PUBLICIDADE
Topo

Com moral no Santos, Orinho casa suas características às de Sampaoli

21/01/2019 11h48

O lateral-esquerdo Orinho falou pela primeira vez após seu retorno ao Santos. Contente com a titularidade nos dois primeiros jogos de Jorge Sampaoli no clube, o ala disse casar exatamente sua característica de jogo com as ideias do argentino para o Peixe. Orinho é a única opção para a ala esquerda do Alvinegro inscrito na lista principal do Campeonato Paulista e, por isso, espera seguir como titular em 2019.

Durante entrevista coletiva no CT Rei Pelé, o lateral de 23 anos fez questão de ressaltar o quão diferente é de Dodô, hoje na Sampdoria, da Itália, e titular absoluto da posição em 2018, enquanto Orinho esteve emprestado à Ponte Preta, de Campinas.

- Dodô tem uma característica, eu tenho outra. Sou mais ofensivo. Gosto de ir para cima. Estou feliz, professor está me ajudando neste começo, isso me dá confiança. Sampaoli vem com uma filosofia bem diferente, já rodou o mundo inteiro, passou por seleções. Fica bem mais ofensivo o time. Sem a bola, pressionamos para tomá-la rápido. As jogadas saem. O esquema é pressionar lá em cima para não ter de correr 60 metros para trás - explicou Orinho.

Embora ainda jovem, Orinho já é pai e teve uma infância difícil na periferia de São Paulo. Por isso, o lateral fez questão de ressaltar o quão emocionado ficou com as chances que tem recebido no Santos. Trabalhar duro para mantê-las é a meta para 2019.

- Para mim é fantástico. Sonho que está se realizando. Trabalhar todo dia para manter o nível. Todo sonho de um garoto é jogar no Santos e o meu não é diferente. Fico até um pouco emocionado. Passei por muitas situações difíceis na vida e agora estou aqui. Eu passei por necessidades em casa, tive que recorrer a algumas pessoas, meu empresário, Bruno, que me blindou de coisas que podiam atrapalhar. Sou muito grato ao Sampaoli e toda a comissão técnica e a quem me recepcionou muito bem no Santos. Falar menos e trabalhar mais - completou.

'Quem está aqui, dá conta'

O jogador também falou sobre o elenco e o momento do Santos. Apenas dois reforços foram contratados, mas, para ele, o plantel atual é capaz de suprir as necessidades de Jorge Sampaoli para a temporada. Por enquanto, apenas 15 jogadores foram inscritos no Paulistão, além de uma lista com garotos de menos de 20 anos, todos das categorias de base.

- Santos é um gigante. Quem sobe da base, dá conta do recado. Quem vier, também será bem-vindo. Quem está aqui, está de bom tamanho para suprir as necessidades do professor - finalizou. Até o momento, o Santos contratou o zagueiro colombiano Felipe Aguilar e o meia-atacante venezuelano Yeferson Soteldo.

Esporte