Topo

Band respira aliviada após possível acordo em dívida com TV Globo

Johnny Saad, presidente do Grupo Bandeirantes - Divulgação/Band
Johnny Saad, presidente do Grupo Bandeirantes Imagem: Divulgação/Band
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

do UOL

Colunista do UOL

07/11/2019 09h36

A Band enfrenta há anos dois problemas graves: 1) uma disputa entre irmãos e irmãs controladores da emissora; 2) uma enorme dívida com fornecedores e parceiros.

Pois uma das maiores credoras da Band é a colega TV Globo. O valor nunca foi revelado, mas sabe-se que a dívida atinge várias dezenas de milhões de reais.

Ela tem origem na parceria entre as emissoras, de anos e décadas passadas, no futebol e em outros esportes e eventos.

Durante anos a Globo sempre comprava os direitos de transmissão de campeonatos como a Copa do Mundo, o Brasileiro, o Paulista, Olimpíadas etc. e repassava à Band jogos e eventos para que ela também os exibisse.

Por esse repasse a Band deveria remunerar a Globo, mas muita coisa ficou atrasada —aparentemente porque, em vez de pagar à Globo, a Band preferiu pagar dívidas mais urgentes.

No mês passado, por exemplo, João Roberto Marinho esteve na sede da Band, no Morumbi, como informou a coluna de Cristina Padiglione.

A pauta entre os dois não foi revelada, mas a coluna apurou que a solução para as dívidas foi um dos assuntos tratados.

Tudo indica que a Globo não tem interesse algum em executá-las e piorar ainda mais a situação da velha parceira.

Ainda há muitas dúvidas e está nebuloso como será feito o pagamento das dívidas pela Band, mas talvez envolva um novo acordo esportivo entre as duas para 2020 e os próximos anos.

Segundo a coluna apurou, a Globo tem alguns contratos assinados com ligas esportivas e campeonatos e outros eventos em que há cláusulas determinando que uma quantidade X de eventos (jogos, partidas etc.) seja exibida necessariamente na TV aberta.

Não necessariamente na Globo, porém.

A Band pode funcionar como parceira da Globo nesse sentido. O assunto é sigiloso e tudo tem sido apurado de forma extraoficial.

A Globo não comenta sua situação ou relações financeiras com outras emissoras ou empresas.

De qualquer forma, fontes ouvidas pela coluna garantem que, no Morumbi, os Saad já respiram mais aliviados.

Falta agora apenas resolver os problemas da própria família.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops

Entretenimento