PUBLICIDADE
Topo

'O Iluminado', 40 anos: as lendas do clássico de Stanley Kubrick

Jack Nicholson em "O Iluminado" (1980) - Reprodução
Jack Nicholson em "O Iluminado" (1980) Imagem: Reprodução
do UOL

Arthur Belotto

Do UOL, em São Paulo

23/05/2020 04h00

"O Iluminado", um dos maiores clássicos do horror, completa 40 anos neste sábado (23). Antes de ganhar o status cult, a produção teve a desaprovação de seu autor (sim, Stephen King não gostou nada da adaptação de Stanley Kubrick) e da crítica. Além disso, as filmagens do longa estrelado por Jack Nicholson renderam várias histórias de bastidores misteriosas, como o incêndio sem explicação que destruiu o estúdio onde a produção estava sendo rodada. Para celebrar as quatro décadas desse clássico, listamos algumas das teorias conspiratórias sobre filme.

Perto do fim das filmagens, um incêndio atingiu o estúdio onde 'O Iluminado' estava sendo gravado - Reprodução/Twitter
Perto do fim das filmagens, um incêndio atingiu o estúdio onde 'O Iluminado' estava sendo gravado
Imagem: Reprodução/Twitter

'Cura' para o holocausto

Uma das teorias sobre "O Iluminado" é que Kubrick usou o filme para lidar com o holocausto. O documentário "O Labirinto de Kubrick" menciona o uso recorrente do número 42 durante o filme, o que seria uma referência ao ano de 1942, quando a "Solução Final" —plano nazista que visava exterminar os judeus da Europa— foi colocada em prática.

Os entrevistados do documentário alegam ainda que a máquina de escrever que o protagonista Jack Torrance usa para escrever várias páginas da frase "muito trabalho e pouca diversão fazem de Jack um cara bobão" simboliza os métodos mecânicos do Terceiro Reich de matar pessoas, além de sua obsessão por fazer listas.

A máquina é do fabricante alemão Adler, que significa "águia" —um dos símbolos do partido nazista. Em outra cena, o símbolo aparece novamente quando Wendy leva café da manhã para o marido na cama e ele está usando uma camiseta amarela com uma águia estampada.

Apollo 11 e o pouso na Lua

Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter

Uma das maiores teorias da conspiração da humanidade é de que o pouso na Lua da Apollo 11 em 1969 fazia parte de uma grande farsa elaborada pela NASA e pelo governo.

O documentário vai mais longe e sugere que Kubrick foi um participante importante desse evento. Eles afirmam que "2001: Uma Odisseia no Espaço" (1968) foi usado como um projeto de pesquisa e desenvolvimento para as imagens reais do pouso na lua e o "O Iluminado" seria a grande libertação de Kubrick desse segredo. Teoria da conspiração pura.

Uma das provas para essa teoria estaria na cena em que o pequeno Danny está brincando sozinho no famoso tapete com padrões geométricos e se levanta revelando seu suéter com estampa da Apollo 11.

Enquanto ele caminha em direção ao icônico quarto 237, é possível ver um chaveiro que tem "Room No. 237" (Quarto número 237, em português) inscrito. Conspiradores acreditam que isso pode ser um anagrama que forma a palavras "moon" (lua) . Forçaram?

Genocídio indígena nos EUA

Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter

Em um artigo publicado no jornal "The Washington Post", o jornalista Bill Blakemore revelou que "O Iluminado" é uma metáfora para o genocídio indígena que aconteceu nos EUA no início do século 20. Além das referências na decoração do hotel Overlook, há uma cena em que uma lata de fermento Calumet, com um nativo americano em trajes tradicionais na embalagem, chama a atenção de Danny, vivido por Danny Loyd.

Kubrick também acrescentou uma cena que não existe no livro em que o longa foi baseado. Nela, a família Torrance é informada de que o hotel foi construído sobre um cemitério indígena —o que, na crença popular, traria mau agouro. Segundo Blakemore, a equipe de Kubrick pesquisou a história da cidade e do hotel e descobriram que ali ocorreram tensões da tribo Navajo com os colonizadores. E a clássica cena da enxurrada de sangue saindo do elevador também seria uma referência à matança.

Entretenimento