Topo
Entretenimento

Gloria Groove espalha pagode e cartas de amor com o audiovisual 'Serenata'

Gloria Groove, que lança o álbum de pagode "Serenata da GG, Vol. 1" - Divulgação
Gloria Groove, que lança o álbum de pagode 'Serenata da GG, Vol. 1' Imagem: Divulgação
do UOL

Tarso de Oliveira

Colaboração para Splash, em São Paulo

25/06/2024 04h00

Lançado no Dia dos Namorados, "Serenata da GG, Vol.1" é o novo projeto da multiartista Gloria Groove. O álbum, que contém 13 faixas entre músicas inéditas e regravações ao vivo, já ultrapassa 9 milhões de reproduções nas plataformas de streaming e está despontando em 26º nas playlists brasileiras em 2024. Entre as participações especiais, estão Ferrugem, Alcione, Thiago Pantaleão, Belo e a mãe de Gloria, Gina Garcia.

Com um misto de nostalgia dos anos 90 e 2000 e muito romantismo, Gloria Groove conta a Splash que o projeto fez com que ela se voltasse para sua origem musical, as divas do R&B e love songs, que foram grandes inspirações na sua infância. A artista se enxerga como uma pagodeira desde a barriga da mãe, que era backing vocal da banda Raça Negra, um dos grupos de pagode mais icônicos de todos os tempos.

Falando em família, a artista comenta carinhosamente sobre sua tia Soraya, outra inspiração para sua soma criativa. A irmã caçula da sua mãe é aquela tia apaixonada do signo do áries, que tinha vários namorados, colecionava ursinhos de pelúcia, super emotiva. Gloria vê que o projeto é uma verdadeira homenagem para ela.

"Na mente criativa de uma drag queen, a ideia é sempre maximizar e potencializar uma temática. E, quando se fala de amor, nada representa de forma tão potente como o pagode. O pagode é o ritmo que faz a gente sofrer ainda mais. Dito isso, o álbum é uma celebração do amor. Mas, como é uma drag cantando, é uma celebração de um amor exagerado! Minha tia Soraya é uma grande referência pra mim por ser uma defensora do conceito de amar. Quando ela ama alguém, ela vive intensamente essa paixão. Serenata da GG tem muito disso!"

A nostalgia vai muito além das lembranças de Gloria Groove. A sonoridade do pagode e do R&B dos anos 90 foram os pilares na construção do 3º álbum da artista. A nostalgia dentro dessa visão exagerada remete aos programas de relacionamentos da televisão brasileira como "Beija Sapo", "Em Nome do Amor", "Amor e Sexo"... Quem nunca pegou uma dica sobre paquera e sexo com Penélope Nova no "Ponto Pê"? Quem nunca teve vontade de participar do "Beija Sapo"? Isso é puro suco dos 90/2000. Antes da chegada da internet, assuntos sobre sexo e relacionamento eram grandes tabus e isso trazia uma intensidade para adolescentes e pré-adolescentes (realmente o tempo passa muito rápido).

Para contextualizar, a cantora fez regravações de sucessos do anos 2000 como no pout-porri "Você Sempre Será/ Não Dá pra Resistir", faixas de Marjorie Estiano e do grupo Rouge.

A cantora e drag queen Gloria Groove - Divulgação - Divulgação
A cantora e drag queen Gloria Groove
Imagem: Divulgação

"A forma de a televisão mostrar esses assuntos me ajudou muito na adolescência. Sobre como ser descolada. Isso também foi uma referência na construção do cenário e da teatralidade do projeto audiovisual", conta Gloria. "Gravar com público, com teleprompter e com cenário foi bem impactante, traz a sensação de estar num programa de TV dos anos 2000."

"Muitas pessoas me dizem nas ruas que eu sou a madrinha do relacionamento deles, que foi através da minha música que rolou a química. Eu achei isso muito fofo! Isso fez com que eu chegasse à conclusão que as pessoas vão até o meu show procurando essa conexão do amor."

Lady Leste comenta que, durante o processo inicial do projeto, ela não estava tão entregue assim pela forte demanda de trabalhos e shows. Mas uma fala de seu empresário, Samy Elia, foi a virada de chave para que o projeto decolasse de vez. "Você precisa se permitir mais, abrir mais o seu coração", ele disse.

A multiartista, então, se entregou tanto que até declaração em forma de música para o seu companheiro, Pedro Luís, aconteceu. Foi a faixa "Dom da Vida".

"Em 'Serenata da GG', eu sinto que deixei várias cartas de amor para minha família e para as próximas gerações. Eu pude deixar uma carta de amor para o meu amor. E esse é o valor sentimental que esse projeto tem por ser tão coração!"

A bonequinha não sabe brincar também quando o assunto é escolha de repertório. Durante o processo, Gloria Groove tomou a iniciativa de fazer vários grupo,s no WhatsApp para que os compositores pudessem mandar suas músicas. Ela comenta que a iniciativa e as sessões de estúdio junto com Umberto Tavares e Jefferson Junior fizeram com que ela percebesse que nasceu para fazer isso. Pelo fato de conseguir mergulhar em várias energias facilmente durante a criação, trazendo dinamismo e entrega ao trabalho.

"Fui até o Rio de Janeiro me conectar mais com o meu lado pagodeira e, quando voltei pra São Paulo eu entendi que o álbum era conceitual como um coletânea dos anos 2000."

As participações de Ferrugem, Alcione, Thiago Pantaleão, Belo e de sua própria mãe, Gina Garcia, é mais um capítulo que a artista guarda com muito carinho em sua memória. Junto com sua equipe, ela fez uma lista do tipo "de quem eu sou muito fã e ainda não tive oportunidade de gravar?". Um baita "problema" que todo artista gostaria de ter na sua carreira. Mas, quando falamos de Gloria Groove, cantar ao seu lado não é uma missão tão fácil assim. Desde criança, Glória Groove se destaca pelo seu timbre potente e sublime, mas, com passar dos anos —e também por ter ido estudar canto, teatro e até dublagem—, a artista encontrou o suprassumo da sua voz, tendo total domínio das técnicas vocais e emocionando seu público.

Quando a equipe entrou em contato com os artistas convidando para a participação, Gloria diz que o que se deu foi uma demonstração de respaldo e respeito muito grande: todos toparam sem ao menos saber a faixa ou conhecer o projeto, toparam apenas pela felicidade de poder cantar a seu lado.

"Se tem algo que não vou esquecer do 'Serenata' é o respeito e a admiração que eu senti dos artistas que participaram. Eles vieram com um sim genuíno que não sei nem mensurar o tamanho da felicidade e o valor que isso trouxe pra mim."

"Estou chegando aos 30 anos e quero fazer projetos que envelheçam bem, que não saiam de moda. E o amor é um tema que nunca sai de moda. Quero estar cantando essas músicas até quando estiver uma drag bem velhinha. O momento agora é criar projetos atemporais para gente se orgulhar pra sempre!"

Entretenimento