Topo

"Não virei sapatão porque meus pais são gays", diz Ágata de Avenida Brasil

Ana Karolina Lannes, a Ágata de Avenida Brasil, com os pais - Reprodução/Instagram/karollannes_
Ana Karolina Lannes, a Ágata de Avenida Brasil, com os pais Imagem: Reprodução/Instagram/karollannes_
do UOL

Do UOL, em São Paulo

09/10/2019 15h02

Ana Karolina Lannes, a Ágata de Avenida Brasil, falou no Se Joga sobre sua homossexualidade. A atriz de 19 anos contou ter sido aceita com amor pelos pais, que também são gays (ela perdeu a mãe na infância), mas temeu pela repercussão negativa quando o assunto repercutiu na imprensa.

"Quando eu me assumi para os meus pais, foi tranquilo, eu sabia que seria um ambiente de amor. Eles tiveram a preocupação, claro, de que eu sofresse com coisas que provavelmente eles já sofreram, mas o meu maior medo foi quando a minha homossexualidade saiu na mídia, porque o meu maior medo era que os meus pais sofressem críticas por causa disso. 'Virou sapatão porque os pais são gays', e não tem nada a ver, senão não existiriam gays com pais héteros. Meu maior medo sempre foi esse. Quando eu consegui separar isso, mostrei que a única interferência dos meus pais homossexuais na minha homossexualidade foi o quanto eu me aceito e o quanto eles me aceitaram", afirmou Karol.

A atriz foi elogiada por Fernanda Gentil, que namora há três anos a jornalista Priscila Montandon: "Nossa, como fala bem, né? Tomara que a gente chegue um dia a esse ponto e falar de um assunto desse como fala de uma garrafa d'água. Uma coisa tão natural, desenvolta".

Karol também falou sobre a reprise de Avenida Brasil, que voltou na última segunda em Vale a Pena Ver de Novo. A atriz, que tinha 11 anos quando começou a gravar a trama, elogiou os colegas de elenco e disse ter amadurecido com os atores veteranos.

"Avenida Brasil foi uma das minhas maiores escolas, inclusive pelos atores com quem tive a oportunidade de contracenar: [Marcos] Caruso, [Eliane] Giardini, [Adriana] Esteves. Todo mundo sempre me ensinou muita coisa, como profissional e como ser humano. Acho que Avenida Brasil foi para mim um aprendizado enorme, um amadurecimento enorme", avaliou.

Ágata e Carminha em Avenida Brasil - Reprodução/TV Globo
Ágata e Carminha em Avenida Brasil
Imagem: Reprodução/TV Globo
Na trama, Ágata sofre com o desprezo de Carminha (Adriana Esteves). Nos bastidores, as duas atrizes se elogiavam para amenizar as cenas mais tensas entre mãe e filha.

"A Adriana sempre teve um cuidado muito grande comigo, a produção inteira, com o meu emocional, com toda essa relação de separar a Ágata da Karol. Antes das gravações, a Adriana e eu sentávamos sozinhas, olhávamos uma para a outra e ela falava: 'Você é linda, você é incrível'. A gente entrava no personagem, passava o dia inteiro quebrando o pau, chegava no fim do dia, a gente sentava de novo e conversava: 'Karol, você é incrível, sabe que eu te admiro muito'", relembrou Karol.

"A gente tinha esse cuidado uma com a outra, de saber separar as relações. A Adriana foi uma pessoa que ajudou a Karol demais no Rio, corria para o médico comigo quando precisava, sempre teve esse cuidado, por isso não me afetou a minha saúde emocional, soube separar muito bem, graças a todo o apoio", complementou a atriz.

Para a intérprete de Ágata, a personagem continua atual e pode ajudar as meninas de hoje a se aceitarem como são.

"Ágata ajudou muita gente, e a novela estar passando de novo para mim é incrível. É outra oportunidade de a Ágata ajudar essa nova geração de meninas que vem por aí", analisou.

Filhos revelam como é crescer em lar com pais gays

UOL Notícias

Mais Entretenimento