostas táticas diferentes. No último domingo, na derrota contra o Novorizontino, Carille voltou a usar uma linha de três criadores atrás do centroavante - ao contrário do losango que testou dias antes contra o Ferroviário. Não deu certo: mais uma vez faltou velocidade na armação, e a equipe foi previsível.

Foi a terceira derrota sofrida pelo Corinthians neste ano, todas no Campeonato Paulista. Em 2018 o terceiro revés ocorreu também na sétima partida; no ano anterior havia sido apenas no 48º jogo, já na metade de agosto. A diferença não chega a colocar o trabalho de Carille em xeque, mas aumenta a cobrança pelo menos por um padrão de jogo.

O treinador avalia o confronto com o Racing como "o maior desafio" neste início de temporada do Corinthians. Trata-se do líder do Campeonato Argentino, que perdeu apenas dois dos últimos 15 jogos oficiais que disputou. O jogo acontece às 21h30 (de Brasília) de quinta-feira, na Arena, pela primeira fase da Sul-Americana.

Mais Esporte