Topo

Federação e times de São Paulo decidem por voto combinado em Coronel Nunes

Divulgação / Site da FPF
Imagem: Divulgação / Site da FPF
do UOL

Do UOL, em São Paulo

07/12/2015 22h23

Representantes dos clubes paulistas das Séries A e B do Campeonato Brasileiro, além de membros da Federação Paulista de Futebol (FPF), se reuniram nesta segunda-feira (07) e definiram voto combinado em Antônio Carlos Nunes de Lima, o Coronel Nunes, para vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A eleição para substituto de José Maria Marín, que está em prisão domiciliar nos Estados Unidos, acontecerá no dia 16 de dezembro. Nunes, mandatário da federação paraense, é o único candidato ao cargo. 

Segundo apurou o UOL Esporte, as equipes e a FPF também decidiram que será cobrado de Coronel Nunes, em troca de apoio, que uma comissão de clubes comande as Séries A, B, C e D do nacional, especialmente no que compete a calendário, contratos e arbitragem. 

O movimento é tratado como “golpe” por Delfim de Pádua Peixoto, presidente da federação catarinense, atualmente o mais velho dos vice-presidentes da entidade máxima do futebol nacional.

Em caso de renúncia ou banimento de Marco Polo del Nero, Peixoto, declaradamente opositor do mandachuva, assumiria o comando da CBF – de acordo com o estatuto, o vice mais velho herda o posto.

Nunes, 77, da base aliada de Del Nero, tem três anos a mais do que o catarinense. Caso seja eleito para a vaga de Marín, será o vice-presidente mais velho na entidade e o primeiro na linha sucessória.

Del Nero, investigado pelo Departamento de Justiça dos EUA, pediu licença para se concentrar em sua defesa - e, por isso, pôde escolher o interino: Marcus Antônio Vicente, deputado federal pelo PP-ES. O regulamento, contudo, terá de ser seguido em caso de suspensão do cartola pelo comitê de ética da Fifa ou de renúncia. 

Desde a aprovação do Profut, além das federações estaduais, os clubes das duas primeiras divisões do Brasil ganharam direito a voto nas eleições da CBF.

Corinthians, Palmeiras, Santos, São Paulo e Ponte Preta, da elite, e Bragantino e Oeste, da Segundona, votarão. Junto à FPF, o futebol paulista soma 8 votos. A reunião entre os representantes durou mais de cinco horas. 

Esporte