PUBLICIDADE
Topo

Dior faz uma releitura do dândi inglês

17/01/2020 20h54

Paris, 17 Jan 2020 (AFP) - O estilista britânico Kim Jones trouxe a aristocracia inglesa para sua última coleção masculina da Dior, em um desfile nesta sexta-feira (17) em Paris, em que o homem se mostra sensual e decadente.

Jones dedicou o desfile a seu compatriota Judy Blame, estilista e ícone do punk que morreu em 2018 e que trabalhou com Duran Duran, Boy George, Bjrk, John Galliano e a marca Louis Vuitton.

O homem desta vez se apropria de acessórios do guarda-roupa feminino, como luvas com pérolas, combinadas com jaquetas e calças em tons sóbrios.

Camisas sedosas caem fluidas como saias sobre calças clássicas combinadas com botinas "chelsea", com zíper duplo. Uma boina, criada pelo famoso chapeleiro Stephen Jones, completa o look.

"Sempre gostei do toque londrino no chique parisiense, é por isso que os britânicos entram tão bem nas 'maisons' de luxo francesas", disse Kim Jones à AFP antes do desfile.

"A coleção é de alto alcance e decadente. O mundo é bastante deprimente nesse momento, queria fazer algo festivo", diz.

Um impressionante casaco com ombros bordados com fios de prata encerrou o desfile. Preço: 75.000 euros.

"Estou certo de que venderemos pelo menos dez. Temos clientes VIPs que gostam de coisas especiais", diz Jones.

As jaquetas 'bomber' têm zíperes nas costas que, abertos, deixam entrever pérolas bordadas, que também aparecem nas gravatas.

- Vêtements sem Demna Gvasalia -Outra marca protagonista do quarto dia da Semana de Moda masculina foi a Vêtements, que desfilou pela primeira vez sem seu cofundador, o estilista iconoclasta Demna Gvasalia.

A marca em que o estilista da Geórgia, que já foi diretor artístico da Balenciaga, rompeu com o moldes de um estilo provocador e confortável continua, agora nas mãos de seu irmão Guram.

O desfile misto foi marcado por jaquetas quadradas, com ombreiras,além de falsas top models e estrelas caracterizadas como várias modelos, como Kate Moss, Naomi Campbell e Angelina Jolie.

Um boné tinha o lema "Gvasalia para presidente".

Gvasalia conseguiu levar o uniforme de trabalho e a roupa do dia a dia par ao universo do luxo, e em seus famosos desfiles parisienses mostrava modelos, muitos não profissionais e de idades variadas, como estereótipos: a secretária, o "hooligan" e até o vagabundo.

A Semana de Moda masculina termina nesse domingo e passa o bastão para os desfiles de alta costura. O de Jean Paul Gaultier, na próxima quarta-feira, será seu último, anunciou nessa sexta-feira o famoso estilista francês, que durante 50 anos marcou a história da moda com seu estilo transgressor e subversivo.

Entretenimento